Diario de Pernambuco
Busca

RARIDADE

Em evento raro, Tamanduá-bandeira nasce no Parque Estadual de Dois Irmãos

Espécie é considerada 'possivelmente extinta' nos Pampas e 'quase extinta' nos biomas da Caatinga e da Mata Atlântica, de acordo com ICMBio

Publicado em: 23/10/2023 15:53 | Atualizado em: 23/10/2023 15:58

O nascimento do tamanduá-bandeira no Parque é um indicador que aponta para a qualidade de tratamento e cuidados que os recebem no local (Foto: Gabriel Dantas/PEDI)
O nascimento do tamanduá-bandeira no Parque é um indicador que aponta para a qualidade de tratamento e cuidados que os recebem no local (Foto: Gabriel Dantas/PEDI)
O Parque Estadual Dois Irmãos foi o berço do nascimento de um filhote da espécie Tamanduá-bandeira, mamífero classificado como “vulnerável”, na Lista Nacional de Espécies Ameaçadas de Extinção.

Garantir a reprodução de animais nessas condições é um dos propósitos do equipamento ambiental do estado. 

A equipe do Parque Estadual Dois Irmãos comemorou o sucesso do nascimento e crescimento do Tamanduá-bandeira, que veio ao mundo no último dia 4 de julho.

Esse processo é fundamental para o aumento populacional da espécie. 

Segundo a gerente técnica do Parque, Fernanda Justino, a drástica redução da espécie motivou o Parque a iniciar o processo reprodutivo desses indivíduos. 

“Todo zoológico deve ter quatro pilares: educação ambiental, lazer, pesquisas científicas e conservação das espécies. Nesse contexto, o nascimento do Tamanduá-bandeira tem grande valor para a sociedade. No entanto, sua reprodução é apenas o início de uma grande jornada. O animal precisa ser preparado e monitorado para uma futura vida na natureza”, afirma a especialista, indicando que o bebê deve ter vida livre assim que tiver condições. 

O nascimento do tamanduá-bandeira no Parque é um indicador que aponta para a qualidade de tratamento e cuidados que os recebem no local.

“Quando a espécie tem todas as suas necessidades atendidas como: nutricionais, físicas, mentais, ambientais e de saúde, ela tende a expressar seus comportamentos naturais, como a reprodução”, afirma Fernanda Justino.
  
A gestação de Tamanduá-bandeira tem aproximadamente 180 dias de duração e gera um filhote por vez.

O sucesso com a reprodução dessa espécie no Parque é a primeira etapa dos cuidados para conservação do animal. 

Após o nascimento do filhote, uma equipe multidisciplinar foi destinada para os cuidados com o bebê.

“Priorizamos que a mãe cuide de seu filhote. Contudo, estamos atentos diariamente ao desenvolvimento clínico e comportamental desse novo indivíduo. A equipe veterinária analisa se está tudo certo com a saúde dele. Já o grupo de biólogos analisa a área comportamental, se o filhote está sendo amamentado ou se ele ganhou peso, por exemplo. É um processo diário e multidisciplinar, que envolve muitos profissionais atentos às necessidades do animal”, conta Júlia Magella, técnica do Parque.  

O  filhote de Tamanduá-bandeira permanecerá no Parque até atingir a maturidade suficiente para ser destinado a outros locais especializados em soltura de animais.

“Encaminhar os animais para outras instituições é importante para o desenvolvimento de ações que viabilizem a vida deles na natureza”, explica Fernanda.

COMENTÁRIOS

Os comentários a seguir não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL