Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver

Cinema

Cinema nacional teve recorde de lançamentos em 2017, mas bilheteria despencou

Apenas quatro filmes brasileiros tiveram mais de 1 milhão de espectadores no último ano

Publicado em: 01/02/2018 19:31

Minha Mãe É Uma Peça 2 teve uma bilheteria de uma bilheteria de R$ 73,7 milhões. Foto: Pátrica Fotografia/Divulgação

A produção bateu recorde, mas a arrecadação deixou a desejar. O Informe de Salas de Exibição de 2017, publicado nesta semana pela Ancine (Agência Nacional do Cinema), mostra o número de lançamentos do cinema brasileiro na contramão da bilheteria gerada por eles. Com 158 filmes lançados, 11,3% a mais que em 2016, 2017 teve o recorde de estreias nacionais registrado desde 1995. Por outro lado, pela primeira vez nos últimos oito anos, o público em geral nas salas do país caiu em relação ao ano anterior. O desinteresse pelas produções locais é o principal fator.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

A frequência a filmes nacionais despencou 42,8% de 2016 para 2017, depois de três anos de crescimento. Ao todo, 17,4 milhões de espectadores assistiram a títulos brasileiros nos cinemas, gerando uma renda total de R$ 241,4 milhões. A fatia do Brasil foi de apenas 8,9% em relação aos estrangeiros no total de bilheteria arrecadada no ano. Entre os 20 filmes mais vistos no país em 2017, apenas um é brasileiro: Minha mãe é uma peça 2, com 5,2 milhões de espectadores e uma bilheteria de R$ 73,7 milhões. Vale lembrar que a comédia estrelada por Paulo Gustavo foi lançada no final de 2016.

Também assusta o dado que, dos 223 filmes nacionais exibidos em 2017 – 158 lançados no ano passado e o restante em 2016 –, apenas quatro títulos superaram a marca de 1 milhão de espectadores. A lista inclui Polícia Federal: A lei é para todos (1,3 milhão), Os parças (1,3 milhão) e o infantil Detetives do prédio azul (1,2 milhão). Depois desses, o melhor resultado foi de Fala sério, mãe, que levou pouco mais de 940 mil pessoas aos cinemas. Foi a primeira vez desde 2010 que menos de cinco produções locais superaram a marca do milhão de espectadores. Em 2016, assim como em 2015, foram sete filmes brasileiros vistos por mais de 1 milhão de pessoas. Entre os estrangeiros, foram 39 em 2017.

A bilheteria foi dominada pelas franquias hollywoodianas, como Velozes e furiosos 8, maior arrecadação do ano, com R$ 133 milhões, e segundo maior público, atrás apenas da animação Meu malvado favorito 3, que levou 8,9 milhões de pessoas, entre adultos e crianças, aos cinemas. A lista de blockbusters poderosos durante o ano, que teve ainda Liga da justiça, Mulher Maravilha e Thor: Ragnarok entre os 10 mais assistidos, impulsionou o cinema norte-americano, cujo público cresceu 6,4% em relação ao ano anterior. Contudo, a derrocada dos filmes nacionais resultou na queda geral de 1,7 % no público, mesmo com crescimento de 1,8% no número de salas de exibição no Brasil.

O informe divulgado pela Ancine também mostra a produção cinematográfica brasileira muito centralizada no eixo Rio-São Paulo, com 65 e 55 lançamentos cada um, respectivamente. Os dois estados somam 75% do total nacional. Em terceiro está o Rio Grande do Sul, com nove; seguido de Pernambuco, com sete filmes lançados em 2017. Minas Gerais aparece apenas em oitavo lugar, com dois. Todas essas estatísticas consideram apenas a movimentação do cinema comercial – salas de exibição com funcionamento regular, com programação composta de longas-metragens, tecnologia de projeção digital e/ou 35mm, cobrança de ingresso e sessões de caráter público.

Acompanhe o Viver no Facebook:

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Soldado russo se declara culpado por crime de guerra na Ucrânia
Manhã na Clube: entrevista com Maria Zilá Passo, advogada especialista em direito da saúde
Fechamento de escolas durante pandemia pode gerar prejuízos por décadas no Brasil
Cada vez mais brasileiros procuram a medicina tradicional chinesa
Grupo Diario de Pernambuco