Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

TRANSEXUALIDADE

'A mastectomia é algo que salvaria a minha vida', diz estudante ao fazer campanha virtual para procedimento

Publicado em: 04/12/2020 20:49 | Atualizado em: 04/12/2020 21:24

 (Foto: Cortesia)
Foto: Cortesia

“A mastectomia hoje é algo que salvaria a minha vida. Minha vida seria muito melhor", prevê o estudante Byron Albuquerque, de 27 anos. Ele decidiu criar uma campanha virtual com o fim de arrecadar dinheiro para a realização do seu maior sonho: a retirada de mamas. A mastectomia masculinizadora é disponibilizada pelo SUS, porém com a pandemia da Covid-19 o tempo de espera, que pode chegar até mais de cinco anos, aumentou. Isso porque a lista de espera para a realização da cirurgia pelo Centro Integrado de Saúde Amaury Medeiros (Cisam), que acompanha sua transição há mais de dois anos, foi paralisada por causa do novo coronavírus. 

A longa espera fez com que o desejo do estudante de letras se tornasse uma questão de saúde urgente. De acordo com a Associação Nacional de Travestis e Transexuais (Antra), no primeiro semestre de 2020, 89 pessoas transgênero foram assassinadas no Brasil, um aumento de 39% em relação ao mesmo período no ano anterior. Um dado alarmante que quase reverberou na vida de Byron quando subitamente um homem o agrediu enquanto ele esperava uma amiga, na orla de Olinda. 

Além disso, Byron enfrenta as dores do uso constante do binder, uma amarração utilizada como uma forma de diminuição do volume dos seios. Ele conta que a vestimenta causou danos sérios à sua saúde, como a alteração na coluna, queimaduras por conta do atrito entre a pele e o tecido, além de desmaios pela dificuldade de respirar com o objeto.

 

“É horrível respirar, se mexer e andar com ele o dia inteiro por mais de 12 horas. Não tenho o livre arbítrio de escolher as roupas que eu quero usar. São as roupas que eu posso usar”, lamenta o estudante. Ele ainda explica que tarefas básicas no dia a dia de um indivíduo, acabaram se tornando pesadelos em sua vida. “Não posso fazer coisas básicas como usar uma camisa regata, abraçar qualquer pessoa ou até tentar levantar os braços”, comentou Byron. 

Quem quiser ajudar na campanha pode acessar o endereço bit.ly/mastectomiabyron ou doar qualquer valor para a conta:

Agência: 4039

Conta: 01045033-2

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Rede de voluntários faz diferença em Manaus
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão - Algas e fungos
Manhã na Clube com Rhaldney Santos - 22/01
Incêndio em fábrica de vacinas deixa cinco mortos na Índia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco