Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

DADOS

Pesquisa nacional revela queda no percentual de leitores adultos

Publicado em: 09/10/2020 13:53

 (Foto: Pixabay/Reprodução)
Foto: Pixabay/Reprodução

Fonte de inspiração e aprendizado em todas as idades, a leitura está cada vez mais ausente da vida dos brasileiros. O país perdeu 4,6 milhões de leitores adultos em quatro anos, como mostra a pesquisa Retratos da Leitura no Brasil, que está em sua quinta edição e é feita pelo Instituto Pró Livro em parceria com o Itaú Cultural. Foram realizadas 8.076 entrevistas em 208 municípios de 26 estados entre outubro de 2019 e janeiro de 2020. Apesar dos dados alarmantes, o estudo também revelou que as crianças de cinco a dez anos estão lendo mais, diferentemente das demais faixas etárias.

De acordo com a professora do curso de Pedagogia da Estácio, Raquel Baeta, que é doutora em Educação, alguns fatores explicam por que crianças dessas idades estão com a leitura em dia. “A descoberta do mundo da leitura acontece juntamente com o processo de alfabetização e letramento nessa fase dos cinco aos dez anos. O universo da literatura infantil desperta nas crianças a vontade e o desejo de aprender a ler com autonomia para entrar nesse mundo sem o intermédio do adulto, dialogar com as diferentes linguagens e ampliar sua visão de mundo”, esclarece a professora.

A especialista ressalva que outro ponto favorável ao hábito da leitura nessa etapa da vida é o contato quase que diário com a literatura. "Estratégias de mediação de leitura, que também acontecem nas escolas, como a contação de histórias, a rodinha de leitura, o cantinho de leitura e visitas semanais a bibliotecas podem garantir uma ligação positiva com a leitura, despertando o interesse", afirma. Já a partir dos 11 anos, a leitura passa a ter menos presença no cotidiano escolar no qual os momentos são reduzidos às aulas de literatura que, normalmente, acontecem uma vez por semana.

"A partir da pré-adolescência as escolas começam a recomendar livros literários e o jovem deixa de escolher, porque os métodos mudam, incluindo a forma de lidar com a leitura junto às cobranças. Por isso é interessante que as escolas ofereçam aos alunos com idade acima de 11 anos estratégias diferenciadas para que o ensino da literatura não se resuma a um processo teórico, mas seja um processo contínuo da construção do leitor literário, dando espaço e liberdade para os jovens fazerem suas escolhas. Saber ler é uma oportunidade de contribuir para a transformação da sociedade", elucida Raquel Baeta.

A mesma pesquisa observou que quem não tem o hábito de ler são os mais influenciados pelos meios digitais. Em 2015, 47% dos entrevistados afirmaram usar a internet no tempo livre, e em 2019 o percentual aumentou para 66%. O uso do WhatsApp passou de 43%, em 2015, para 62%, em 2019. Mas o jornalista e coordenador da pós-graduação "Comunicação e Marketing de Mídias Digitais", da Estácio, Juliano Azevedo, pondera que a tecnologia não pode ser considerada a vilã da história.

"A questão da falta da leitura está relacionada à falta do hábito e de incentivo. Ler não é só a experiência do papel, a leitura também pode ser feita em e-books, sites, pois ler é buscar conhecimento e informações. O livro é uma experiência e a internet é outra experiência. As redes sociais, jogos e canais no YouTube, a depender do tipo de conteúdo, podem ser um incentivo à busca pelo conhecimento. A atual e as próximas gerações já nascem em contato com a tecnologia, então é possível conciliar a internet e seus recursos e ferramentas com a leitura", informa Juliano Azevedo.

O coordenador lembra que, além das escolas, pais ou responsáveis devem estimular a leitura desde a infância compreendendo que o mundo hoje é real e on-line. “Pais e professores precisam se adaptar a esse novo modelo de aprendizagem e se interessar em saber o que a criança está acessando e aprendendo no mundo digital. Seja qual for o meio em que a leitura acontece, no papel ou pela internet, é importante saber o que os jovens estão fazendo com esse conhecimento”, destaca Azevedo.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Luta por representatividade: candidatas negras tentam reescrever a história
Resumo da semana: segunda onda da pandemia, drones na eleição e campanha sem aglomeração
Rhaldney Santos entrevista João Paulo (PCdoB)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco