Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

CINEMA

Livro da Cia das Letras reúne roteiros de Kleber Mendonça Filho

Publicado em: 13/10/2020 14:49 | Atualizado em: 13/10/2020 16:59

Cenas de O Som ao Redor, Aquarius e Bacurau (Foto: Divulgação)
Cenas de O Som ao Redor, Aquarius e Bacurau (Foto: Divulgação)


O trabalho exitoso do pernambucano Kleber Mendonça Filho no cinema agora ganha um registro em livro com Três Roteiros - O som ao redor, Aquarius, Bacurau, que será lançado em breve pela editora Companhia das Letras. A obra vai disponibilizar, pela primeira vez ao público, três roteiros que revelam o processo criativo do cineasta, que também trabalhou muitos anos como jornalista no Recife. No livro, é possível identificar as decisões tomadas pelo diretor, até mesmo quando as filmagens já estavam em movimento. A publicação conta com uma introdução escrita pelo cineasta, texto do Ismail Xavier e material de arquivo fotográfico dos filmes.

"Se em O som ao redor vemos a diferença entre os começos do roteiro e do longa-metragem, no texto de Aquarius temos um final bastante diferente do que foi filmado, mostrando a vivacidade de uma arte que se molda à medida que se desenvolve. Já em Bacurau, as cenas de violência extrema ganham um novo contorno depois da leitura deste livro", diz o texto de apresentação do livro, no site da Companhia das Letras.

"Nos melhores dias, acredito que o roteiro é uma peça de literatura, certamente peculiar", diz Kleber Mendonça Filho, em citação no texto de apresentação. "Roteiros talvez tenham uma textura telegráfica, mas ainda assim podem ser capazes de apresentar um fluxo claro de ideias e sugestões maliciosas como qualquer bom texto. Ideias de cinema embutidas em observações sobre gente e mundo. Descrições compactas de sonhos ou pesadelos."

Capa do livro (Foto: Cia das Letras/Divulgação)
Capa do livro (Foto: Cia das Letras/Divulgação)

Juntos, O som ao redor, Aquarius e Bacurau formam uma espécie trilogia que carrega um "zeitgeist" sobre o Brasil na década de 2010. O primeiro longa-metragem ficcional de Mendonça Filho, O som ao redor (2013), era um espelho do cotidiano da classe média recifense em ascensão. Nele, a Zona Sul do Recife era palco de um suspense experimental em edifícios urbanos que carregavam as heranças colonialistas de Pernambuco.

Aquarius (2016), também na Zona Sul, ganhou um sentido ainda mais político após o protesto no tapete vermelho de Cannes, quando a equipe denunciou um “golpe de estado” contra a ex-presidente Dilma Rousseff. No filme, a protagonista Clara (Sônia Braga) se recusava a sair de um prédio antigo a pedidos de uma grande empreiteira. Em algum momento, era como Roussef se negasse a sair do Palácio do Planalto.

Em Bacurau, em que Kleber e Juliano Dornelles saem do urbano e partem para um interior visceral, ambientado em um Brasil "daqui a alguns anos" e que está oficialmente dividido entre Norte e Sul. As filmagens foram realizadas no Sertão do Seridó, divisa do Rio Grande do Norte com a Paraíba.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rhaldney Santos entrevista João Campos (PSB)
Rhaldney Santos entrevista o engenheiro Celso Cunha
Rhaldney Santos entrevista Victor Assis (PCO)
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #177 - Peixeis ósseos e cartilaginosos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco