Rec'n'Play Programação cultural do Rec'n'Play valoriza tradição e novas tendências. Confira

Por: André Santa Rosa - Diario de Pernambuco

Publicado em: 02/10/2019 11:16 Atualizado em:

Para Patrick Torquato, gerente de programação da Frei Caneca FM, o palco se conecta com o REC%u2019n%u2019play por apresentar uma proposta local, que pensa um Recife das tradições, mas que não abdica de pensar na criatividade e inovação. Fotos: Luan Cardoso/Ytalo Barreto/Divulgação
Para Patrick Torquato, gerente de programação da Frei Caneca FM, o palco se conecta com o REC%u2019n%u2019play por apresentar uma proposta local, que pensa um Recife das tradições, mas que não abdica de pensar na criatividade e inovação. Fotos: Luan Cardoso/Ytalo Barreto/Divulgação
Desde 2017, o Festival REC’n’Play leva ao Bairro do Recife uma programação que mescla tecnologia, cultura, conhecimento e criatividade. Fruto da parceria entre o Porto Digital e a Ampla, sua terceira edição conta com mais de 760 horas de programação e 400 atividades. O festival, realizado de hoje a 5 de outubro, contará com o Palco Frei Caneca FM, em frente à Torre Malakoff, com destaque para os shows de Mombojó, na sexta, e DJ Dolores com Lia de Itamaracá, no sábado, além de oficinas para empreendimentos na cultura, intervenções e performances artísticas, Moda’n’Play e o palco da Jornada de MCs.
 
Na sexta-feira, a atração principal será Mombojó, num show de comemoração dos 15 anos de Nada de novo, disco de estreia da banda. Formada pelos músicos Felipe S (voz e guitarra), Chiquinho (synth e sampler), Marcelo Machado (guitarra), Vicente Machado (bateria e sampler) e Missionário José (baixo), a banda tocará, faixa a faixa, o álbum que os consagrou com projeção no cenário nacional. Outra atração do dia é o grupo Estesia, formado pelos produtores musicais Pachka (Miguel Mendes e Tomás Brandão), o cantor e compositor Carlos Filho e o iluminador cênico Cleison Ramos. A apresentação promete trazer beats e um show de luz, num espetáculo imersivo, contemplativo e sinestésico. Samico, que após duas décadas de experiência ao lado de nomes como Lula Queiroga e Marsa, apresenta músicas de seu primeiro disco solo. 
 
O sábado tem o bregafunk de Rayssa Dias, moradora de Salgadinho, em Olinda, e fenômeno na web, com o ritmo que tem projetado a música pernambucana para o Brasil, muito através da internet, com irreverência e memes. A banda Casas Populares da BR-232 também se apresenta, com uma mistura de ritmos regionais. Quem fecha a noite é DJ Dolores, apresentando o seu recém-lançado álbum Recife 19. O show conta com presença mais que especial da cirandeira e Patrimônio Vivo de Pernambuco, Lia de Itamaracá. Duas bandas selecionadas entre 106 concorrentes no concurso Let’s Play foram escolhidas para abrir as duas noites do Palco Frei Caneca: Semente de Vulcão (sexta) e Triinca (sábado). 
 
Para Patrick Torquato, gerente de programação da Frei Caneca FM, o palco se conecta com o REC’n’play por apresentar uma proposta local, que pensa um Recife das tradições, mas que não abdica de pensar na criatividade e inovação. “O foco do palco é muito parecido com a programação da Rádio Frei Caneca: potencializar o artista local, apresentar para o público novas tendências e contribuir para a construção de uma identidade local, que é muito diversa e plural”, conta.

OUTROS PALCOS
O Boulevard Rio Branco receberá o palco do projeto Arte na Rua, com apresentações de Cosplay, k-pop e Coco de Umbigada. O Palco Federais Club, na Rua na Moeda, apresenta uma programação organizada pela UFPE, UFRPE e IFPE. O Palco Jornada de MCs tem foco na cultura hip-hop. Outra atividade em destaque é o Moda’n’Play, que conta com 12 horas de atividades sobre a produção de moda local, na sexta-feira, no Cais do Sertão.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.