Televisão Nova supersérie da Globo terá personagens, cenários, atores e roteirista pernambucanos Patrícia Pillar, Marco Pigossi e Alice Wegmann interpretam recifenses em Onde Nascem Os Fortes

Por: Fernanda Guerra - Diario de Pernambuco

Publicado em: 21/12/2017 09:30 Atualizado em: 21/12/2017 09:02

Parque das Esculturas e Rua da Aurora serviram de locação para produção. Fotos: Estevam Avellar/Globo
Parque das Esculturas e Rua da Aurora serviram de locação para produção. Fotos: Estevam Avellar/Globo

A popularidade de séries internacionais e a consolidação de serviços de streaming impulsionam a qualidade da teledramaturgia brasileira. Diante da oferta, os telespectadores passam a ser mais exigentes. Já os criadores defendem um projeto mais autoral, com concepção artística e técnica mais elaborada. Neste cenário, uma tríade desponta na Globo há três anos. O trabalho em conjunto do diretor José Luiz Villamarim, do diretor de fotografia Walter Carvalho e do autor pernambucano George Moura vem fazendo a diferença na emissora de TV aberta. Entre as obras idealizadas em parceria e bem-sucedidas, estão as minisséries Amores roubados e O canto da sereia, o remake de O rebu e o programa Por toda minha vida, além do longa Redemoinho. No próximo passo, eles geram a supersérie Onde nascem os fortes, filmada no Recife nos últimos dois dias.

Quer receber notícias sobre cultura via WhatsApp? Mande uma mensagem com seu nome para (81) 99113-8273 e se cadastre

Com 53 capítulos, a obra - também assinada por Sergio Goldenberg - está sendo gravada desde outubro no sertão paraibano, em cidades como Cabaceiras, João do Cariri, Boa Vista, Soledade e Gurjão. "Eu gosto é de sair atrás desses lugares, desse Brasil profundo, onde podem se revelar novas histórias, perspectivas, um novo olhar", relata Villamarim, no set de filmagens. O diretor já havia experimentado esse método de gravação no seriado Amores roubados, gravado em Petrolina, e na minissérie Justiça, indicada ao Emmy Internacional deste ano, assinada por Manuela Dias. Para ele, a saída do Projac colabora no processo criativo da equipe, elenco e parceiros. "As pessoas saem do cotidiano para trabalhar em um projeto. Isso gera uma imersão natural. Acho muito legal quando uma equipe viaja para pensar só naquilo", justifica. A equipe ficou 11 semanas em Cabaceiras.

Nascido no Recife, George Moura já foi seis vezes indicado ao Emmy Internacional, mas Onde nascem os fortes é o maior projeto que escreve. Nos últimos três anos, George Moura, Walter Carvalho e Villamarim emendaram projetos em parceria ininterrupta. "Eu costumo dizer que eu sou o verbo e a palavra, Walter é a imagem e Villamarim é a síntese entre o verbo e a palavra", resume o recifense. "A gente tem afinidade artística e pessoal e divide a agonia do processo criativo", diz.

A supersérie tem previsão de estreia para abril de 2018 na faixa das 23h da Globo. Onde nascem os fortes acompanha a história da engenheira química Cássia (Patrícia Pillar) e dos filhos gêmeos Nonato e Maria, respectivamente Marco Pigossi e Alice Wegmann. O trio forma o núcleo recifense da trama. Os irmãos embarcam em uma viagem para o Sertão, cidade fictícia onde a mãe morou, mas à qual a matriarna não retorna há mais de 20 anos. A aventura muda o destino de ambos. O personagem Nonato desaparece após flertar com Joana, personagem da brasiliense radicada no Recife Maeve Jinkings. A partir daí, Maria trava um embate com Pedro Gouveia (Alexandre Nero), conhecido como o "Rei do Sertão", que tem com caso com Joana.


No Recife, as filmagens ocorreram no edifício Montreal, da Rua da Aurora – até o porteiro do edifício atuou como figurante de uma breve cena – e uma externa no Parque das Esculturas, em Brasília Teimosa. O Viver visitou a locação. Em uma das cenas, a personagem de Patrícia Pillar desce do elevador acompanhada de Fabrício, vivido pelo estreante piauiense Igor Medeiros. Antes do "gravando", sobe o som de uma música instrumental para contribuir com a ambientação. A cena é breve: ela sai do prédio, entra no carro e dirige. É o ponto de partida da trama, quando ela decide ir atrás de Nonato. Já a gravação externa é um flashback em que os irmãos gêmeos Maria e Nonato andam de bicicleta.

"Escolhi a Rua da Aurora porque é icônica aqui no Recife. Eu estava doido para filmar aqui. O Redemoinho passou no Cinema São Luiz e achei esse lugar lindo. A casa tem a ver com o personagem. Recife me dá sorte", relata Villamarim. A inclusão de um núcleo recifense não é por acaso. "Tem uma frase que diz: 'se você quer se comunicar com o mundo, pinte bem sua aldeia'. As histórias que eu conto também dialogam com o lugar de onde eu vim", confidencia George. Na trama, o sertão é um personagem. "O sertão se modernizou, mas ele tem ainda valores arcaicos. Esse conflito do moderno com o arcaico é rico do ponto de vista dramatúrgico. A lei do mais forte é que passa a vigorar. Quando a gente fala disso, de alguma maneira, estamos falando do Brasil inteiro", afirma o autor.

Equipe
A produção também conta com Gabriel Leone, Fabio Assunção – um "relançamento", segundo Villamarim descreve, devido ao perfil diferente de personagem -, Deborah Bloch, Lee Taylor, Enrique Diaz. Com preparação de elenco de Chico Accioly e caracterização de Marcos Freire, ambos recifenses, a supersérie reúne um time de conterrâneos: Jesuíta Barbosa, Clarissa Pinheiro, Rodrigo Garcia, Irandhir Santos, Arilson Lopes, Pedro Wagner, Mario Sergio Cabral, Bruno Goya, Giordano Castro.

Acompanhe o Viver no Facebook:




Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.