Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

música

Após hiato de seis anos, Boca Livre retorna aos palcos com shows no Recife

Publicado em: 19/09/2019 17:11

Foto: Leo Aversa/Divulgação

Boca Livre. A expressão falada ao acaso pelo vocalista e baixista Maurício Maestro, durante os primeiros exercícios de improvisação de voz, intitulou a banda formada em 1978, marcada após surgir na cena da MPB com um LP independente. Ao lado de Maurício, o grupo formado por Zé Renato (violão e voz), David Tygel (viola de 10 cordas e voz) e Lourenço Baeta (violão, flauta e voz) aposta em arranjos instrumentais e vocais que fogem da métrica convencional, com acordes dissonantes e revezamentos nos solos.

Depois de seis anos sem novas produções, o grupo retorna ao Recife para apresentar o novo disco, Viola de bem querer, com shows nesta quinta e sexta, às 21h, no Teatro de Santa Isabel, no Centro do Recife. Os ingressos custam R$ 100 e R$ 50 (meia). 


"A comemoração dos 40 anos do Boca Livre, celebrados no ano passado, nos motivaram a voltar a produzir um disco. Na verdade, nunca paramos, porque nunca tivemos a obrigação de produzir novos trabalhos. A gente grava quando sente necessidade, quando tem um significado”, conta Zé Renato, em entrevista ao Viver. Para ele, conhecer a canção que intitula o disco, composta por Breno Ruiz e Paulo César Pinheiro, foi o que o grupo precisava para dar o pontapé.

"A música tem muito a ver com a gente, representa a sonoridade do grupo. Foi a partir dela que construímos o conceito do álbum”, explica. O Viola de bem querer, lançado em maio, é o 13º disco do grupo e traz um repertório de nove canções, sendo quatro de projetos individuais de cada integrante, como Noite, de Zé Renato e Joyce; O paciente, composta por David Tygel para a trilha do filme homônimo, dirigido por Sérgio Rezende; Santa Marina, do repertório solo de Lourenço Baeta; e Eternidade, de um trabalho de Maurício Maestro com Naná Vasconcellos.

"As escolhas das músicas foram feitas em grupo ao longo desses seis anos. Aos poucos, fomos incluindo em shows, testando no público e formando o repertório. O prazer de cantar juntos é o que nos move", conta. O disco também reúne releituras de Amor de índio, de Beto Guedes, e Um paraíso sem lugar, de Geraldo Azevedo, além dos sucessos Um violeiro toca, de Almir Sater, e Vida da minha vida, de Moacyr Luz.

No palco, serão apresentadas ainda as músicas já conhecidas pelo público do Boca Livre, como Toada, Quem tem a viola e Ponteio. A última, de autoria de Edu Lobo e José Carlos Capinan, foi a escolhida para abrir o show.

"Edu foi muito importante para a nossa trajetória, porque a canção foi apresentada em 1967 por ele, Marília Medalha e o grupo Momentoquatro, que contava com Maurício e David na formação. A canção acabou saindo vencedora do 3º Festival de Música Popular Brasileira, da TV Record, e ganhou muito destaque", conta.

Sem atrair as grandes gravadoras no início da carreira, o grupo estreou nos palcos no fim da década de 1970, com o disco Boca Livre, que ultrapassou a vendagem de cem mil cópias, um marco inédito na música independente da época. Com influências da bossa nova e música f lamenca, chegou a ser comparado à banda francesa Gipsy Kings. Ao longo da carreira, o Boca foi vencedor do Prêmio Tim de Música, Prêmio da Música Brasileira e o Prêmio Sharp por duas vezes.  

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manifestações por morte de garoto, Weintraub presta depoimento na PF e inquérito de facada arquivado
Covid-19: Brasil tem novo recorde diário de mortes
04/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Destaques do dia: Indiciamento por morte de criança, coronavírus reativado e tataravó recuperada
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco