INOVAÇÃO

Implantação de novas Diretorias Remotas reduziram acervo das unidades do judiciário no Estado, diz TJPE

Segundo a corte, com a mudança, as varas ficaram ligadas a uma Diretoria, de acordo com a matéria dos litígios que tramitam no local

Publicado em: 17/06/2024 17:32

 (Foto: Divulgação/TJPE )
Foto: Divulgação/TJPE
 
O Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) anunciou, nesta segunda-feira (17), que promoveu uma reorganização nas unidades judiciais do Estado. 

Segundo a corte, com a mudança, as varas ficaram ligadas a uma Diretoria, de acordo com a matéria dos litígios que tramitam no local. 

De acordo com o TJPE, em um mês, a estratégia adotada pelo judiciário vem apresentando resultados positivos, como a diminuição do acervo processual nas Diretorias e nos gabinetes dos(as) magistrados(as). 
 
Os números podem ser acompanhados pela população através do Sistema de Gerenciamento de Acervo (Siga), disponível no site do TJPE e atualizado diariamente pela Central Judiciária de Processamento Remoto do 1º Grau (Cenjud). 

“Nosso propósito desde o início da gestão é agilizar e dar maior eficiência ao Tribunal, tanto no primeiro grau quanto no segundo. O novo modelo na gestão de processos surgiu exatamente para isso. A população pernambucana merece um Judiciário cada vez melhor”, disse o presidente do TJPE, desembargador Ricardo Paes Barreto. 

Diretorias

Segundo o TJPE, dentre as diretorias que se destacaram neste primeiro mês, que compreende o período de 3 de maio a 3 de junho, estão: a Estadual dos Juizados Especiais (Direjesp); a das Varas Cíveis e das Varas de Execuções de Títulos Extrajudiciais da Capital (DIRCIV); a das Varas Criminais do Interior (DCRIMI); a Regional do Sertão (DRS) e a Estadual das Varas da Infância e Juventude (DEVIJ) respectivamente. Juntas, essas as unidades promoveram a diminuição do acervo em Diretoria dos seus acervos em mais de 11 mil processos, correspondendo a 4,38%.

Já em relação à quantidade de litígios tramitando nos gabinetes dos(as) juízes(as) se destacaram as Diretorias Estadual das Varas de Execução Fiscal, Fazenda Pública e Acidentes de Trabalho (Deffa); a Regional do Agreste (DRA); das Varas Cíveis da Região Metropolitana e do Interior (DCMI); Regional da Zona da Mata (DRZM) e a Estadual das Varas de Família, Registro Civil e Sucessões (DFAMS). Juntas, diminuíram em mais de 17.440 feitos os seus acervos, correspondendo a 5,06%.

Segundo o TJPE, outra novidade criada com a nova organização, é o direcionamento da força de trabalho, já que os servidores são lotados nas diretorias e não mais em varas. Com isso, os recursos humanos ficam à disposição de todas as unidades que compõem a respectiva diretoria. Desde que assumiu a Presidência do Tribunal em fevereiro passado, o desembargador Ricardo Paes Barreto vem dizendo que este modelo permitirá que o trabalho flua de forma homogênea, sem que haja justificativa para discrepância na produtividade das varas.

Atualmente, 1.637 servidores(as) demandam seus esforços nessas diretorias, que atendem 560 unidades judiciárias.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL