Cinema Estreia da semana, Vingadores: Era de Ultron encerra ciclo da segunda fase da Marvel nas telonas Longa com Robert Downey Jr. e Mark Ruffalo apresenta os heróis mais poderosos da Terra contra o robótico Ultron (James Spader)

Publicado em: 23/04/2015 09:37 Atualizado em:


Longa deve pavimentar o caminho para os futuros filmes da Marvel. Crédito: Disney/Buena Vista/Divulgação
Longa deve pavimentar o caminho para os futuros filmes da Marvel. Crédito: Disney/Buena Vista/Divulgação

Uma das estreias mais aguardadas do ano, Vingadores - Era de Ultron chega hoje aos cinemas, reunindo novamente os seis heróis mais rentáveis da Marvel. Homem de Ferro, Thor, Capitão América, Viúva Negra, Hulk e Gavião Arqueiro retornam agora para combater Ultron, uma inteligência artificial desenvolvida por Tony Stark (Robert Downey Jr.) para promover a paz, mas que se rebela contra o criador.

O filme é mais um desdobramento de uma franquia que não para de crescer, tanto em número de personagens (de acordo com o diretor Joss Whedon, o longa conta com 11 protagonistas), quanto em lucro (a soma das quantias arrecadadas pelos filmes dos Vingadores em todo o mundo chega a US$ 7 bilhões até agora). O lançamento de Homem de Ferro, em 2008, foi o ponto de partida para a criação do universo cinematográfico da Marvel, formato comercial que produz diferentes filmes usando o mesmo contexto. Embora seja o segundo longa-metragem que reúne os heróis da Marvel, eles podem ser vistos também em filmes individuais (veja o box ao lado).

A estratégia, acompanhada de uma agressiva campanha publicitária, vem perpetuando o êxito comercial da saga, já que os próprios filmes lançados funcionam como marketing para futuras estreias. Longas como Capitão América 2: O soldado invernal (2014) e Thor: O mundo sombrio (2013) são recheados de referências para os fãs dos quadrinhos, bem como pequenas surpresas que atiçam especulações sobre as novas produções.

Os vazamentos sucessivos na internet de trechos dos filmes também ajudam a manter as produções sob os holofotes do público, tanto com cenas indicativas da trama prestes a estrear quanto dos encontros seguintes dos super-heróis. Há poucos dias, supostas imagens exibidas nos créditos finais de Vingadores - A era de Ultron, uma prática recorrente para adiantar a trama seguinte, caiu na web e apontou os novos rumos do grupo unido para proteger a galáxia. Ente os fãs, a expectativa é de um encaminhamento para a Guerra Infinita - com o ingresso do Homem-Aranha no Universo Marvel.

Em 2012, The avengers: Os vingadores (e sua bilheteria de US,5 bilhão) consolidou o nome de Joss Whedon entre os diretores da elite de Hollywood. Vindo da TV, Whedon se mostrou a escolha certa para assumir a responsabilidade de reunir os Vingadores em um longa-metragem. Produtor dos cults Buffy: A caça-vampiros (1996-2003) e Firefly (2002–2003), Whedon, além de fã dos quadrinhos, escreveu a série Os surpreendentes Xmen para a Marvel.

Mas a tarefa de levar para as telas dois filmes de proporções épicas (ambos ultrapassam a marca das duas horas e vinte de duração) provou-se extenuante para Whedon, que será substituído pelos irmãos Anthony e Joe Russo (Capitão América 2: O soldado invernal) nas sequências Avengers: Infinity war, partes 1 e 2, que estão programadas para 2018 e 2019 - a Marvel tem produções agendadas até, no mínimo, 2020.



Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.