Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Entrevista

"Meu medo é que o pai dele é uma pessoa vingativa", diz mãe do menino Carlinhos

Publicado em: 11/02/2021 07:00 | Atualizado em: 11/02/2021 07:33

 (Foto: Sandy James/Esp.DP
)
Foto: Sandy James/Esp.DP
Uma mãe que ficou cinco anos sem ter notícias do filho. Essa foi a realidade que a fisioterapeuta Cláudia Boudoux viveu até reencontrar Carlinhos, 13 anos. O garoto foi levado pelo pai, o advogado argentino Carlos Attias, para passar o Natal de 2015 em Buenos Aires, mas não foi devolvido à mãe. Desde então, Cláudia viajou 10 vezes ao país vizinho na esperança de buscar o menino, que chegou a ficar desaparecido de 2019 e janeiro de 2021. O processo de repatriação começou quando o jovem procurou uma delegacia da capital argentina. A operação teve apoio do Governo de Pernambuco, da Polícia Federal e das autoridades argentinas. Na terça-feira (9), Cláudia pôde finalmente ter seu Carlinhos de volta. Mãe e filho, acompanhados da filha mais velha da fisioterapeuta, chegaram ao Recife num voo marcado pela felicidade. Em entrevista exclusiva, Cláudia conta ao Diario como está sendo a readaptação do menino.

Como foi o momento do reencontro entre você e Carlinhos. O que ele falou? Como foi o voo e como está sendo a readaptação dele em casa?

Na verdade, foi muito confuso. O juiz da Argentina não quis fazer uma aproximação da gente, ele preferiu que nos encontrássemos em São Paulo. Nós viemos no mesmo avião, mas em assentos distantes. Quando chegamos a São Paulo, dois agentes da Polícia Federal retiraram Carlinhos e depois me retiraram, junto com minha filha. Tivemos que entrar no ônibus do aeroporto, onde aconteceu o reencontro. Eu me emocionei muito quando os irmãos se abraçaram. A readaptação dele está sendo melhor que imaginei. No primeiro dia ele não queria falar comigo. Depois disso melhorou e já está muito brincalhão. 

Onde Carlinhos ficou no período em que permaneceu desaparecido, de 2019 até procurar a delegacia?

A gente não sabe ainda. Tanto a psicóloga quanto a minha advogada recomendaram que eu não forçasse Carlinhos a falar. Eu compreendo que o meu papel é recolocá-lo na sociedade. Essa parte da investigação eu deixo com a polícia.

Após cinco anos afastado do Brasil, Carlinhos ainda fala bem o português? Como está a comunicação entre vocês? O que ele mais sentiu falta daqui do Brasil?

Ele não está falando nada (em português), mas entende tudo que nós falamos. De vez em quando eu falo com ele em espanhol para ele se sentir mais a vontade. Assim que ele chegou aqui, pediu guaraná e coxinha.

O que Carlinhos conta do período em que ficou com o pai? Ela era bem tratado? Ia para a escola?

A gente não está tocando nesse assunto. A ideia da gente é mostrar que ele quer ser feliz aqui.

Como você pretende reinseri-lo nesta nova vida? Ele vai para uma escola presencial? Terá apoio psicológico?

Ainda não sabemos como vai ser isso. Estamos esperando alguns dos documentos dele voltarem da Argentina. Ele vai ter apoio psicológico sim, e ontem (terça-feira) já tivemos a primeira sessão. Eu sei que esquecer ele não vai, mas ele está aqui e está feliz.

Você sabe onde está o pai de Carlinhos? O que espera que aconteça com ele agora?

Meu medo com relação ao pai dele é que ele é uma pessoa muito vingativa, mas ele está respondendo processo penal na Argentina e pode pegar 15 anos de prisão. A única coisa que eu queria era que o meu filho aqui. Só espero que eles deixem as crianças crescerem tranquilas.

Como você está se sentindo agora, que finalmente reencontrou seu filho?

Eu estou me beliscando, ainda sem acreditar. Deus é incrível e eu estou muito feliz. Dentro de mim tem uma felicidade enorme. Eu ficava mais frágil e sensível nas datas comemorativas, tinha crises de choro. Abalava-me muito ver as meninas sofrendo (as irmãs de Carlinhos). Também queria poder agradecer a todos que me ajudaram, à minha família e aos meus amigos que me deram forças. Queria agradecer ao meu advogado, Pedro Henrique, ao governo do estado, à Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (que prestou apoio à operação), ao secretário Pedro Eurico e toda a sua equipe. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Bolsonaro diz não ter briga com a Petrobras
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 24/02
Atividades econômicas proibidas em 63 municípios do Agreste e Sertão
Brasil aprova uso definitivo da vacina da Pfizer, mas imunizante ainda não está disponível
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco