Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver
Música Mombojó festeja 15 anos em disco com vocalista francesa da Stereolab Além do EP com quatro canções inéditas, gravadas com Laetitia, haverá minidocumentário e shows de lançamento.

Por: Pedro Siqueira - Diario de Pernambuco

Publicado em: 27/02/2016 13:52 Atualizado em: 27/02/2016 14:08

O primeiro contato com Laetitia se deu em 2010. Foto: Luan Cardoso/Divulgação
O primeiro contato com Laetitia se deu em 2010. Foto: Luan Cardoso/Divulgação

Era 2001. Seis jovens recifenses se juntavam para formar uma banda, logo na ressaca do movimento manguebeat, ainda abalado pelo falecimento de Chico Science (1966-1997). Mas, ao contrário do “maracatu psicodélico, bumba meu rádio e berimbau elétrico” dos mangueboys, os então novatos Felipe S. (voz), Marcelo Machado (guitarra), Samuel Vieira (baixo) - substituído por Missionário José -, Vicente Machado (bateria), Chiquinho (teclado) e Rafael Torres (flauta), sob o nome Mombojó, cultuavam as bandas experimentais europeias, como Radiohead, Tortoise e Stereolab, citada como maior influência na sonoridade. Hoje, com quatro discos de estúdio e 15 anos de carreira, a banda parte em novo salto: um disco com a vocalista do Stereolab, a francesa Laetitia Sadier.

Por uma feliz coincidência, o encontro musical ocorre bem a tempo da comemoração do aniversário do grupo, em abril. O primeiro contato com Laetitia se deu em 2010: “Ela tocou no Recife e deixamos um disco nosso com ela, que gostou e disse que adoraria trabalhar com a gente”, conta Marcelo. O “namoro” gerou a faixa Summer long, de Alexandre (2014). “Profissionalmente, estamos sentindo a mesma realização de quem faz um pós-doutorado, por exemplo. Sempre vimos essas bandas como intocáveis, e agora estamos aqui, gravando com a maior cantora de todos os tempos pra nós”, diz.

Há mais de dez anos, o Mombojó já chamava a atenção no primeiro disco, Nadadenovo (2004), lançado de forma independente - em tiragem limitada na revista OutraCoisa, do roqueiro Lobão. Nele estão preferidas dos fãs, como Deixe-se acreditar, Faaca e A missa. O sucesso rendeu shows pelo Brasil, inclusive apresentação no TIM Festival 2006, dividindo palco com nomes internacionais como TV on The Radio e Daft Punk, além de um contrato com a gravadora Trama, pela qual saiu Homem-espuma (2006).

A banda sofreu um revés em 2007 com o falecimento de Rafael Torres, vítima de ataque cardíaco aos 24 anos. A perda do integrante influenciou diretamente o processo de composição de Amigo do tempo, de 2010. Mais melancólico e contemplativo, o álbum lida com temas como saudade e solidão. O quarto e mais recente disco, Alexandre, saiu em 2014, marcado pela maior experimentação.

Shows e documentário se juntam ao EP nas comemorações. Foto: João Cardoso/Divulgação
Shows e documentário se juntam ao EP nas comemorações. Foto: João Cardoso/Divulgação

Os 15 anos serão celebrados com o projeto Summer long, aprovado em edital do Funcultura em 2015. Será um EP com quatro canções inéditas, gravadas com Laetitia, um minidocumentário e shows de lançamento. A banda e a cantora se dedicam, atualmente, ao processo de composição em uma chácara em Aldeia, nos arredores do Recife. “A maior parte das músicas já estava definida antes de ela vir. A gente mandava bases, ela mandava letras. Agora, estamos focando em tirar as partes que realmente precisavam de todo mundo junto”, revela Marcelo. O Mombojó foi convidado para ser banda de apoio em uma faixa do disco solo de Laetitia, em fase de composição. O repertório de Summer long poderá ser conferido em primeira mão hoje, de graça, em um dos cartões-postais do Recife.

DEPOIMENTOS

"Conheci os meninos lá por 2002, 2003, nem disco eles tinham ainda. Um dia, Felipe me deu uma fita demo. Coloquei aquilo pra tocar e pensei: ‘Caramba, isso vai bombar’. Corri e liguei pro telefone de contato que tinha na fita e chamei pra compor. Escrevemos cinco músicas. Entre elas, Deixe-se acreditar, de longe a mais especial pra mim. No dia que fizemos a letra, Felipe me contou que tinha mostrado a base da música pro professor de violão dele, que disse que os acordes estavam errados. E olha só, a música que, pro cara, tava errada, se tornou o maior sucesso da banda”.
China, cantor, compositor e colaborador do Mombojó

"A primeira vez em que ouvi falar da banda foi em um programa de clipes, talvez na TV Universitária. Era uma música meio samba-rock, estilo Ronnie Von, bem psicodelia anos 1960, chamava Adelaide. Mas na época não tinha isso de internet como tem hoje, então deixei estar. Fui acompanhando assim, de longe, vendo os clipes. Foi quando vi ao vivo que embarquei na viagem da banda. Gostei da energia deles no palco, do público, da experiência sonora”.
Juvenil Silva, cantor e compositor, ex-integrante da Canivetes

Laetitia participa das faixas inéditas do novo EP. Foto: Darinkamnetx/Reprodução da internet
Laetitia participa das faixas inéditas do novo EP. Foto: Darinkamnetx/Reprodução da internet
SAIBA MAIS: Laetitia Sadier

Laetitia foi a vocalista e principal compositora do Stereolab da formação do grupo, em 1990, até a separação, em 2010. O som do conjunto mistura rock, jazz, música eletrônica e indie, comparado com trabalhos de artistas como Björk e Tortoise. Os primeiros discos foram lançados no Brasil pela Trama, a mesma que, anos depois, contrataria o Mombojó. The trip (2010) é o primeiro álbum solo dela, com o qual fez turnê voz e violão no Brasil - o Recife incluso. Ela colaborou com um refrão e efeitos de guitarra na faixa Summer long. O último disco solo, Something shines, foi lançado em 2014.

DISCOGRAFIA

Nadadenovo (2004)
Inicialmente lançado como encarte da revista OutraCoisa, ganhou tiragem pela gravadora independente Tratore. Conta com 15 faixas, sendo cinco compostas em parceria com China. Possui os sucessos
Deixe-se acreditar e A missa.

Homem-espuma (2006)
Lançado sob o selo Trama, que na época também tinha a Nação Zumbi no casting de artistas. A sonoridade é similar à do primeiro álbum, mas sem o mesmo número de hits. Conta com O mais vendido e Realismo convincente.

Amigo do tempo
(2010)
Reflexo da morte do flautista Rafael, é o disco mais melancólico. Rendeu o hit Papapa, cujo clipe teve alta rotação na MTV Brasil. Gravado de forma independente, conta ainda com Casa Caiada e Antimonotonia.

Alexandre (2014)
Lançado em junho de 2014, o álbum marca mudanças no som do grupo. As guitarras estridentes dão lugar a batidas de sintetizador. É, por enquanto, o disco mais experimental. Conta com Pro Sol, Cuidado, perigo! e Summer long.

Diabetes: saiba como evitar e controlar antes que seja tarde
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco