Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver
Manguebeat Documentário dos 50 anos de Chico Science na Globo explica sucesso do mangueboy Filme "Chico Science: Um caranguejo elétrico" será transmitido na madrugada deste sábado para o domingo e conta com depoimentos de familiares, amigos e colegas de banda

Por: Luiza Maia - Diario de Pernambuco

Publicado em: 12/03/2016 09:03 Atualizado em: 12/03/2016 14:16

Chico Science, Mundo Livre S/A e os integrantes da banda de samba-reggae Lamento Negro. Foto: Gil Vicente/DP
Chico Science, Mundo Livre S/A e os integrantes da banda de samba-reggae Lamento Negro. Foto: Gil Vicente/DP

As comemorações dos 50 anos do nascimento de Chico Science, celebrados amanhã, serão incompatíveis, em quantidade, à revelância artística do ícone do movimento manguebeat. A curta lista inclui um projeto realizado pela filha dele, Lula Lira, com detalhes ainda não divulgados, exposições - uma delas no Abril Pro Rock - e alguns shows comemorativos, com destaque para a apresentação da Nação Zumbi no carnaval, com participação (pela primeira vez) de Lula.

Nação Zumbi vai cantar repertório do CD Afrociberdelia em show no Recife

O documentário Chico Science: Um caranguejo elétrico, de José Eduardo Miglioli, será exibido na TV Globo, à 1h20 de hoje para amanhã, apenas para estados nordestinos. As melhores passagens se concentram nas primeiras passagens do documentário de 86 minutos, com depoimentos de familiares, amigos e parceiros musicais. A originalidade e persistência do moleque de Rio Doce responsável por encabeçar a simbiose entre world music e raízes nordestinas são destrinchadas em falas de amigos da adolescência, como DJ Dolores, Renato L e H.d. Mabuse. O resgate de imagens de arquivo - de ensaios amadores ao histórico show no festival SummerStage, no Central Park (EUA) - está entre as pérolas da produção.

Confira o roteiro de shows no Divirta-se

"Ele era cativante, envolvente. Tinha uma energia absurda e uma capacidade de síntese fantástica. Pegava as coisas, processava tudo rapidinho. As coisas já estavam muito resolvidas", acredita Miglioli, que conheceu Chico. "Optei por me pautar pela viagem musical dele. O filme não traz peculiaridades da vida, relações afetivas, está estruturado em cima da construção cognitiva dele, da produção e do legado", explica.

Líder da Nação Zumbi cantou com Gilberto Gil no festival SummerStage, nos Estados Unidos. Crédito: Acervo RTV/Divulgação
Líder da Nação Zumbi cantou com Gilberto Gil no festival SummerStage, nos Estados Unidos. Crédito: Acervo RTV/Divulgação
A mescla entre referências históricas e artísticas distintas - como Zumbi dos Palmares, Josué de Castro e a banda de hip hop Public Enemy - e a ligação com o mangue, iniciada ainda na infância, quando catar caranguejo era uma diversão, são relembradas pelos companheiros de festas e palcos, também impressionados pela alquimia promovida por Chico Science.

Lúcio Maia, Alexandre Dengue, Gilmar Bolla8, Jorge Du Peixe e Pupillo narram como conheceram e foram convidados para a Nação Zumbi e recordam as dificuldades enfrentadas na primeira viagem a São Paulo, com a Mundo Livre S/A, em 1993, logo após o show na edição de estreia do Abril Pro Rock. Quando desembarcaram no ônibus de linha na capital paulista, o dinheiro já havia acabado, mas trouxeram na bagagem o contrato assinado com a Som Livre para a gravaçao de Da lama ao caos. Marcelo Yuka, Paralamas do Sucesso, Liminha, Gilberto Gil, Jorge Mautner e Arto Lindsay também contribuem.

Aos poucos, criador é substituído pela critura, e a Nação Zumbi rouba a cena, especialmente após narrado o processo e os bastidores da gravação do segundo disco, Afrociberdelia, contado pelos integrantes da banda, o produtor Eduardo BiD e o diretor artístico da Sony, Jorge Davidson, responsável pela introdução da versão de Maracatu atômico, de Jorge Mautner, já conhecida na voz de Gilberto Gil, e dos três remixes cujo resultado fez Chico chorar de tristeza, literalmente.

O impacto da morte dele - reflexo da importância do artista -, a repercussão do acidente e a grandeza da despedida, acompanhada por uma legião de fãs, são suprimidos. A última parte, Legado (antecedida por Mangue e Caos), ressalta a relevância da Nação Zumbi no cenário nacional, mas não dá a dimensão da lacuna deixada pelo mais famoso moleque criado na lama dos mangues pernambucanos.

Curados da Covid-19 ressaltam importância do isolamento
A pandemia em Pernambuco - notícias de 25/05
Jogos Inesquecíveis: Empate heroico, pênaltis e invasão marcaram acesso do Náutico em 2019
De 1 a 5: dicas para se organizar melhor durante a quarentena
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco