Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

CATÓLICOS

Com críticas sociais, Campanha da Fraternidade é lançada em Pernambuco

Publicado em: 17/02/2021 16:22 | Atualizado em: 17/02/2021 16:31

Encontro ecumênico, no Recife, foi realizado na sede da CNBB, contando com transmissão virtual  (Foto: AOR/Divulgação)
Encontro ecumênico, no Recife, foi realizado na sede da CNBB, contando com transmissão virtual (Foto: AOR/Divulgação)

Com apelos de mais unidade na igreja, acolhendo as diferentes camadas da sociedade, a Campanha da Fraternidade 2021 foi lançada, nesta quarta-feira (17) em todo o país. Em Pernambuco, a iniciativa contou com uma programação na sede da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB NE2), localizada no bairro da Boa Vista, no Recife. Este ano, o trabalho liderado pelos católicos traz como tema “Fraternidade e diálogo: compromisso de amor”. Em tempos de pandemia, o movimento apresenta, também, críticas a negação da ciência e o desrespeito ao distanciamento social. A pauta ainda assinala a problemática da violência contra mulheres, negros, indígenas e pessoas LGBTIQ+.

O ato ecumênico, na capital pernambucana, contou com músicas e até uma roda de ciranda, trazendo uma vertente regional. Os discursos foram breve e alternaram entre representantes de vários grupos cristãos, como batistas, episcopais, luteranos e presbiterianos. A proposta, segundo a direção, é de convidar as pessoas a identificarem caminhos para a superação das polarizações e dos ataques que marcam o cenário atual. “Queremos reunir forças e trazer uma campanha que promova efetivamente a fraternidade. Nós não somos do ódio, da agressão ou da guerra. O que nos identifica deve ser o amor. É algo que deve se fazer presente no diálogo com o estado, com as autoridades, mas também em família, dentro e fora da nossa casa”, ressaltou o coordenador arquidiocesano para o ecumenismo, padre Fábio Santos, que também é pároco das Graças.

Neste ano, a campanha apresenta o lema “Cristo é a nossa paz: do que era dividido, fez uma unidade”, extraído da carta de São Paulo aos Efésios. Desde o seu anúncio, a edição tem sido alvo de polêmicas, envolvendo lideranças e alas católicas mais conservadoras. Por meio das redes sociais, grupos acusam líderes religiosos de terem aderido a supostas pautas abortistas e anticristãs. A visão é rebatida pelos organizadores. “Temos um mundo tão prejudicado pelo preconceito e tantas exclusões, que qualquer movimento que busca a unidade, acaba sendo visto como desnecessário ou radical. Devemos enxergar de outra maneira, estando dispostos a fazer a diferença”, ressalta Artur Campos Ferreira, que representou a igreja Luterana.

Trabalho Social
Entre as ações efetivas da campanha, está a Coleta Nacional da Solidariedade, realizada no Domingo de Ramos, com previsão de ocorrer em todas as comunidades católicas do país. Os recursos, segundo a igreja, serão destinados aos Fundos Diocesanos e Nacional da Solidariedade, apoiando projetos sociais relacionados à temática da campanha. Ainda conforme o movimento, em 2019,  foram distribuídos mais de R$ 3,8 milhões, atendendo a mais de 230 projetos. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Combate à obesidade ganha ainda mais importância no contexto da pandemia
Resumo da semana: explosão de casos de Covid-19 e desdém do presidente
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 05/03
Na pior fase da pandemia, cidades fazem panelaço contra Bolsonaro
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco