Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

EDUCAÇÃO

Primeira mestranda indígena do Campus Agreste da UFPE defende dissertação nesta sexta

Publicado em: 12/02/2021 11:46 | Atualizado em: 12/02/2021 12:15

 (Foto: Divulgação/UFPE)
Foto: Divulgação/UFPE
Vai ocontecer, a partir das 14h30 desta sexta-feira (12), a primeira defesa de dissertação de Maria Roseane Cordeiro de Oliveira, a primeira estudante indígena do Campus Agreste da Universidade Federal de Pernambuco (CAA), localizada em Caruaru. A mestranda vai defender o trabalho pelo Programa de Pós-graduação em Educação Contemporânea (PPGEduc), com o tema "A prática pedagógica das/nas escolas xucuru: encontros com a pedagogia decolonial na comunidade-escola". A defesa será apresentada em formato virtual, em decorrência da pandemia da Covid-19.

De acordo com a UFPE, no momento da apresentação, os professores da banca examinadora estarão no CAA, junto ao orientador da pesquisa, o professor do PPGEduc, Saulo Feitosa, enquanto a estudante estará na aldeia xucuru, em Pesqueira, junto a um conselho de representantes indígenas presentes.

Ainda segundo a Universidade, a mestranda estudou na escola indígena na aldeia xucuru, onde reside até hoje. Quando se tornou adulta, se formou em Licenciatura Intercultural Indígena, no CAA, e, hoje, é professora da escola indígena onde estudou quando criança. Após a graduação, fez Especialização em História e Culturas Indígenas, também no Campus do Agreste, e agora está concluindo o mestrado em Educação Contemporânea.

Segundo o orientador Saulo Feitosa, toda a dissertação foi feita com base em autores intelectuais indígenas, trabalhos de conclusão de cursos de indígenas que fizeram 'lato sensu' e especialmente que discutem o pensamento decolonial. "O que significa que discutem exatamente a valorização do conhecimento tradicional autóctone, nativo, criticando a reprodução do conhecimento ocidental", explica. Para tanto, ela trouxe à discussão autores renomados como Aníbal Quijano (Peru), Catherine Walsh (Equador) e Walter Mignolo (Argentina).

O ponto alto do trabalho de Roseane se baseia na defesa de que o povo xucuru possui uma pedagogia própria de ensino, estabelecendo um diálogo entre a pedagogia tradicional e a indígena, alinhando o saber tradicional que é repassado de geração em geração com os saberes que são produzidos fora das aldeias.

Graduação
O curso de Licenciatura Intercultural Indígena foi uma grande conquista do povo indígena e do CAA e formou mais de 300 professores indígenas. A Especialização em História e Culturas Indígenas, por sua vez, formou 110. A reivindicação dos professores é que o curso se torne permanente, para que possa beneficiar ainda mais indígenas. De acordo com a UFPE, a PPGEduc também espera estabelecer um sistema de cotas para negros e indígenas em breve, pois ainda não possui.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Bolsonaro diz não ter briga com a Petrobras
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 24/02
Atividades econômicas proibidas em 63 municípios do Agreste e Sertão
Brasil aprova uso definitivo da vacina da Pfizer, mas imunizante ainda não está disponível
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco