Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Viver

Perda

Morre Mestra Elisa do Coco de Peixinhos aos 74 anos

Segundo os familiares, ela estava se recuperando de uma pneumonia, mas não resistiu e teve uma parada cardíaca

Publicado em: 08/02/2019 23:19 | Atualizado em: 08/02/2019 23:39

Elisa se recuperava de uma pneumonia no Hospital Santa Casa da Misericórdia, em Santo Amaro. Foto: Reprodução/Facebook
A mestre Elisa Alves da Silva, de 74 anos, do Coco de Peixinhos, faleceu na manhã desta sexta-feira (08), no Hospital Santa Casa da Misericórdia, em Santo Amaro, no Centro do Recife. Segundo os familiares, ela estava se recuperando de uma pneumonia, mas não resistiu e teve uma parada cardíaca. 

De descendência indígena, a artista nasceu em Goiana, na Região Metropolitana do Recife e veio morar em Olinda em meados da década de 1950, quando tinha apenas dez anos de idade. Sua família trabalhava na cana de açúcar. Ela realizava um importante trabalho social dentro da comunidade, oferecendo diversas atividades ligadas à cultura e ajudando pessoas em vulnerabilidade social. Era juremeira e candomblecista. A filha de Xangô, divindade africana da justiça, teve um importante trabalho de militância contra a intolerância religiosa no estado. 


A mestra tinha ligação direta com o tradicional Acorda Povo em sua comunidade, que ocorria sempre nos mês de junho. Ela deixou vários seguidores órfãos de sua alegria e encanto. “Minha avó sempre ajudou todo mundo. Ela não podia ver ninguém passando necessidade que chegava para oferecer comida e abraço. Estará sempre viva em nossos corações”, contou Fernanda Alves, neta de Elisa. 
 

 
Amigos e familiares lamentaram a perda da artista nas redes sociais. O juremeiro Alexandre L’Omi L’odò, organizador do Kipupa Malunguinho disse que ela foi uma das primeiras mestras a cantar o coco dentro das matas do Catucá. “Devemos muito à ela, por sua contribuição fundamental na fundação de nossa luta pela Jurema”, acrescentou. O sepultamento está marcado para acontecer neste sábado (09), no Cemitério do Guadalupe, em Olinda, às 15 horas.  

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
In Set com Alessandra Pires
Tecnologia e inovação aplicadas à educação
Moradores cobram inauguração da Upinha Rio da Prata
A importância de um atendimento farmacêutico correto
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco