Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Solidariedade

Técnica em enfermagem pede doações para manter gatil no Ulysses Pernambucano

Publicado em: 22/10/2020 18:46 | Atualizado em: 22/10/2020 19:12

 (Cortesia/WhatsApp)
Cortesia/WhatsApp

A presença de gatos no Hospital Ulysses Pernambucano foi motivo de inspiração, amor e força de vontade para a técnica de enfermagem Adeilda Barros, de 60 anos. Com a enorme quantidade dos bichinhos no local de trabalho, Adeilda resolveu criar um espaço para cuidar e alimentar os felinos. Feito com as próprias mãos, atualmente o local, que em 2020 completou dois anos, abriga mais de 150 gatos. O gatil fica em uma parte do terreno da unidade de saúde, cedida pelo hospital.

"Eu sempre gostei de animais, mas quando eu vim trabalhar aqui no hospital eu via uma área imensa onde as pessoas jogavam lixo e abandonavam vários gatos. Comecei a me incomodar com a situação triste porque nós íamos almoçar e os filhotinhos pediam comida, eram muitos. Foi quando eu decidi cuidar deles. Pedi autorização à gestão do hospital e eles permitiram que eu utilizasse o local. Comprei material, pedi doações e coloquei a 'mão na massa', sozinha", contou a funcionária.

Adeilda informou que recebia ajuda da Prefeitura do Recife na castração dos animais, mas, com a pandemia o auxílio foi suspenso. Atualmente, a técnica em enfermagem precisa de ajuda para alimentar os felinos, que consomem cerca de 200 quilos de ração por mês.

"A minha dificuldade é para alimentar e manter os bichinhos. Eu criei esse gatil para que eles não entrassem no hospital e nem ficassem soltos ou fossem contaminados, e toda semana eu adoto um gato. Não sou uma ONG e nem tenho voluntários, faço tudo sozinha. Eu promovo bazar, peço aos donos de lojas e recebo doações, mas não é o suficiente para manter os gatos. Todo mundo gosta de animais, mas ninguém quer realmente cuidar deles", relatou.
 (Cortesia/WhatsApp )
Cortesia/WhatsApp

Dona Adeilda conta com o amor e determinação das pessoas para que os animais recebam o carinho que precisam. A técnica informa que não recebe animais, e escolhe por si só os seus companheiros. Adeilda pede compromentimento para as pessoas que adotam os bichinhos de rua.

"Precisamos arrumar uma solução e não deixar o problema continuar acontecendo. Temos muitos bichinhos de rua espalhados pela cidade. Os políticos também têm que se comprometer de uma forma que seja boa para os animais", reforça. 

Neste sábado (24), Adeilda realizará um bazar. Para as pessoas interessadas em doar ração ou dinheiro, as informações podem ser encontradas aravés da conta do Instagram @adeilda272 ou através do número (81) 98518-6187. 

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Enem para todos com o professor Fernandinho Beltrão ##275 Mono e dicotiledôneas
Rhaldney Santos entrevista Dr Dimas Antunes
Argentina chora perda de Maradona
Jogadores se despedem de Maradona
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco