Diario de Pernambuco
Busca

Praias

Pernambuco tem nove praias com trechos impróprios para banho; veja quais são

Análises de balneabilidade são feitas de forma semanal pela Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH)

Publicado em: 18/12/2023 11:12 | Atualizado em: 18/12/2023 12:37

A pesquisa foi realizada em 25 áreas do litoral e vale até a quinta-feira (21). (Foto: Reprodução/ Portal CPRH)
A pesquisa foi realizada em 25 áreas do litoral e vale até a quinta-feira (21). (Foto: Reprodução/ Portal CPRH)
 
De acordo com pesquisas da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), Pernambuco tem nove praias impróprias com trechos impróprios para banho. 
 
A pesquisa foi realizada em 25 áreas do litoral e vale até a quinta-feira (21).

Ainda segundo o órgão, o objetivo da análise é constatar se as águas estão em boas condições para o lazer. 

Por meio de coleta, é possível identificar a quantidade de impurezas que podem tornar as áreas impróprias para o banho. 

Análise

A classificação das praias é baseada no que estabelece a Resolução CONAMA Nº 274/00, que define padrões de qualidade da água do mar. 

De acordo com a CPRH, a balneabilidade é o conjunto de fatores que define a qualidade da água para fins de recreação de contato primário, ou seja, contato direto e prolongado, onde existe a possibilidade de ingerir quantidades consideráveis de água.

Confira a lista de praias com trechos impróprios e próprios para banho:

Impróprias

Praia de Pilar, em frente à Igreja do Pilar - Itamaracá
Praia do Forte, em frente ao Forte Orange - Itamaracá 
Praia de Maria Farinha, em frente ao Cabanga Iate Clube - Paulista Imprópria
Praia do Janga, em frente à Rua Betânia - Paulista
Praia de Bairro Novo, em frente à Av. Ministro Marcos Freire Nº 2039 (Quartel da PE) - Olinda
Praia dos Milagres, em frente à Praça dos Milagres - Olinda 
Praia do Pina, em frente à Rua Com. Morais com Eng. Antônio de Góes (Cassino Americano) - Recife
Praia dos Carneiros, em frente ao Condomínio Pontal dos Carneiros - Tamandaré  
Praia de Tamandaré, em frente à Rua Nilo Gouveia Filho, em frente à estátua - Tamandaré 

Próprias

Praia de Jaguaribe, em frente à Rua Santina de Barros - Itamaracá;
Praia do Janga, em frente à Rua Cláudio S. Bastos Nº 190 (Cond. Roberto Barbosa) - Paulista;
Praia de Rio Doce, em frente à Rua Paulo N. Queiroz, próximo à foz do Rio Doce. - Olinda;
Praia do Carmo, em frente à Praça João Pessoa, por trás dos Correios - Olinda;
Praia de Boa Viagem, em frente à Avenida Boa Viagem Nº 2840 – Posto 8 (Padaria Boa Viagem) - Recife;
Praia de Boa Viagem, em frente à Avenida Boa Viagem Nº 6958 – Posto 15 - Recife;
Praia de Piedade, em frente à Avenida Beira Mar Nº 606 (Hospital da Aeronáutica) Jaboatão dos Guararapes;
Praia de Candeias, em frente à Av. Bernardo V. de Melo Nº 5422 (Conj. Residencial Candeias;
Praia de Candeias, em frente à Av. Bernardo V. de Melo Nº 6476 – Restaurante Candelária - Jaboatão dos Guararapes;
Praia de Barra de Jangadas, em frente ao Nº 10800 (antiga Marina dos Mares) - Jaboatão dos Guararapes;
Praia de Enseada dos Corais, em frente ao Canal do Boto - Cabo de Sto Agostinho;
Praia de Gaibú, em frente à Avenida Laura Cavalcanti (Centro de Turismo) - Cabo de Sto Agostinho;
Praia de Porto de Galinhas, em frente à R. Esperança, Escola Manuel L. C. Uchoa. - Ipojuca;
Praia de Ponta de Serrambi, no Pontal – Quadra 01-01, Lote 01-01 - Ipojuca;
Praia de Tamandaré, em frente ao Hotel Marinas de Tamandaré - Tamandaré;
Praia de São José da C. Grande, em frente a R. da Matriz esquina c/ R. João Francisco Melo - São José da C. grande.      

Recomendação

O processo de amostra das águas é feita semanalmente, o CPRH recomenda ainda, que seja evitado o banho de mar em quaisquer das circunstâncias abaixo:  

Houver incidência relativamente elevada ou anormal de doenças por veiculação hídrica;  

Acusar recebimento regular intermitente ou esporádico de esgotos por intermédio de valas, corpos de água ou canalizações, inclusive galerias de águas pluviais;  

Indicar presença de resíduos ou despejos, sólidos ou líquidos, inclusive óleos, graxas e outras substâncias capazes de oferecer riscos à saúde ou tornar desagradável a recreação;  

Floração de algas ou outros organismos, até que comprove que não oferecem risco à saúde;  

Nas semanas que forem classificadas como impróprias;  Sua utilização nas 24 horas subsequentes à ocorrência de chuvas, devido ao maior risco de doenças; 

Outros fatores que contraindicam temporária ou permanentemente o exercício de recreação de contato primário.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL