Cantor 'A má vontade contra pobre, negro e gay impera', diz Marcelo D2

Por: FolhaPress - FolhaPress

Publicado em: 28/06/2019 09:37 Atualizado em: 28/06/2019 11:20

Foto: Reprodução/Instagram (Foto: Reprodução/Instagram)
Foto: Reprodução/Instagram

 
Marcelo D2 é um dos personagens mais ativos nas redes sociais atualmente quando se trata política. O comportamento reflete o que o vocalista do Planet Hemp fez com a banda desde 1993. 
 
"Não falo só da maconha, eu tenho muito pra dizer", canta D2 em versos de "Fazendo a Cabeça". Os momentos politicamente polarizados têm servido para os caras da banda expressarem mensagens em seus shows. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e o ministro da Justiça, Sergio Moro, são os principais alvos no momento no palco. "Fascistas", "milicianos" e "passa-pano", graças aos diálogos vazados do ex-juiz e Deltan Dallagnol, são algumas das expressões destacadas no palco.

"Não podemos entender só como política, esquerda e direita. A má vontade contra pobre, negro, gays, qualquer tipo de minoria. Chega a ser uma coisa maldosa", afirmou D2 em entrevista à reportagem. "Estamos em um momento político em que as pessoas têm que tomar atitude, as rédeas, não podemos deixar acontecer de novo o que aconteceu nas últimas eleições."

Após 10 anos sem fazer grandes shows juntos, o Planet subiu ao palco do Circo Voador, umas das principais casas do Rio, para apresentar seu álbum de estreia, o "Usuário" (1995). O que era para ser só um show comemorativo acabou se tornando algo cada vez mais frequente e a reunião foi se mantendo ao logo dos anos, enquanto cada integrante toca seus projetos paralelos.

E justamente com o cenário atual do Brasil a banda acaba se inspirando, mesmo com alguns insultos nas redes sociais. "Estar sendo xingado por quem me xinga é um elogio. Essa galera que estava dentro do armário começou a sair e é exatamente sobre isso que a gente escreve", afirmou D2.

"De um tempo para cá a gente voltou a ser uma banda que quer criar algo novo, tá ligado? A gente está num momento político, econômico e social no país que envolve a temática do Planet e está pedindo", disse D2.

"A gente está fazendo shows grandes, estamos tocando só músicas que já existem, a gente precisa faze coisa nova. Neste ano a gente vai lançar algo", completou B Negão.
Recentemente eles encontraram letras perdidas feitas pelo ex-integrante Skunk, que morreu em 1994, e está nos planos ir a estúdio com elas. "Estamos tentando reacender o Planet Hemp", indicou D2.

Na última quarta (26), ele embarcou para a Europa, onde faz shows solo em países como Espanha, França, Inglaterra. Já o Planet se preparava para ir ao Velho Continente em outubro e novembro. Por ora, há eventos em Portugal, na Espanha, Holanda e Espanha.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.