Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

MANIFESTAÇÃO

Ministro Gilmar Mendes se diz preocupado com 'despreparo' da polícia em protesto no Recife

Publicado em: 31/05/2021 13:10 | Atualizado em: 31/05/2021 13:49

Ato público contra Bolsonaro no sábado (29), no Centro do Recife. (Arnaldo Sete / Esp. DP Foto.)
Ato público contra Bolsonaro no sábado (29), no Centro do Recife. (Arnaldo Sete / Esp. DP Foto.)
O Ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, declarou na manhã desta segunda-feira (31), que as cenas de violência da Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) para dispersar um protesto, que ocorria de maneira pacifica, contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e em favor de vacinas contra Covid-19, causam "preocupação com o despreparo das forças para lidar com manifestações de grande porte, que tendem a se tornar frequentes em 2022". A manifestação saía da Avenida Boa Vista, no trecho da Ponte Duarte Coelho, no Centro do Recife, na manhã do último sábado (29), quando a polícia utilizou spray de pimenta e balas de borracha, que ocasionou em duas pessoas, que não participavam do ato, atingidas nos olhos pelos disparos dos policiais.

"As cenas de truculência e brutalidade da ação policial em Recife causam imensa preocupação com o despreparo das forças para lidar com manifestações de grande porte, que tendem a se tornar frequentes em 2022. Dois homens que sequer manifestavam perderam um olho. Até quando?", questionou Gilmar Mendes em seu Twitter.

Em pronunciamento, o governador Paulo Câmara (PSB) afirmou que repudia todo ato de violência, de qualquer ordem ou origem, e que determinou a apuração de responsabilidades sobre o ocorrido. A Corregedoria da Secretaria de Defesa Social instaurou procedimento para investigar os fatos e o oficial comandante da operação, além dos envolvidos na agressão à vereadora Liana Cirne, devem permanecer afastados enquanto durar a investigação.

“O oficial comandante da operação, além dos envolvidos na agressão à vereadora Liana Cirne, permanecerão afastados de suas funções enquanto durar a investigação. Sempre vamos defender o amplo diálogo, o entendimento e o fortalecimento de nossas instituições dentro da melhor tradição democrática de Pernambuco”, afirmou o governador.


Manifestação
"Fora ditador, fora genocida, fora Bolsonaro", este é o grito que ecoava no protesto formado por estudantes, professores, profissionais de diversas áreas e militantes, na manhã do sábado (29), na praça do Derby, área central do Recife. Eles participam de um protesto contra a gestão de Jair Bolsonaro (sem partido). Entre as reivindicações, a saída do Chefe do Executivo nacional do poder e medidas que atendam a população mais vulnerável. O ato seguia em direção à Praça do Diario, ponto de concentração final do protesto.

O protesto pacífico, que ocorria em descumprimento ao Decreto Estadual que proíbe aglomerações de pessoas devido à crise sanitária causada pela Covid-19, foi surpreendido por uma barricada da PM ao chegar na Ponte Duarte Coelho. Os policiais, avançaram contra os manifestantes, que afastavam-se do confronto em direção à Rua da Aurora. Bombas de gás lacrimogênio foram lançadas contra as pessoas que integravam o ato.

Até então, os participantes se organizaram em filas, na tentativa de respeitar o distanciamento social. A estudante de direito, Luiza Maria, 22, falou que a presença de jovens em atos como esses é uma sinalização de resistência. Ela pontua que "se em uma Pandemia a gente precisou sair de casa é sinal que o governo está sendo pior que o vírus".
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Manhã na Clube: entrevistas com Túlio Gadêlha, Beatriz Paulinelli e Guilherme Maia
Advogado de enfermeira afirma que Maradona foi morto
Manhã na Clube: entrevistas com Décio Padilha, Adriana Barros e Roseana Diniz
Para evitar contaminação por Covid, robôs oferecem água benta em Meca
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco