Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

TV

Atriz Olivia de Havilland processa FX por 'manchar sua imagem' na minissérie Feud

Advogada da atriz reivindica 'documentários ficcionais que não difamem nem contem mentiras'

Por: AFP

Publicado em: 22/03/2018 12:25

Catherine Zeta-Jones vive Olivia de Havilland em The Feud. Foto: FX/Reprodução

O canal FX teve de comparecer ao tribunal acusado pela lendária atriz americana Olivia de Havilland, de 101 anos, de ter distorcido a verdade e manchado sua imagem na minissérie Feud: Bette e joan, em que é retratada por Catherine Zeta-Jones. O canal exigiu, nesta terça-feira (20), que a ação seja rejeitada, alegando seu direito à ficção e à liberdade de expressão, consagrado na primeira emenda da Constituição dos Estados Unidos.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

A atriz, ícone da época dourada de Hollywood e vencedora de dois Oscars, afirma que não deu seu consentimento para a realização da minissérie e que não recebeu nenhuma remuneração pela utilização de seu nome e sua identidade. Feud conta a famosa rivalidade entre outras estrelas de Hollywood, Bette Davis, interpretada por Susan Sarandon, e Joan Crawford, interpretada por Jessica Lange. A britânica Catherine Zeta-Jones encarna Olivia de Havilland, amiga de Bette Davis. De Havilland é a única atriz viva das que são retratadas na série.

Siga o Viver no Instagram

Ante o tribunal de Los Angeles, a advogada de De Havilland, Suzelle Smith, afirmou na terça-feira que a série passa uma imagem ruim de sua cliente e viola seu direito à privacidade, ao mostrá-la na ficção referindo-se à sua irmã, Joan Fontaine, como uma "puta" ("bitch"). Permitir que os produtores tomem essas liberdades com os personagens implicaria que as celebridades não possam "controlar sua identidade", argumentou. "Necessitamos documentários ficcionais que não difamem nem contem mentiras", acrescentou.

A advogada do canal de televisão a cabo, Kelly Klaus, alegou que a ficção documental não se propõe a contar a história literalmente. "Essa é a função dos documentários", afirmou. Em setembro, a juíza do Tribunal Superior de Los Angeles Holly Kendig deu andamento à denúncia. A juíza considerou no momento que os produtores da série sabiam que as cenas que envolvem Olivia de Havilland distorcem a realidade, incluindo uma entrevista de 1978 em que a atriz insulta Bette Davis e Joan Crawford, que nunca aconteceu.

Kendig apontou, além disso, que a série retrata Olivia de Havilland como uma pessoa propensa a fofocas e que se expressa em termos grosseiros sobre os outros, incluindo sua irmã. "Uma das razões principais do grande respeito do público por Olivia de Havilland é que em sua carreira de mais de 80 anos sempre se negou a se envolver em fofocas de Hollywood sobre as relações entre os outros atores", afirma a ação.

A juíza também argumentou que o canal se beneficiou financeiramente do uso do nome da atriz. Olivia de Havilland ficou famosa na década de 1930 ao coprotagonizar com Errol Flynn "As aventuras de Robin Hood", mas sua consagração veio com E o vento levou (1939), e depois com Só resta uma lágrima (1946) e Tarde demais (1949), pelos quais ganhou o Oscar de melhor atriz.

Acompanhe o Viver no Facebook:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com dr. Heitor Medeiros e André Navarrete (Innovation Meeting)
Em busca de água, indígenas brasileiros encontram novo lar
Manhã na Clube: entrevista com Carlos Veras (PT), deputado federal
China executa maiores exercícios militares em décadas
Grupo Diario de Pernambuco