Música Adriana Calcanhotto se reencontra com o mar no álbum 'Margem' Em 'Margem', a cantora gaúcha encerra a trilogia em que celebra a paixão pelas águas iniciada há mais de 20 anos. Show do disco passa por Brasília em outubro

Por: Adriana Izel - Correio Web

Publicado em: 16/06/2019 13:50 Atualizado em: 16/06/2019 13:59

Foto: Leo Aversa/Divulgação.
Foto: Leo Aversa/Divulgação.
“Minha terra é o mar”. Assim canta e, de certa forma, explica Adriana Calcanhotto em O príncipe das marés, sexta música do recém-lançado álbum Margem, o magnetismo que sente pela combinação de água, sal e areia. A paixão pelo mar é antiga e vem sendo celebrada pela artista em suas composições desde 1998 quando lançou o disco Maritmo, o primeiro de uma trilogia que teve ainda Maré, de 2008, e se encerra agora com Margem.

“Eu não tinha certeza se eu completaria essa trilogia. Ela poderia ficar incompleta. Quando eu estava lançando Maré começou a surgir o Margem. Logo apareceu esse nome e eu comecei. Ele nasceu ainda com o Maré, mas é um disco diferente, que tem uma cara própria. Cada um dos três discos tem uma identidade. Apesar de ser uma trilogia, não são uma sequência. Cada um, é um”, revela a artista.

Adriana Calcanhotto levou mais de 10 anos para encerrar Margem. O que, no mundo da música, é muito raro. “Pela primeira vez na vida, o disco está saindo porque ficou pronto. E não estou reclamando, porque às vezes ajuda ter uma agenda, um dia. Mas também é muito bacana lançar um disco porque ficou pronto”, afirma sobre o CD divulgado no último dia 7 nas plataformas digitais.

“Eu tive todo esse tempo desde o lançamento do Maré, mas fiquei trabalhando paralelamente, com registros ao vivo, disco para crianças, antologia de poema... Tudo que ia trabalhando, em paralelo eu fazia o Margem. Essa foi a vantagem de trabalhar deixando decantar. Gosto dessa ideia do álbum, do equilíbrio. Essa é a grande qualidade desse trabalho, eu ter tido todo esse tempo para chegar a essas nove faixas”, analisa.

Referências

Assim como fez em A mulher do Pau Brasil, single e turnê divulgados no ano passado em que revisita o show de 1987, Adriana faz uma autorreferência em Margem ao se inspirar no tema usado há mais de 20 anos. “De certa forma, nós vamos criando os nossos repertórios e as referências, que nos marcam para o resto da vida. Mesmo que se vá alargando o repertório, são eles que balizam nossas ideias. Então acho que dentro da minha trajetória, o mar é uma das referências que eu visito e dou continuidade”, completa.

Das nove faixas que compõem o disco, apenas duas não foram escritas pela cantora: Os ilhéus, de José Miguel Wisnik, e O príncipe das marés, de Péricles Cavalcanti. Em relação à sonoridade, Adriana Calcanhotto navega por vários ritmos. O samba aparece na faixa título, a batida do funk está em Meu bonde, até o fado, tem uma certa influência nas canções, o que é natural já que a gaúcha está há alguns anos morando em Coimbra, cidade de Portugal onde ministra aulas e faz pesquisas como parte do corpo acadêmico da universidade.

Além de um álbum, Margem também é o nome da nova turnê de Adriana Calcanhotto, em que a cantora passará por 13 cidades. A série de shows têm início em agosto e segue até outubro. O encerramento ocorre em Brasília com apresentação em 18 de outubro, no Centro de Convenções Ulysses Guimarães. “Vai ser muito bom, porque vou poder fazer mais cidades do que consegui fazer com A mulher do Pau Brasil, que era uma coisa menos planejada, era a conclusão de um período acadêmico. Agora é o lançamento de um álbum”, diz.

Sobre o show, Adriana explica que será focado no repertório da trilogia e contará com a presença dos artistas que participaram da gravação de Margem. “Os músicos Bem Gil, Bruno Di Lullo e Rafael Rocha estarão comigo. Isso é muito legal, primeiro, pela admiração que tenho por eles, na música e em tudo. Depois, o fato de ter feito o disco com eles e poder fazer isso também na estrada... Realmente é uma ideia muito encantadora. E eu diria que é algo bem raro”, acrescenta.

Álbuns da trilogia

Maritmo: Lançado em 1998, o material foi o quarto álbum da carreira de Adriana Calcanhotto. O disco vendeu mais de 150 mil cópias no país e é formato por 14 faixas. Entre os principais sucessos do CD está Vambora e Mais feliz.

Maré: Gravado em 2007 e lançado em 2008, o álbum, que é o sétimo da trajetória da artista gaúcha, tem 11 faixas. Destas, as canções que tiveram mais destaque foram Mulher sem razão, Três e Um dia desses.

Margem
De Adriana Calcanhotto. Sony Music, 9 faixas. Disponível nas plataformas digitais.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.