Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

POLÍTICA DE DROGAS

Justiça proíbe acolhimento de adolescentes em comunidades terapêuticas

Publicado em: 13/07/2021 17:39 | Atualizado em: 14/07/2021 15:21

 (Foto: Site JFPE/Reprodução
)
Foto: Site JFPE/Reprodução
Nesta terça-feira (13) a Justiça Federal de Pernambuco concedeu uma liminar suspendendo uma resolução do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas (Conad), órgão ligado ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, que permitia acolher adolescentes que têm problemas com uso de álcool e outras drogas em comunidades terapêuticas. 

Em sua decisão, a juíza federal da 12ª Vara da Justiça Federal de Pernambuco, Joana Carolina Lins Pereira, afirmou que as comunidades terapêuticas são são residências coletivas destinadas a pessoas com problemas decorrentes do uso abusivo de drogas em geral, fechadas e que, em grande parte, restringem o contato dos residentes com o meio externo, impondo isolamento. 

A liminar acata uma ação civil pública ajuizada pela Defensoria Pública da União (DPU), de forma conjunta com as defensorias dos estados de Pernambuco, São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná e Mato Grosso contra a União, tendo como alvo a resolução nº 3/2020, que autoriza e regulamenta o acolhimento de adolescentes no âmbito do Sistema Nacional de Políticas Públicas sobre Drogas nas comunidades terapêuticas. 

"Confinar adolescentes em comunidades terapêuticas é uma distorção do dever do estado de cuidar e proteger de suas crianças e adolescentes, garantindo que cresçam em condições dignas e propícias ao seu desenvolvimento, perto da família, com direito à escola, à segurança e ao cuidado em uma rede inclusiva, pública”, afirmou a juíza na decisão.

O prazo estabelecido para desligamento dos jovens já acolhidos nas comunidades foi de 90 dias, exceto em caso de haver decisão judicial. O Ministério da Saúde deverá assegurar o atendimento aos adolescentes por meio da Rede de Atenção Psicossocial (RAPS). A decisão também determinou que o financiamento federal destinado ao acolhimento de adolescentes em comunidades terapêuticas seja interrompido.

Direitos da Criança e do Adolescente

De acordo com informações da Justiça Federal de Pernambuco, a ação civil pública tinha como objetivo a defesa dos direitos de crianças e adolescentes, uma vez que a resolução do Conad foi elaborada sem participação do Conselho Nacional de Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) e do Conselho Nacional de Assistência Social (CNAS), além de trazer inovações “manifestadamente ilegais” que desrespeitam o Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA). 

"A manutenção da vigência da Resolução pode impor entraves significativos em relação ao exercício dos direitos da criança e do adolescente, tendo em conta, inclusive, a falta de competência regulamentar do Conselho Nacional de Políticas sobre Drogas quanto à disciplina de seu atendimento", apontou a juíza.

De acordo com a Defensora Pública Federal e Defensora Regional de Direitos Humanos no Recife, Maíra de Carvalho Pereira Mesquita, em suma, há três motivos principais pelos quais a resolução nº 3 do CONADE é ilegal. "A incompetência do CONADE para legislar, para regulamentar o direito de crianças e adolescentes sem a participação e até contrariando o Conselho de Crianças e Adolescentes, que já tinha se posicionado contra a internação de adolescentes em comunidades terapêuticas", alegou a defensora. 

Além disso, Maíra explica que de acordo com o ECA, "apenas a autoridade judiciária pode determinar a internação de adolescentes pelo Artigo 101 do estatuto, então haveria uma violação ao poder da autoridade judiciária estadual". Por fim, ela explica que a Portaria 3088 de 23 de dezembro de 2011, que trata da Rede de Atenção Psicosocial (RAPS) do SUS "afirma expressamente que as comunidades terapêuticas são para adultos".  
  
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com o prefeito João Campos (PSB) e o governador Paulo Câmara (PSB)
De origem humilde, potiguar Ítalo Ferreira é o primeiro ouro do Brasil em Tóquio
Manhã na Clube: entrevistas com Ubiracé Elihimas e Frederico Belfort
Manhã na Clube: entrevista com o médico geriatra Marcelo Cabral
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco