Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

ADVOCACIA CRIMINAL

Livro de advogado recifense mostra o sistema policial das décadas de 80 e 90

Publicado em: 22/05/2021 08:00 | Atualizado em: 21/05/2021 19:05

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
Em sua obra “Advocacia Criminal - Um dia após o outro”, publicado pela Paco Editorial, o advogado recifense Beto Rabello conta, ao longo de 29 capítulos, casos ocorridos nas décadas de 1980 e 1990 com a intenção de expor o sistema policial, segundo ele, repleto de prisões irregulares, abusos de poder e atos criminosos praticados por membros da polícia e poder judiciário contra quem buscava defender os réus na época. 
 
“Eu mostro no livro que ditadura no Brasil só acabou para as forças armadas, mas as polícias civil e militar continuavam com os mesmo modus operandi, ou seja, sequestrando e torturando para obter confissões”, afirmou o autor. O livro está à venda por R$ 50 e pode ser adquirido através da Amazon (Kindle), pelo Instagram @betorabellocomenta ou Whatsapp pelo número (81) 995070200, que também é uma chave Pix para pagamento. Confira, a seguir, uma entrevista concedida por Beto ao Diario de Pernambuco: 

DP: Quando e de onde surgiu a ideia de escrever o livro? 

Beto: Resolvi escrever esse livro, pelo menos a 10 anos. Queria mostrar a nova geração de advogados, policiais, promotores e juízes, como era o sistema policial, naquelas décadas. Todos esses casos narrados, participei como advogado, com exceção de um, que fui perseguido por uma promotora de justiça que, usando do cargo, tentou me transformar em acusado, em um inquérito que era apenas testemunha e meu irmão vítima.
 
DP: Como foi o processo de escrita?
 
Beto: Aproveitei a pandemia, para ocupar esse tempo ocioso e colocar em prática um desejo que já tinha à vários anos. Escrevi esse livro com 29 capítulos,  apenas usando a memória. E fiz questão de colocar as matérias jornalistas da época,  para passar credibilidade para os leitores.

DP: Algum capítulo de destaque, mais impactante?

Beto: Quase todos os capítulos são impactantes. Acredito quem lê, não acreditaria se apenas contássemos. Era preciso apresentar fotos e matérias da época. Sofri uma tentativa de sequestro em plena luz do dia, ao sair do meu escritório para impetrar um habeas-corpus,  contra uma prisão ilegal. Naquela época,  após conseguirem me sequestrar,  com certeza iriam me torturar e até me matar. Aqueles delegados da polícia civil, não aceitavam serem contrariados ou muito menos, "afrontados".

Tem um capítulo no livro, que até hoje no país, não tem um caso igual. Uma família de advogados que foram exterminados, por enfrentarem o sistema. Foi um caso tão sério,  que a própria polícia não quis investigar, como o MP e a justiça não tomaram as providências que eram necessárias na época. O livro também trata de situações em que vivi, como, por exemplo, ser traído pelo melhor amigo e meu sócio, que mandou me matar para ficar com meus clientes e meu escritório.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Time de engenheiros se une para montar respiradores 15 vezes mais baratos e salvar milhares de vidas
Manhã na Clube: entrevistas com Marília Arraes, Marcella Salazar e Aurimar Borges Jr
Presidente da Argentina faz ataques xenofóbicos ao Brasil
Manhã na Clube: entrevistas com Tadeu Alencar e Túlio Rangel
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco