Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

SEMANA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Lázaro Ramos dirige especial que vai das conquistas às dores do negro

Publicado em: 20/11/2020 09:41

 (Foto: Victor Pollak/Globo)
Foto: Victor Pollak/Globo

Para conhecer a linguagem autoral de Lázaro Ramos é preciso ouvi-lo, lê-lo, assisti-lo. Ficar atento às perguntas que ele faz. Assinando mais uma vez a direção de uma obra audiovisual, Lázaro apresenta, nesta sexta-feira (20/11), Dia Nacional da Consciência Negra, o especial Falas negras, na TV Globo. Motivado por fatos da história recente, como as mortes de George Floyd, João Pedro Mattos e do menino Miguel, o telefilme traz a proposta de contar, em primeira pessoa, a história de 22 personagens da vida real que tiveram importantes contribuições para a história da causa negra, entre 1600 e 2020. Sobre a proposta, Lázaro, diretor da atração, compartilhou com o Correio como encarou o que considera “o maior desafio pessoal”.

“A princípio, não aceitei porque é um assunto muito emocional para mim, e não sabia como eu lidaria com isso. Mas, quando eu tive contato com os textos, entendi que era um convite a olhar com maturidade para o que a história produziu nessa luta antirracismo, por justiça e liberdade. Afinal, ali não tem ficção”, destaca o artista. As temáticas sociais e políticas estão frequentemente inseridas nos projetos de Lázaro, o que para ele é algo difícil, mas é também a assinatura que busca com realizador. “Trabalho muitas vezes com essas temáticas e sempre me imponho o desafio de criar uma narrativa. Isso é difícil, porque existem amarras, mas é a minha proposta como diretor: para além do conteúdo, eu tenha também como provocar sensações por meio da linguagem”, completa.

Linguagem Com o apoia do da equipe técnica e a habilidade cênica do elenco, composto por nomes consagrados e novos talentos, o diretor pôde colocar essa proposta em prática, trabalhando as simbologias por trás de cada fala. “A história de cada um será apresentada com uma certa simplicidade — serão trechos e momentos —, mas tendo uma força estética por meio de enquadramentos e da textura que Mauro Vicente criou para o fundo. Mas o foco mesmo, o meu trabalho de direção, foi sempre valorizar a palavra”, diz o diretor. “Isso só foi possível realizar por causa da parceria com a equipe que estava imbuída desse espírito de criar essa linguagem. Mas eu tenho sido muito feliz, porque acho que é um caminho importante de ser explorado.”

De forma remota, Lázaro conduziu por 10 dias os ensaios com o elenco, para, em seguida, iniciar as gravações. “Todos os atores e atrizes, sem exceção ficaram muito nervosos quando chegaram para gravar. Eu, a princípio, não entendi, mas, depois, compreendi que todo mundo estava se sentindo responsável por dar o melhor, por entender que esse é um momento raro”, ressalta.

Caminho autoral

São muitas as contribuições da carreira do multi-artista baiano para a cultura nacional. Isso se confere no teatro, no cinema, nos livros, nas redes, em entrevistas e nos trabalhos na tevê. Desde que decidiu ser ator, aos 15 anos, em Salvador, como parte do Bando de Teatro Olodum, Luís Lázaro Sacramento de Araújo Ramos vem aprimorando a composição de sua obra, e trazendo com ele um generoso acervo artístico, intelectual e cultural. O ator também tem uma parceria de sucesso com a célebre atriz Taís Araújo, com quem é casado há 15 anos, na vida e na arte.

Dentre as identidades que assumiu na ficção, Madame Satã, Foguinho, Ezequiel, Roque, o herói capoeirista Zé Maria dos Santos, André, Martin Luther King, Éder, Evilásio Caó, Mister Brau, entre outros, marcaram a carreira de Lázaro. Na literatura, além de Na minha pele (2017), escreveu os livros infantis Sinto o que sinto: E a incrível história de Asta e Jaser (2019), Cadernos sem rima da Maria (2018), Caderno de rimas do João (2015), A velha sentada (2010). Na direção, Lázaro assina peças, como O topo da montanha; A menina Edith e a velha sentada; documentários, como Zózimo Bulbul e Bando, um filme de…; e o primeiro longa-metragem, Medida provisória — O filme, que ainda espera a estreia. O mais recente trabalho, Falas negras, estreia nesta sexta-feira (20/11), depois da novela A força do querer.

Sobre os impactos que os poderosos discursos, como os que serão apresentados em Falas negras, podem gerar consciência social, Lázaro responde: “A minha intenção com esse especial é emocionar as pessoas. A parte da reflexão, do mais racional, dependerá do histórico, da intenção delas, e, sobre isso, não sei se tenho muito controle. A gente fez o especial, muito querendo que as pessoas saíssem tocadas e motivadas. Também, conscientes de que essa é a história que foi produzida, com acertos, erros, desafios, desejos. O que podemos fazer é dar espaço para as palavras e tentar emocionar as pessoas. E torcer, para que saiam inspiradas a encontrar o seu lugar de participação nessa causa”, finaliza.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 01/12
De 1 a 5: Novembro Azul chega ao fim, mas prevenção do câncer de próstata precisa ser permanente
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão #276 Propagação vegetativa em plantas
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 30/11
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco