Cinema Exibido em Berlim, filme sobre MST tem estreia nacional no Recife

Por: Viver/Diario - Diario de Pernambuco

Publicado em: 26/08/2019 16:05 Atualizado em:

Foto: Reprodução/Chão
Foto: Reprodução/Chão
A rotina e luta do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) pela Reforma Agrária narrada no documentário Chão, chega às telas dos cinemas brasileiros pela primeira vez nesta segunda-feira, no Cinema São Luiz. A exibição integra a grade da 4ª Mostra de Cinema Ambiental do Recife (MARÉ) e contará com a presença do ator Valtenir Gomes de Jesus Junior. O filme, dirigido pela carioca Camila Freitas, estreou no 69º Festival Internacional de Cinema de Berlim.

A Websérie Cidade Plástica, que trata sobre consumo e descarte consciente do plástico com participação de figuras que contribuem para o desenvolvimento sustentável no Recife, também será exibida nesta segunda, às 18h30. Em seguida, será apresentada uma sessão com os curtas: Seiva, de Ramon Batista; Enraizada, de Tiago Delácio; e A era de Lareokotô, de Rita Carelli. A entrada é gratuita.

Confira a programação completa desta segunda:

18h30 - Lançamento Websérie Cidade Plástica (PE, 2019, 5min)
Preocupado com futuro do meio ambiente, Leno resolve criar um canal no YouTube para debater de forma consciente o consumo plástico no nosso cotidiano.

19h - Sessão de Curtas: Lançamentos (35 min)
Seiva (PB, 2019, fic, 7’), de Ramon Batista
Sinopse: entre a contemplação e o alerta para trazer luz a seiva essencial da vida, a água recurso finito e fundamental.

Enraizada (PE, 2019, doc, 8’), de Tiago Delácio
Sinopse: Desde os 14 anos Dona Olívia habita a Mata do Engenho Uchôa, um remanescente de Mata Atlântica de 172 hectares, dentro da cidade do Recife. 

A era de Lareokotô (PE, 2019, doc, 20’), de Rita Carelli
Sinopse: Copa do Mundo, roça, ritual. Em meio a um dia intenso – e comum – na aldeia do povo indígena Enawenê-Nawê, no Mato Grosso, Kularenê nos conta como, ao saírem de dentro da mesma pedra, índios e brancos tomaram rumos distintos: os primeiros guiados por Wadari, seu ancestral, e os outros por Lareokotô, avô dos brancos e pai da tecnologia. 

20h - Sessão Longa: Lançamento Chão (RJ, 2019, doc, 110’), de Camila Freitas
Sinopse: Registrado por quatro anos, o documentário acompanha o cotidiano de um assentamento do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra em Goiás. A urgência do tema, com a iminente criminalização do movimento e suas lideranças, contrasta com o tempo distendido do filme, que magnífica os gestos da agricultura familiar em oposição às paisagens monocromáticas do agronegócio. ‘Chão’ elabora uma justa distância daqueles que filma - ao mesmo tempo colado na luta e reconhecendo-se estrangeiro a ela -, na exploração cinematográfica dos potentes modos coletivos de existência e resistência ali implicados.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.