Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

VACINAÇÃO

História para duas pandemias: idoso de 115 é vacinado contra a Covid-19 em Paulista

Publicado em: 23/03/2021 14:30 | Atualizado em: 23/03/2021 20:47

Seu Antônio Manoel da Silva, 115 anos, foi vacinado nesta terça em Paulista (Foto: Hesíodo Góes/Esp.DP)
Seu Antônio Manoel da Silva, 115 anos, foi vacinado nesta terça em Paulista (Foto: Hesíodo Góes/Esp.DP)
Um dia mais que especial para Antônio Manoel da Silva, o morador mais velho do município de Paulista, na Região Metropolitana do Recife. Acontece que nesta terça-feira (23), o idoso de 115 anos de idade recebeu a primeira dose da vacina contra a Covid-19, momento que o deixou "satisfeito", como ele mesmo diz, diante do crítico momento de pandemia enfrentado pelo país. 

“O prazer que eu tenho na vida é tomar essa vacina. Minha saúde está toda boa, não sinto nada, e como o que aparecer: batata, jerimum.  Não tem segredo, estou satisfeito", garante o aposentado, que, segundo a Prefeitura de Paulista, não foi imunizado antes por ter sido acometido por uma gripe dias atrás. 

Chegar ao auge da vida centenária, por outro lado, é sinônimo de muitas histórias vividas e contadas, inclusive aos olhos de quem, no início do século 20, encarou outra pandemia, a de Gripe Espanhola, apesar de não recordar seus efeitos no mundo. 

Entre os anos de 1918 e 1920, a Grande Gripe, como também é conhecida, matou mais de 50 milhões de pessoas em todo o mundo. No período, o morador de Paulista tinha 12 anos de idade, e não se recorda da influenza. 

A realidade ainda difícil de lidar gera reflexão ainda maior nos familiares do idoso, que distribui sorrisos e alegria a todos ao seu redor. “É um privilégio para ele chegar a essa idade, é isso que agradeço a Deus todos os dias”, afirma Carlos da Silva, 45, um dos 25 filhos de seu Antônio. 

 (Foto: Hesíodo Góes/Esp.DP)
Foto: Hesíodo Góes/Esp.DP
Sentimento de gratidão também compartilhado por Lucicleide Alves, nora do morador centenário. “Meu sogro tem 115 anos e tomou a vacina contra esse vírus. Ele teve o privilégio de tomar a vacina, que ele queria muito. Tem muita gente assustada, com medo, mas tomem a vacina, para o bem de todos e para combatermos o vírus", ressaltou ela sobre a importância da imunização contra a Covid-19.

A enfermeira e gerente do Plano Nacional de Imunização de Paulista (PNI), Amanda Rangel contou que se surpreendeu quando foi avisada que aplicaria a vacina em um idoso de 115 anos de idade. Para ela, um feito inédito em 15 anos de atuação na rede pública de saúde.

“Foi um prazer muito grande poder proporcionar isso a ele, principalmente com o momento de pandemia que estamos vivendo. A vitalidade e força de vontade que ele tem de viver é ótima, é um exemplo de vida. Às vezes, a gente acorda com medo, vendo tantas pessoas próximas adoecendo. Mas quando olho para esse tipo de situação, vejo que estou aqui para cumprir essa missão”, atesta. 

Inseparáveis

Nascida em Chã de Alegria, na Zona da Mata Norte de Pernambuco, Josefa Guilhermina, companheira de seu Antônio, também está tendo um dia diferenciado. A idosa de 72 anos  é hipertensa, e também foi imunizada contra a Covid-19 nesta terça. “Estou muito contente, porque tenho muito medo dessa doença. Todos os dias vejo ela matando muita gente”, afirmou.  

Seu Antônio e dona Josefa (Foto: Hesíodo Góes/Esp.DP)
Seu Antônio e dona Josefa (Foto: Hesíodo Góes/Esp.DP)
Seu Antônio e dona Josefa estão há mais de 40 anos casados e moram juntos no bairro de Maranguape II há três meses. “Fui para o interior, trouxe ela para o Recife, e até hoje vivo com ela. Não tem aborrecimento, sempre estivemos controlados”, revelou o idoso de 115 anos, ao passo em que mostrava cheio de orgulho a fotografia retirada no Recife no dia em que os dois se casaram. "Eu era bonito quando era mais novo", brinca. 

A vida, no entanto, nunca foi fácil para os dois. Seu Antônio conta que trabalhou muito tempo como carroceiro para alimentar os filhos. “Trabalhei 18 anos de carroça para dar de comer a 18 filhos”. Além dos dezoito - fruto de outro casamento - ele teve mais sete filhos com dona Josefa. Apesar dos contratempos, eles ressaltam que continuam apaixonados um pelo outro, depois de tanta história compartilhada. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
A Justiça está realmente cuidando das crianças no centro de disputas familiares?
Cacique Raoni pede ao presidente dos EUA que ignore Jair Bolsonaro
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 16/04
Carta aberta pede quebra de patentes de vacinas de Covid-19
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco