TV 'As pessoas estão apaixonadas por um fake', diz Paolla Oliveira sobre Vivi Guedes. Confira a entrevista

Por: Emannuel Bento - Diario de Pernambuco

Publicado em: 11/09/2019 10:44 Atualizado em: 12/09/2019 18:31

A conta de Vivi Guedes tem mais de 1 milhão de seguidores no Instagram. Foto: Instagram/Reprodução
A conta de Vivi Guedes tem mais de 1 milhão de seguidores no Instagram. Foto: Instagram/Reprodução

Rio de Janeiro (RJ) - Durante um intervalo nas gravações da novela A Dona do Pedaço, a atriz Paolla Oliveira aceitou o convite para participar de uma coletiva "relâmpago" com jornalistas nos estúdios no Projac. A paulistana colocou apenas a cabeça para dentro da sala, como se espiasse cautelosamente o ambiente. Entrou por completo sorridente, revelando estar com uma toalha branca amarrada na cintura. Explicou que, na sua visão, o figurino que a personagem Vivi Guedes usava naquele dia - top preto, botas acima do joelho, meia calça e um short curto - era inusitado demais para usar fora das gravações.

Virginia Sobral Ramirez foi idealizada para ser uma grande influenciadora digital do mundo da moda, criando uma ponte entre a novela (produto de consumo de um público mais tradicional) com o universo das redes sociais. A personagem tem causado repercussão em ambas esferas, inclusive arrematando merchandising com grande marcas. Além do carisma, outro ponto que prende a atenção do público o romance avassalador que Vivi tem com Chiclete (Sérgio Guizé) - relacionamento que começou sem que ela soubesse que ele era um matador de aluguel enviado para executá-la.

Paolla Oliveira ingressou na Rede Globo em 2005 para fazer uma ponta em Belíssima. A personagem fez tanto sucesso que fez a atriz protagonizar O Profeta, do horário das 18h, no ano seguinte. Entre os destaques de sua trajetória na emissora estão Amor à Vida (2013), Felizes para Sempre? (2015) e A Força do Querer (2017). A Dona do Pedaço, que deve ser concluída ainda em 2019, está sendo escrita por Walcyr Carrasco, com colaboração de Márcio Haiduck, Nelson Nadotti e Vinícius Vianna. A direção geral é de Luciano Sabino, enquanto a direção artística de Amora Mautner. Nos próximos dias, publicaremos entrevistas com outros atores da novela.

ENTREVISTA - Paolla Oliveira, atriz
Foto: Instagram/Reprodução
Foto: Instagram/Reprodução
Além da TV, Vivi Guedes também existe no Instagram. Como está sendo essa experiência multimídia?
Tem sido uma descoberta, pois a TV como um todo está se transformando essa mistura com a internet. Acredito que o público que as redes sociais conseguem trazer para dentro da dramaturgia bem é interessante, pois já conhecemos o perfil do público original de novela. Estive no Altas Horas recentemente e fiquei surpresa com uma “meninada” atrás de mim, um público bem mais jovem. Tem sido muito trabalhoso, mas muito interessante também, conseguir fazer com que a dramaturgia caminhe paralelo com as redes. Algumas pessoas falam que a conta da Vivi Guedes é um fake (risos). As pessoas estarem apaixonadas por um fake é muito maravilhoso. Existe uma disposição de interagir com um fake, os comentários na página dizem muito do que está acontecendo. Estamos sempre pensando em como interagir com os comentários. Se depender da gente esse fake vai ficar cada vez mais real. Até eu, a Paolla, curto os comentários da Vivi.

Por também existir nas redes, a personagem tem força na vida real. As pessoas estão sabendo separar Paolla Oliveira de Vivi Guedes?
Na internet sim, porque somos bem diferentes. Mas na rua sinto que Vivi está ganhando de mim (risos). No âmbito da moda, eu usaria tudo o que ela usa, mas acho que temos estilos diferentes. Por mais que eu me arrume, jamais estarei próxima do estilo de Vivi. O mundo da moda está bem diferente por conta dos influenciadores. É mais do que só roupa, são estilos, personalidades e atitudes diferentes. O perfil da Vivi está produzindo conteúdo e influenciando como as blogueiras que trabalham com moda, arte e cinema.

E sobre o relacionamento de Vivi com Chiclete? O que podemos esperar?
Esse casal até nos surpreendeu muito e vem em um momento maravilhoso. As pessoas me param na rua para dizer que gostam do Chiclete, e pedem para eu mandar beijos para ele (risos). O casal vai ter outra separação. Esse amor vai ficar um pouco impedido. Acredito que o público vai se surpreender muito com todo o movimento da novela. Eu torço muito para que eles acabem juntos. A galera comprou esse casal inusitado, que vive momentos improváveis. Eles se encontram, tem uma coisa doce entre os dois.

A Vivi parece ser uma personagem gostosa de fazer. Como ela te desafía?
Eu tenho energia, mas a Vivi tem muito mais. Quando comecei a ler os primeiros capítulos, me perguntei: como vou fazer isso? Ela é muito mais jovem do que eu, então já fiquei apreensiva. Essa energia toda precisa ser muito bem calculada para que não fique fora do tom, chata demais ou jovem demais. Ao mesmo tempo estou representando as influenciadores, uma parcela de pessoas que existem na sociedade. Eu peguei um pouco de cada uma delas, mas no geral ela não foi baseada em ninguém. O segundo desafio é que quando chegam as cenas mais pesadas, eu tenho que segurar todas características. É um desafio de manter a essência da personagem nos momentos difíceis que aparecem no texto do Walcyr Carrasco.

Qual o lugar que Vivi Guedes ocupa em sua carreira?
Sempre que estou no processo de criação de uma personagem nova, acho que ela é a mais importante da minha carreira. E realmente é. Vou citar os três últimos. Fiz a Danny Bond na minissérie Felizes Para Sempre? (2015), um formato que tem um outro público, mas teve uma repercussão enorme. Depois veio a Jeiza em A Força do Querer (2017), que chegou fazendo UFC como esporte e trabalhando como policial em um tempo de feminismo. Agora estou aqui fazendo a maluquinha Vivi Guedes (risos). Para mim é uma loucura passar por tantas personalidades em pouco tempo. A criação mexe com muitas coisas. Como vai chegar nas pessoas? Como vai reverberar no público? Vou corresponder ao que o autor tem em mente? Acho que o mais importante nisso tudo é a arte. Eu sempre digo que a arte preenche espaços vazios nas pessoas. Eu sou muito preenchida com esse trabalho que é atuar.

* O repórter viajou à convite da Rede Globo


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.