Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Viver
Entrevista Marília Mendonça e o bonde das mulheres no sertanejo Atração da Semana Santa em Gravatá sacode o ritmo com letras nas quais a mulher é a protagonista

Por: Marina Simões - Diario de Pernambuco

Publicado em: 24/03/2016 17:10 Atualizado em: 24/03/2016 17:26

Marília Mendonça: letras para os bambas do sertanejo, como Henrique e Juliano. Foto: Texto Mais Ideias/Divulgação
Marília Mendonça: letras para os bambas do sertanejo, como Henrique e Juliano. Foto: Texto Mais Ideias/Divulgação

As mulheres têm mostrado cada vez mais força no cenário da música sertaneja nacional. Nomes como Marília Mendonça, Maiara e Maraísa, Paula Mattos representam a nova geração do ritmo e se unem a veteranas como Paula Fernandes e, antes dela Roberta Miranda, para engrossar o caldo de um gênero dominado pelos homens.

Confira o roteiro de shows no Divirta-se

Elas lançam um olhar feminino sobre temas como balada, amor, separação e sexo e caem na graça do público. “Somos mulheres e somos capazes. Não queremos só ficar dentro de casa escondidas, queremos sair e poder decidir o que fazer com nossos futuros, nossos corpos, nossas mentes”, defende Marília Mendonça, de 20 anos, considerada uma das promessas para 2016. Ela é atração da Semana Santa em Gravatá, com show nesta sexta-feira (25), no Clube Cohata (Rua Eugênio Cardoso Fonte, 12, Gravatá).

 



Você pode não ter ouvido falar de Marília, mas certamente conhece, pelo menos, uma das composições dela. A goiana começou nos bastidores, assinando as faixas Cuida bem dela e Até você voltar, de Henrique e Juliano, É com ela que eu estou, de Cristiano Araújo, Calma, de Jorge e Mateus. Marília ficou entre os 10 compositores que mais arrecadaram com direitos autorais nas rádios em 2015, segundo o Ecad. Por estratégia dos empresários – o mesmo escritório que cuida da carreira de Henrique e Juliano -, a ideia era consolidar primeiro o nome e, aos poucos, apresentá-la ao público.

Com repertório do DVD Marília Mendonça ao vivo – disponível no YouTube e Spotify –, ela cumpre agenda de shows no Nordeste e já recebe o carinho do público. Uma das canções, Sentimento louco (12 milhões de views no YouTube), sobre uma mulher apaixonada por um homem casado, foi alvo de críticas. “Mas também recebi muitos elogios por ser uma letra com a qual as pessoas se identificam. Não me importo”, disse. Seu canal no YouTube já ultrapassa 125 milhões de visualizações e quase meio milhão de inscritos.

A voz potente e a personalidade forte constroem a imagem que chama a atenção por onde Marília passa. Ela chegou a ser chamada de “Adele do sertanejo”, pelo teor melancólico das letras, semelhantes às da inglesa. “Com o meu jeito, quero mostrar que a personalidade de uma mulher não interfere na sua sensibilidade e no jeito feminino”.

Apesar da pouca idade, a artista nascida em Goiânia começou a compor aos 13 anos. Para o show em Gravatá, ela destaca Como faz com ela, Alô porteiro e Impasse, além das composições próprias Infiel, O que falta em você sou eu, Hoje somos só metade e Sentimento louco. “Cantamos músicas diretas, que falam de vida real, de bebida, de uma mulher independente e forte. Estamos chegando e queremos ficar”.

+Sertanejas

Além de Marília, nomes como Maiara e Maraísa e Paula Mattos engrossam o caldo. Foto: Reprodução/Facebook
Além de Marília, nomes como Maiara e Maraísa e Paula Mattos engrossam o caldo. Foto: Reprodução/Facebook

Maiara e Maraísa
As gêmeas Maiara e Maraísa, 26, de São José dos Quatro Marcos (MT), despontaram em 2013 com a música No dia do seu casamento, que foi gravada pela banda recifense Sedutora. As irmãs assinam as faixas Prisão sem grades (Jorge e Mateus), Caso indefinido (Cristiano Araújo) e Você não me conhece (Gusttavo Lima).

Paula Mattos
A cantora nascida em Campo Grande (MS), de 26 anos, compõe desde os 12 anos. Ela assina faixas de cantores como Gusttavo Lima (Doidaça), Marcos & Belutti (Irracional) e Henrique & Juliano (Separa, namora). Paula ganhou destaque no YouTube com o clipe de Que sorte a nossa, que acumula 18 milhões de visualizações.



Entrevista // Marília Mendonça

Com menos de um ano de carreira e apontada como promessa para 2016, como sente essa repercussão?
Consigo sentir bastante quando estou no palco, as pessoas cantam o repertório do começo ao fim. Estou com pouco pouco tempo de estrada e a resposta dos fãs tem sido bem positiva.

Composições suas ficaram famosas nas vozes de Jorge e Mateus, Henrique e Juliano e Cristiano Araújo. Acredita que a cobrança é maior por causa disso?
Não. De verdade, não sinto cobrança quanto a isto. Eu mesma me cobro um pouco, o normal, para eu ser uma artista completa, tanto nas composições, quanto nos palcos. Este é meu sonho e quero fazer jus a ele.

Você afirmou que se sente mais compositora do que cantora. Qual o motivo?
Eu escrevo desde muito novinha, com 13 anos eu já compunha. Ainda me vejo mais compositora do que cantora, mas acredito que logo me sentirei os dois (risos).

Você diz ser uma mulher de personalidade forte, que “come, bebe e fala alto”. Como desconstruir a imagem de fragilidade associada às mulheres?
Sou uma mulher como todas as outras, não quis desconstruir, apenas com o meu jeito quero mostrar que a personalidade de uma mulher não interfere na sua sensibilidade e jeito feminino.

Você já foi chamada de "Adele do sertanejo". O que achou da comparação?
Gente, eu fiquei de boca aberta, surpresa e muito feliz! Sou fã da Adele, quem não gostaria de ser comparada a uma diva?

De anônima para famosa em poucos meses, onde Marília Mendonça pretende chegar?
Eu só tenho que agradecer por onde já cheguei. É tão gratificante ver a resposta do público. Sei que tenho muitos sonhos e os pés no chão. Com humildade tenho certeza que estou caminhando para um lugar lindo.



Sobre Vidas: Natanael Ramos e Gil Sormany
Salão de Tóquio: Mitsubishi 2020
Crochê, tricô, bordados e aplicações
Trio de Ferro e Decisão Bonito campeão do Pernambucano A2
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco