Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

CARNAVAL

Pagode dos anos 1990 e participação de Duda Beat marcam noite do samba no Marco Zero

Publicado em: 24/02/2020 03:18 | Atualizado em: 24/02/2020 08:39

 (Fotos: Mandy Oliver/PCR)
Fotos: Mandy Oliver/PCR

O samba comandou a noite do domingo (23) do Marco Zero, principal polo do carnaval do Recife, com atrações do cenário local e nacional. Resgatados pelo grupo Revelação, os sucessos do pagode dos anos 1990 foram cantados em coro pelos foliões. A participação especial da cantora Duda Beat foi um dos destaques da noite. A artista foi convidada pela Orquestra Recife de Bambas, liderada por Gerlane Lops.

A programação musical da noite foi aberta às 20h com show de Karynna Spinelli. A cantora apresentou o espetáculo Cabeça feita, com novas canções Menina quem foi tua mestra e Samba do mundo, além dos batuques do cancioneiro popular dos terreiros de candomblé e jurema e os sambas de roda. Os homenageados do carnaval do Recife 2019, Belo Xis e Gerlane Lops, também marcaram presença no palco. A sambista clássicos do ritmo e composições de sua autoria, mescladas entre as faixas do seu trabalho mais novo Tamanho do mar. Belo Xis, responsável pela escola de samba Gigantes do Samba, da Bomba do Hemetério, também entoou seus sucessos e apresentou o frevo Garra e coração.

Karynna Spinelli (Foto: Mandy Oliver/PCR)
Karynna Spinelli (Foto: Mandy Oliver/PCR)

Celebrando o protagonismo do samba em meio à festa de momo, a Orquestra Recife de Bambas fez um show animado com participações de Gerlane Lops, Belo Xis, Nego Thor e Luísa Pérola. Ao fim, a Orquestra recebeu a cantora Duda Beat, inaugurando a sua participação no carnaval de rua da cidade neste ano. Nesta segunda (24), a cantora se apresenta no Camarote Parador.

Pela primeira vez no carnaval do Recife, a baiana Mariene de Castro apresentou o novo disco Santo de Casa, lançado no ano passado e sucessos de sua carreira. A cantora é conhecida pela forte presença da cultura afro-brasileira na sua obra musical. No repertório, as canções Eu vi Mamãe Oxum na cachoeira, Falsa baiana, Ilha da maré e Abre caminho.

Mariene de Castro  (Fotos: Mandy Oliver/PCR)
Mariene de Castro (Fotos: Mandy Oliver/PCR)

Encerrando a noite, grupo Revelação agitou o público com um show nostálgico, relembrando os sucessos de carreira que marcaram o público. Estiveram presentes no repertório: Deixa acontecer, Coração radiante e Só vai de camarote. Além das versões de Sina, de Djavan; Pais e Fflhos, de Legião Urbana; Taj Mahal, de Jorge Ben Jor; e Levada louca e Na base do beijo, de Ivete Sangalo. Convidada, a banda Clareou também resgatou os clássicos do pagode em uma apresentação acompanhada de perto por foliões enérgicos.

Ao longo dos shows, uma intérprete de libras compartilhava com o público surdo as canções que estavam sendo apresentadas. O Bairro do Recife recebeu, ainda, no palco montado na Praça do Arsenal, os shows de Maestro Edson Rodrigues, Bia Marinho, Gustavo Travassos, Ska Maria Pastora com Ylana Queiroga, Geraldo José Brito Maia e Zélia Ducan. No Cais da Alfândega, as apresentações inéditas da baiana Josyara, o grupo marroquino N3rdistan e o DJ carioca Omulu movimentaram a noite do Rec-Beat.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Resumo da semana: criança morre ao cair de prédio e reabertura pós-quarentena
05/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Covid-19 põe indígenas amazônicos em grande risco
Covid-19: Taxa de isolamento social no Recife cai para 45%
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco