Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

VAQUINHA

Mãe luta por tratamento de criança com garganta em processo de 'fechamento'

Publicado em: 25/05/2021 18:34 | Atualizado em: 26/05/2021 16:55

 (Foto: Sandrine Chagas/Arquivo pessoal)
Foto: Sandrine Chagas/Arquivo pessoal
A luta de uma mãe pela vida de sua filha ganhou as redes sociais em forma de apelo pela saúde da pequena Maria Clara, de apenas quatro anos. Com uma má-formação vascular mista, também conhecida como arteriovenosa, a criança tem um grande inchaço no lábio inferior e na língua. O problema é evolutivo e já compromete 50% da garganta da menina, que precisa de intervenção cirúrgica. Sem sucesso com dois planos de saúde, a mãe, Sandrine Chagas, 33, compartilhou o desafio na internet em busca de um financiamento coletivo para cobrir as despesas de oito intervenções, com o custo de R$ 65 mil cada.

Com menos de um mês de vida, Maria Clara foi inicialmente diagnosticada com hemangioma, que são acúmulos de vasos sanguíneos que resultam em um tumor. A bebê já tinha o tamanho da língua maior do que o normal para uma recém-nascida, o que provocou dificuldades em todo o período de amamentação. Em um hospital público da Região Metropolitana do Recife, referência no tratamento infantil, veio o primeiro obstáculo. “O médico que me disse que não seria possível realizar nenhum procedimento na minha filha pois os gastos hospitalares seriam muito grandes”, conta.

A pernambucana do município do Paulista foi atrás de outra opinião no Hospital das Clínicas do Recife, onde teve o primeiro diagnóstico confirmado e a recomendação do início do uso de propranolol, medicamento para essas lesões, com a informação de que seu uso faria o lábio e a língua da filha voltar ao tamanho normal.

Sem melhora no quadro e com pesquisas próprias, uma preocupação se apresentou na família: hemangiomas e má-formação têm tratamentos diferentes no campo das anomalias vasculares. Por isso, em novembro de 2020, a família de Clara foi até São Paulo para ser atendida por uma equipe médica especializada. “Eu vi uma luz no fim do túnel e finalmente alguém ia me dizer o que minha filha tinha”, contou Sandrine.

Após uma ressonância magnética, o diagnóstico foi diferente dos anteriores: Clara tem má-formação vascular arteriovenosa, condição que não tem cura, mas possui tratamentos para estacionar e diminuir as lesões. Os custos, no entanto, passam dos R$ 500 mil em despesas médicas e hospitalares. Para Sandrine, tempo é uma questão essencial.

“Ela não consegue comer comidas sólidas, pois já está com 50% da garganta obstruída”. Caso a garganta de Clara fique mais inchada, os médicos informaram à família que será necessário a realização de uma traqueostomia, que é a inserção de um tubo na traqueia para que ela consiga respirar.

O tratamento
Maria Clara terá de passar por um conjunto de oito procedimentos ao longo de dois anos. Entre as intervenções médicas estão a embolização, que visa entupir veias que aumentam a lesão, com uso de um catéter, e a escleroterapia, utilizada para diminuir as veias arteriais. Cada procedimento custa, em média, R$ 65 mil. O custo total estimado é de R$ 530 mil.

Apesar de ter plano de saúde, houve um impasse no acompanhamento de Maria Clara. Diante do novo diagnóstico, a mãe buscou o plano, mas encontrou apenas um médico radiologista intervencionista disponível no convênio e, em consulta, ele a teria informado que não tinha muito conhecimento sobre o caso raro da garota. “Eu como mãe não aceitei que um médico desse pegasse a minha filha e fizesse o procedimento nela como experiência”, explicou.

Procurado pela reportagem desde a última quinta-feira (20/5), o plano de saúde não se pronunciou oficialmente até o horário desta publicação. A família chegou a procurar o Ministério Público de Pernambuco em busca de intervenção, mas o órgão entendeu que, como um profissional foi disponibilizado pelo convênio e a negativa partiu da família da paciente, não havia espaço para algum tipo de ação.

Ajuda
Sem previsão de atendimento na rede pública e sem confiança na cobertura particular, mas correndo contra o tempo, a família decidiu recorrer ao financiamento coletivo, compartilhando a história de Maria Clara nas redes e lançando uma vaquinha online para tentar custear o tratamento. Interessados em participar da campanha podem ajudar clicando aqui.

“A Clarinha precisa de ajuda. Ela já não consegue dormir deitada, ou brincar da forma que brincava antes. Apenas com o tratamento o quadro dela vai estabilizar. Toda ajuda conta!”

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Tratamento com remédios anticovid da AstraZeneca não tem resultados positivos
Manhã na Clube: entrevistas com Murilo Hidalgo, Mariana Carvalho e  Elton Gomes
Time de engenheiros se une para montar respiradores 15 vezes mais baratos e salvar milhares de vidas
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco