Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Viver
Cultura Casa nova para o frevo

Por: Isabelle Barros

Publicado em: 03/01/2015 11:22 Atualizado em: 03/01/2015 12:27

Às vésperas do carnaval, um das principais escolas gratuitas de frevo do Recife celebra dez anos com sede própria. Saiba onde aprender a frevar. Foto: Roseane Souza/Divulgação
Às vésperas do carnaval, um das principais escolas gratuitas de frevo do Recife celebra dez anos com sede própria. Saiba onde aprender a frevar. Foto: Roseane Souza/Divulgação
A ansiedade pelo carnaval é um sentimento que pulsa na maioria dos pernambucanos tão logo começa janeiro. No entanto, há grupos que transcendem o caráter sazonal da festa e se dedicam a resgatar aspectos dela durante o ano inteiro. Um deles é o Guerreiros do Passo, que completa dez anos de ensino da dança do frevo em 2015. O coletivo que fez palco - e sala de aula - na rua entra em um novo ciclo a partir de agora, com a aquisição de uma sede própria no bairro do Hipódromo, na Zona Norte do Recife.

A casa em frente à Praça do Hipódromo, que custou R$ 110 mil e foi comprada com recursos próprios, reflete também uma demanda reprimida no Recife, segundo um dos integrantes do grupo, Eduardo Araújo. “O Paço do Frevo, por exemplo, é um espaço maravilhoso, mas não dá conta da demanda por aulas. Também pretendemos disponibilizar o local para outros coletivos ensaiarem, pois este é um gargalo antigo da capital pernambucana”, afirma.

Atualmente, as aulas atraem cerca de 30 alunos, inclusive estrangeiros, que querem frevar. O grupo também desenvolve um projeto de resgate de antigos passos do frevo, para que eles não caiam no esquecimento e sirvam de material de pesquisa para outros dançarinos. Já a casa onde fica o acervo será reformada e adequada para as atividades.

“Continuaremos dando aulas gratuitas na Praça do Hipódromo, como já fazemos, mas agora teremos um local para fazermos nosso planejamento estratégico, manter o acervo e disponibilizar nosso material para pesquisadores. Também queremos celebrar parcerias com pessoas e instituições para ajudar a manter as atividades da nossa sede”, detalha Eduardo.

O Guerreiros do Passo tem cinco integrantes e professores que se revezam nas aulas, ministradas às quartas-feiras, às 19h, e aos sábados, às 15h, na Praça do Hipódromo: Eduardo Araújo, Gil Silva, Valdemiro Neto, Lucélia Albuquerque e Ricardo Napoleão.
Todos eles foram discípulos de Nascimento do Passo, dançarino e professor de frevo que se tornou símbolo do ritmo em Pernambuco e pioneiro na sistematização dos passos do da dança. Ele fundou, em 1973, a Escola Recreativa Nascimento do Passo, além de lutar pela criação da Escola Municipal de Frevo Maestro Fernando Borges, inaugurada em 2006, e mantida pela Prefeitura do Recife.

Além da escola Maestro Fernando Borges, do Paço do Frevo, e do próprio Guerreiros do Passo, o Balé Popular do Recife, na Boa Vista, e o grupo Brincantes das Ladeiras, na Praça Laura Nigro, no Sítio Histórico de Olinda, são outras opções para frevar. Para colocar em prática o aprendizado, o Guerreiros do Passo mantém ainda a Troça Carnavalesca Mista O Inocente, que sai durante o carnaval.

No passo

Academia

O frevo motiva pesquisas artísticas e acadêmicas. Entre as profissionais envolvidas com o tema estão a bailarina, cantora e atriz Flaira Ferro, professora do Instituto Brincante, em São Paulo, e Valéria Vicente, dançarina, pesquisadora e professora do departamento de Artes Cênicas da UFPB. As duas também se uniram no projeto Frevo de casa.

Método
O Guerreiros do Passo adotou a metodologia de Nascimento do Passo (1936-2009). A intenção, segundo Eduardo Araújo, era não deixar que o ritmo caísse em desuso. “Para facilitar o aprendizado, Nascimento agrupou movimentos em famílias de passos, criando 40 movimentos básicos. A partir daí, o passista arrisca para coisas mais difíceis”

Espetáculo
O grupo criou, em 2006, o espetáculo homônimo Guerreiros do passo, que antecipava as homenagens ao centenário do frevo, comemorado em 2007, e que está no repertório até hoje. A pesquisa do coletivo engloba desde os movimentos dos primórdios do ritmo até a atualidade. A primeira apresentação do coletivo em 2015 será na Manhã de Sol, do Bloco da Saudade, no dia 11 de janeiro, às 11h, na AABB Recife, nos Aflitos.



Argentina chora perda de Maradona
Jogadores se despedem de Maradona
Rhaldney Santos entrevista Dra Amanda López, neurocirurgiã pediátrica
Rhaldney Santos entrevista João Campos (PSB), candidato à Prefeitura do Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco