Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

TERREIRO

Terreiro de Pai Edson de Omolu recebe visita de secretário de Olinda após passar por episódio de discriminação

Publicado em: 07/01/2021 20:19

 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação
Os terreiros de matriz africana têm um papel fundamental. Eles promovem atividades culturais, sociais e religiosas. Porém, uma das realidades desses locais é o preconceito e discriminação. Localizada em Águas Compridas, em Olinda, a Tenda de Umbanda e Centro Social Caboclo Flecheiro, conhecido como terreiro de Pai Edson de Omolu, foi alvo de invasão nesta quarta-feira (06) - registrada em vídeo pelas câmeras de segurança do local. Por isso, o secretário de Desenvolvimento Social, Cidadania e Direitos Humanos da cidade, Odín Neves, esteve nesta quinta-feira (07) no templo para oferecer apoio aos seus dirigentes.

Não é a primeira vez que o espaço e os membros são vítimas de violência. As ações tiveram início ainda em 2015. Na época, pessoas contra as celebrações tentavam impedir a realização das celebrações, seja agredindo verbalmente os frequentadores do terreiro e o próprio sacerdote. “Vamos reagir para garantir a nossa liberdade de cultuar, vamos dar vez e voz para os nossos espaços”, afirmou Pai Edson de Omolu.

Localizado em Águas Compridas, o espaço oferece gratuitamente cursos de matemática, inglês, reforços para crianças, capoeira e oficinas de percussão. Mais de 50 crianças são atendidas pelo espaço. Atualmente, as atividades encontram-se suspensas devido à pandemia do coronavírus. Além disso, comporta uma Biblioteca Comunitária. Inclusive nesse período da Covid-19, o local já distribuiu mais 1200 cestas básicas e firmou uma parceria privada, realizando a distribuição de 150 cartões de alimentação.

“Repudiamos todo crime de ódio e de racismo religioso, vamos combater esses atos de violência”, assegura o secretário Odín Neves. Estiveram presentes na reunião a coordenadora de Assuntos Religiosos, Alzenide Simões e a coordenadora Étnico Racial, Janacy Mendes e também Ilzenayde Neves, suplente do conselho Étnico Racial de Olinda.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
De 1 a 5: como as mudanças no WhatsApp afetam sua privacidade
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 25/01
Enem 2020: professores do Colégio Núcleo comentam ao vivo as provas deste domingo
Verão inspira cuidados com a saúde e alimentação
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco