Polêmica Chico Buarque desaprova atitude de Cláudio Botelho e o proíbe de usar suas canções Compositor se mostrou indignado com críticas à Lula e Dilma e não vai mais permitir que diretor utilize seu repertório em qualquer espetáculo

Por: Ana Clara Brant -

Publicado em: 20/03/2016 16:20 Atualizado em: 20/03/2016 16:22

Chico desaprovou os comentários e a atitude de Botelho no musical que o homenageia (Reprodução/Facebook)
Chico desaprovou os comentários e a atitude de Botelho no musical que o homenageia. Foto: Reprodução/Web
Chico desaprovou os comentários e a atitude de Botelho no musical que o homenageia (Reprodução/Facebook) Chico desaprovou os comentários e a atitude de Botelho no musical que o homenageia. Foto: Reprodução/Web

Após os comentários de Cláudio Botelho sobre Lula e a presidente Dilma durante apresentação do musical sobre sua obra em Belo Horizonte, Chico Buarque decidiu que não dará mais autorização para que o ator e diretor use suas canções neste ou em qualquer outro espetáculo. 

Apesar de não ter se manifestado oficialmente, a informação sobre a reação do cantor e compositor foi repassada via sua assessoria de imprensa, que ainda acrescentou: "Chico não deve dar nenhuma declaração, mas pode registrar que ele reagiu primeiro com espanto e, depois, com grande desagrado ao saber da postura do ator", declarou ao Estado de Minas o assessor do artista, o jornalista Mario Canivello.


Na internet, vários fãs do autor de A banda, Vai passar e Cálice se mostraram indignados com Cláudio Botelho, que durante a apresentação do espetáculo Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos fez um improviso em cena, sugerindo a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e chamando a presidente Dilma Rousseff de 'ladra'. A hashtag #vetachico# tomou conta das redes sociais.

Em cartaz desde 2014, o musical é composto por trechos e histórias da obra de Chico no cinema e no teatro, sobretudo da década de 1970, dentre eles Roda viva (1967), Ópera do malandro (1978), Calabar (1973), Quando o Carnaval chegar (1972) e Para viver um grande amor (1983). Roda viva acabou se tornando um símbolo da resistência contra a ditadura, quando em 1968 um grupo do Comando de Caça aos Comunistas (CCC) invadiu o Teatro Ruth Escobar, em São Paulo, e espancou os artistas.

POLÊMICA
Em dezembro do ano passado, Chico Buarque foi alvo de uma discussão nas ruas do Rio de Janeiro. O músico, que saía de um jantar com Cacá Diegues, foi cercado por um grupo de jovens, que incluía o rapper Tulio Dek, e ouviu: "Petista, vá morar em Paris. O PT é bandido".


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.