Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Viver

literatura

'Vamos manter a biblioteca do Coque funcionando', anuncia o presidente da Fundaj

Publicado em: 06/10/2019 10:00 | Atualizado em: 06/10/2019 10:40

Foto: Leandro de Santana/Divulgação

Em homenagem aos 100 anos de nascimento do poeta João Cabral de Melo Neto, que serão celebrados em 2020, o estande da Fundação Joaquim Nabuco na XII Bienal Internacional do Livro de Pernambuco foi inaugurado oficialmente, neste sábado (5). A abertura contou com apresentação de trechos musicados da clássica obra do autor, Morte e vida Severina, encenada pelos artistas Adriano Cabral, João Natureza, Aurélio Lima e Lua.O presidente da Fundaj, Antônio Campos, acompanhou a performance e destacou a importância de João Cabral para a difusão da história pernambucana.

“Resgatar a memória de uma figura como João Cabral de Melo Neto e antecipar seu centenário com lançamentos de livros perpetua seu papel enquanto transformador social”, explicou. Na ocasião, o presidente anunciou o apoio à Biblioteca do Coque, que enfrenta percalços e a falta de espaço para funcionar. “Vamos levar um programa de leitura a três bairros do Recife, incluindo o Coque, onde, além de incentivar a leitura, teremos a missão de colaborar para manter a biblioteca funcionando”, pontuou, ainda sem revelar os outros dois locais que serão contemplados.


O evento também foi marcado pelo lançamento da edição especial de 46 anos da revista científica Ciência & Trópico. Para a editora Alexandrina Sobreira, a publicação é uma herança dos boletins de cultura de Joaquim Nabuco. "A revista é fruto de um trabalho coletivo de pesquisadores que cumpre uma das missões da Fundaj, divulgando resultados de pesquisas científicas feitas pela casa”, afirmou. Durante toda a Bienal, o estande abrigará atividades variadas, divididas na programação até o dia 13 de outubro, no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda.

 

Foto: Leandro de Santana/Divulgação

De acordo com o presidente, é preciso diferenciar a crise das livrarias com a produção literária. "É uma crise das livrarias que não deve ser confundida com a questão do livro. O livro está sempre nas bancas e atua como uma extensão da memória e da imaginação. É também o melhor amigo do homem, uma forma de viajar e de resistir. A máquina mais espetacular colocada na mão de alguém", ressalta, pontuando a influência da Bienal na construção da cultura literária da população do estado.


"Reafirmo o nosso compromisso com a cultura, com os pernambucanos, com a economia criativa e dizer que é uma alegria estar aqui, mostrando a editora, a revista e os novos projetos da Fundação. É preciso que tenhamos menos mortes e vidas severinas e mais inclusão social".


Foto: Leandro de Santana/Divulgação

No evento, Antônio Campos, que que esteve acompanhado da esposa e da mãe Ana Arraes, vice-presidente do Tribunal de Contas da União, falou também sobre a melhoria no acesso aos acervos digitais da Fundaj, com intuito de proporcionar um contato mais próximo do público com a Cinemateca Pernambucana, o Museu do Homem do Nordeste (Muhne) e o Laboratório de Pesquisa, Conservação e Restauração de Documentos e Obras de Arte (Laborarte).

Ainda de acordo com o presidente, a inauguração é uma forma de impulsionar a Editora Massangana e a reposicionar no mercado. "Vamos colocar a Editora mais contemporânea para a cena editorial do momento Brasil e do mundo, para isso convoquei Mauro Hélio, que propôs um novo projeto e na Bienal estamos damos um pontapé de largada para essa nova fase".

Foto: Leandro de Santana/Divulgação

Ao longo da agenda do estante da Fundaj na Bienal, serão lançados dez livros, entre eles Para ler o seu bairro, Filhos das feiras, A corrida pelo rio, Cinema Brasileiro nos Jornais: Uma análise da crítica cinematográfica na Retomada, Conhecendo o semiárido (I e II) e Cotidianos afrodescendentes, Educação, diversidade e cultura, que contarão com a presença dos autores e bate-papo sobre conteúdos e processos adotados em cada obra.

Já o lançamento das publicações Tempos de folia, Nordeste: Identidade Comestível e Coleção Travessias, contará com encenação e números musicais. Todos os títulos estão sendo vendidos por R$ 20. Serão realizadas, ainda, oficinas educativas envolvendo temáticas como vitrais, fantoches, cordel, argila, pandeiro, confecção de caderno e livrinho de ilustração.

Outro destaque na agenda do estande é o workshop Noções de Conservação Preventiva de Livros e Documentos, com a proposta de ampliar o olhar sobre as principais causas da degradação provocada por fatores climáticos, ataques biológicos, incidência da luz e manuseio inadequado. A programação da Cinemateca inclui Quiz-Cinemateca, exibição filmes e sessões acessíveis com audiodescrição e libras.


PROGRAMAÇÃO COMPLETA DO ESTANDE FUNDAJ

06/10
10h
Twister e Livrinho de Artista (Artes Visuais)
14h
Workshop de Cordel Na ponta do lápis, na ponta da língua, com Érika Montenegro
16h
Quiz-Cinemateca – Cinemas de Rua (Filme Cinema Glória (1979), de Fernando Spencer e Félix Filho + Quiz)
17h
Lançamento do livro Filhos das Feiras, de Márcio Sá
18h
Lançamento do livro A Corrida pelo Rio, de Gabriel Pereira

07/10
10h
Workshop com Argila (Educativo/MUHNE)
11h
Contação de Histórias, com Júlia Sol
14h
Workshop Noções de Conservação Preventiva de Livros e Documentos (LABORARTE)
17h
Lançamento do livro Tempos de Folia

08/10
10h
Workshop de Cordel Na ponta do lápis, na ponta da língua, com Érika Montenegro
14h
Quiz-Cinemateca (Filme Clandestina felicidade (1998), de Beto Normal e Marcelos Gomes Quiz)
14h
Workshop de Bonecas Abayomi (Artes Visuais)
17h
Lançamento dos livros: Cotidianos afrodescendentes, de Cibele Barbosa e Sylvia Couceiro e Educação, diversidade e cultura, de Maria José dos Santos

09/10
10h
Contação de Histórias, com Júlia Sol
14h
Contação de Histórias, com Júlia Sol
15h30
Workshop de pandeiro (Educativo/MUHNE)
19h
Lançamento do livro Cinema Brasileiro nos Jornais: Uma análise da crítica cinematográfica na Retomada, de Luiz Joaquim

10/10
10h

Cinemateca – Sessão da Folia Filmes Maracatu, Maracatus; Olha o Frevo; Corrida Bonecos Gigantes de Olinda; Trajetória do Frevo; Santa do Maracatu – 47 min
11h
Contação de Histórias, com Júlia Sol
13h30
Workshop Noções de Conservação Preventiva de Livros e Documentos (LABORARTE)
16h
Workshop de Bonecas Abayomi (Artes Visuais)
18h
Lançamento dos livros Conhecendo o semiárido (I e II), de Vanderléa Andrade; Maisa Antunes; Emerson Reis, Edilene B. Pinto e Jana C. Rocha Lima

11/10
10h
Workshop de Confecção de Caderno e Livrinho (Educativo/MUHNE)
11h
Contação de Histórias, com Júlia Sol
14h
Twister e Livrinho de artista (Artes Visuais)
14h
Quiz Cinemateca – Sessão infantil (Salu e o cavalo marinho)
16h

Workshop de Confecção de Caderno e Livrinho (Educativo/MUHNE)

17h
Lançamento do livro Nordeste: Identidade comestível, de Bruno Albertim

12/10
10h
Twister e Workshop de Bonecas Abayomi
12h
Contação de Histórias, com Júlia Sol
15h
Workshop de ilustração com Maurízio Manzo

13/10
10h

Workshop de Cordel, com Érika Montenegro
10h
Twister e Workshop de Vitrais (Artes Visuais)
11h30
Contação de Histórias, com Júlia Sol
15h
Sessão Alumiar - Veneza americana (cinema acessível com audiodescrição e libras) 16h Workshop de ilustração, com Maurízio Manzo

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
On trend: como construir um estilo próprio
Resenha SuperEsportes: Yane Marques
De 1 a 5: Mulheres no Cinema
Maria, mãe de um povo ferido
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco