Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Viver

carnaval

Sem Preguinha Lindo, o boneco comediante de Olinda

Publicado em: 18/02/2020 12:58 | Atualizado em: 18/02/2020 13:19

Na primeira vez que o boneco desfilou, caiu de cara no chão.  (Foto: Leandro de Santana/Esp.DP)
Na primeira vez que o boneco desfilou, caiu de cara no chão. (Foto: Leandro de Santana/Esp.DP)

As pessoas estão acostumadas a ver os bonecos gigantes de Olinda majestosos, com um "ar" de soberanos desfilarem pelas ladeiras do Sítio Histórico. Eles passam pelas sacadas das casas, cumprimentam a todos e carregam uma multidão de fãs. Pois bem, em uma realidade totalmente diferente está o Jorginho Sem Preguinha Lindo, o boneco mais atrapalhado do carnaval olindense. Ele é neto do gigante Birita e tem até uma conta de humor no instagram, onde publica várias montagens para tirar boas risadas dos foliões. A nossa equipe foi até a sede do bloco, localizada na Avenida Joaquim Nabuco, para conversar com o dono dele, Jorge Henrique Leal Duarte Lima de Araújo, 24 anos, que também é um dos fundadores do Birita, para conhecer a história do gigante. 

"Ninguém imaginava que o Sem Preguinha Lindo fosse fazer um sucesso tão grande", conta Jorge. "Eu ganhei ele de um amigo que faz bonecos gigantes. Ele sugeriu que o boneco fosse o Birita, mas quando eu olhei para o boneco e vi os olhos assimétricos, os braços desiguais e até a sobrancelha troncha, eu recusei. Oxe! Homenagear meu pai com um boneco feio da gota desse seria pedir para apanhar. Falei para ele fazer outro parecido com painho para ser o Birita e o 'Sem Preguinha Lindo' veio junto de presente". 

O Birita e o Jorginho sem Preguinha são do bairro do Varadouro, em Olinda.  (Foto: Leandro de Santana/Esp.DP)
O Birita e o Jorginho sem Preguinha são do bairro do Varadouro, em Olinda. (Foto: Leandro de Santana/Esp.DP)


O nome "Sem Preguinha Lindo" veio de uma conversa entre amigos no WhatsApp. "O pessoal queria me abusar, dizendo que o boneco parecia comigo e começaram a me chamar de Jorginho Sem Preguinha, disseram que iriam criar um instagram do boneco e eu nem acreditei. Fui dormir e no outro dia já estava lá a conta dele com a cara do boneco", relatou. 

A primeira vez que o boneco desfilou foi no dia 22 de dezembro na prévia do Sem Birita. "Rapaz foi um sufoco porque a roupa não tava certa, a calça era maior que o defunto. O cadarço da barra da calça soltou e eu tive que amarrar com um arame na cintura dele. E ainda por cima, eu acho que o bonequeiro estava bêbado, porque ele ía para frente e para trás direto. Teve um momento que ele levou uma queda que o boneco caiu de cara no chão, achei que tinha quebrado o nariz do Sem Preguinha. No mesmo dia, o punho quebrou! Mesmo com esse rebuliço todo, o boneco foi a sensação do desfile. Ele ficava girando direto e o povo rindo!", narrou.

O Sem Preguinha é neto do Birita, outro boneco gigante de Olinda.


No início deste mês, o Sem Preguinha Lindo ganhou uma roupa nova. Ela foi confeccionada pela costureira Ana Clara Marques Garcia, 48 anos. A produção durou três dias. Ela falou que foi um desafio enorme fazer o figurino nos moldes do boneco. "Eu tirei as medidas certinhas, quando foi na hora de provar, a roupa não coube. O boneco é todo troncho da cabeça ao busto. A camisa mesmo ficou pendendo para um lado. Fiquei pensando onde tinha errado até a minha filha dizer que o boneco era assim mesmo. Morri de rir", disse.  virem me dizer que ele era assim mesmo", disse. 

Quem cuida da rede social dele, o @jorginhosempreguinhalindo, é uma equipe de quatro amigos, que usam aplicativos celular para fazer as montagens do boneco. E são várias publicações. Tem uma em que colocaram o boneco recebendo o oscar de melhor coadjuvante e melhor lindão. 



A outra, ele aparece ao lado do Prefeito de Olinda, Lupércio, com a descrição "Hoje estive com o Prefeito de Olinda debatendo sobre o carnaval de 2020 e descobri que serei o homenageado do carnaval. O tema da festa será: Olinda sem preguinha de olho em você. Achei super fofo".



Até na Torre Eiffel, em Paris, ele tem uma montagem.



"A gente não tem um horário certo para postar. Tem dia que a gente a gente posta em vários horários. Tudo é feito na hora, até o texto", revelou Jorge. Mesmo mesmo criada "de repente", a conta no instagram foi uma sacada interessante. Em menos de um mês, ela já estava com quase 200 seguidores. "As pessoas podem até chamar o boneco de feio quando ele passa pelas ladeiras, mas que ele causa, disso a gente não tem dúvida", disse Joana Marques Garcia, 22, uma das administradora. 

Jorge Henrique Leal Duarte Lima de Araújo, pai do Sem Preguinha Lindo e fundador do Birita.  (Foto: Leandro Santana/Esp.DP)
Jorge Henrique Leal Duarte Lima de Araújo, pai do Sem Preguinha Lindo e fundador do Birita. (Foto: Leandro Santana/Esp.DP)
 

A intenção do grupo ao colocar o Sem Preguinha Lindo na rua é mostrar que o carnaval é para todas as pessoas independente. "Todo mundo tem o direito de brincar e esse boneco é a prova disso. Não importa se é magro, gordo, alto, baixo, pobre ou rico. O que importa é curtir a festa, se jogar na folia e dar boas risadas", disse Joana Marques Garcia, 22.  O desfile oficial do Sem Preguinha Lindo irá acontecer no dia 23 de fevereiro junto com o avô, o Birita. O bloco irá sair da sede, localizada na Avenida Joaquim Nabuco, nª 233, às 17h. A concentração começa às 15h. O cortejo segue pelas ruas Henrique Dias, Treze de Maio, Rua de São Bento, 27 de janeiro, Prudente de Morais, Treze de Maio, Boa Hora e retorna à sede. A festa é gratuita. Para ajudar no bloco, o grupo irá vender copos e camisas, custando R$ 5 e R$ 25, respectivamente. 
 
Jorginho Sem Preguinha pelas ladeiras do Sítio Histórico.  (Foto: Leandro de Santana/Esp.DP)
Jorginho Sem Preguinha pelas ladeiras do Sítio Histórico. (Foto: Leandro de Santana/Esp.DP)

Para além do carnaval, o grupo pretende levar o boneco para eventos solidários. "Todo mundo é diferente um do outro. Da mesma forma que esse boneco sofreu bullying, até por mim mesmo, mas superou com muito amor e sendo apoiado pela família, outras pessoas podem estar sofrendo e precisam do nosso amor. Eu aprendi muito com ele. É uma forma de mostrar que mesmo com as diferenças a gente pode brincar carnaval, tirar onda e ser feliz", ressaltou Jorge. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A pandemia em Pernambuco - destaques de 7 de abril
Saiba como solicitar auxílio emergencial de R$ 600
#FicaEmCasaComODiario: o universo em madeira de Mestre Cunha
A pandemia em Pernambuco - destaques de 6 de abril
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco