Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Viver
Saudade Vinte anos da morte de Chico Science: Cinco vídeos para lembrar o mangueboy Ícone do movimento manguebeat, artista pernambucano levou a cultura local para o Brasil e o mundo

Por: Alexandre de Paula

Publicado em: 02/02/2017 12:39 Atualizado em: 02/02/2017 12:42

Nascido em 13 de março de 1966, em Olinda, Chico morreu aos 30 anos. Foto: Fred Jordão/Divulgação
Nascido em 13 de março de 1966, em Olinda, Chico morreu aos 30 anos. Foto: Fred Jordão/Divulgação


Vinte anos atrás (em 2 de fevereiro de 1997), o Brasil perdia Chico Science. O cantor e compositor pernambucano morreu, aos 30 anos, depois de bater o carro em um poste de Olinda em um domingo de carnaval. Tanto tempo depois, a obra e a inovação do mangueboy permancem ecoando na música brasileira, tanto pela importância dos trabalhos lançados quanto pela influência em outros artistas.

Confira o roteiro de shows no Divirta-se
 
Science foi o principal nome do movimento manguebeat, que misturava estilos como o rap, o rock e hip hop a ritmos regionais, como o maracatu. Com a Nação Zumbi, Science lançou álbuns que movimentaram a música brasileira na década de 1990 e deram base para o Mangue Beat. Da lama ao caos (1994) e Afrociberdelia (1996) foram discos que mudaram a música brasileira e imortalizaram o pernambucano. O conterrâneo e parceiro Jorge du Peixe, vocalista da Nação Zumbi.
 
"No Afrociberdelia você ainda percebe um frescor , uma inovação. É diferente de Lama ao caos que é mais cru. Ele é mais carregado de grooves, de samplers, um pouco mais lento, mais psicodélico. Ouvindo hoje ainda dá para perceber coisas novas e observar com outros ouvidos", analisou Jorge du Peixe, em entrevista realizada em novembro.

Para Du Peixe, o manguebeat, para o qual Chico Science foi tão importante, era um movimento utópico, mas tratava de temas que hoje soam ainda muito atuais. "Foi um movimento utópico, e é movimento entre aspas, a gente tentava fazer uma analogia entre Pernambuco e a biodiversidade e todo esse universo novo, o afrofuturismo. Tudo isso está sendo visto agora. O que se previa antes hoje em dia está acontecendo", acredita.  
 
Para homenagear o compositor pernambuco, selecionamos cinco vídeos importantes para a carreira de Science. Veja:



 

Acompanhe o Viver no Facebook:



Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia
Resenha SuperEsportes: o quase do Sport, sub-20 do Santa e eleições no Náutico
De 1 a 5: artistas que trabalham com barro
Sobe, Lia, sobe.
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco