Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Verão

Em Boa Viagem, movimento é menor que no final de semana passado e máscaras são pouco usadas

Publicado em: 13/09/2020 12:14

 (Foto: cortesia)
Foto: cortesia
Weruska Ferreira, 26 anos, colocou uma máscara e arriscou passar o domingo na praia, em Boa Viagem, na Zona Sul do Recife. Ao chegar, ficou um pouco receosa com a movimentação de tantas pessoas sem a máscara. Decidiu ficar, mas garantiu que após consumir comidas ou bebidas, logo colocaria a peça de volta no rosto. Diferentemente do final de semana passado, marcado pelo feriadão de 7 de setembro, a orla de Boa Viagem estava bem menos movimentada na manhã deste domingo (13). O comportamento dos banhistas, no entanto, continua o mesmo. Sem respeito ao distanciamento e poucos aderindo à proteção do rosto.

Perto de Weruska, um grupo da Prefeitura do Recife distribuiu máscaras e alertou para a necessidade de manter uma distância de dois metros entre as pessoas. Mais na frente, uma máscara encontrada no chão, ainda no saco da prefeitura, foi logo alcançada por um garoto. No final da manhã, a equipe disse que as máscaras tinha acabado, mas logo iriam repor.

Danielle Medeiros, 29, técnica de enfermagem, foi à praia sem máscara. Ela disse que a dela estava na bolsa e colocaria depois porque a peça borra o batom. “Trouxe logo duas, estão na bolsa”, avisou, acrescentando que tem medo de se contaminar com a Covid-19.

Na areia, a comerciante Fernanda Alencar, 37, disse que o movimento do domingo estava bem menor que no final de semana passado. “Os fiscais estão passando muito por aqui. Pedem para a gente colocar as sombrinhas e cadeiras distantes. Eu coloquei as minhas. Mas as pessoas não estão usando máscara não”, disse, enquanto preparava uma bebida com a máscara no queixo para falar com a repórter. A orientação é manter uma distância de quatro metros entre as sombrinhas e de um metro e meio entre as cadeiras.

Neste domingo, a Prefeitura do Recife destacou cem profissionais da Dircon, Vigilância Sanitária, Guarda Municipal e CTTU para fiscalizar a orla de Boa Viagem e do Pina. No final de semana passado o efetivo foi de 120 agentes públicos. A prefeitura pede a colaboração dos banhistas para fazerem a sua parte e assim evitarem a disseminação da Covid-19.

Noronha - 
Enquanto isso, na Ilha de Fernando de Noronha, 25 turistas de sete estados brasileiros desembarcaram no segundo final de semana após a reabertura da ilha para visitantes que já tiveram Covid-19. Como os voos, por enquanto, são apenas aos sábados, os recém-chegados ficarão por no mínimo uma semana na ilha, aproveitando as belas praias e a natureza exuberante do arquipélago.
 
Na chegada à ilha, todos os passageiros, incluindo moradores e trabalhadores que vieram no mesmo voo, receberam as orientações de segurança para evitar a disseminação do novo coronavírus. Embora já tenham tido a doença, os visitantes também precisam cumprir os protocolos da ilha, como o uso de máscaras e higienização das mãos, além de evitar aglomerações. “A gente sabe que quem já contraiu não transmite a doença pelas vias respiratórias, como alguém infectado, mas pode ser um vetor de transmissão através do contato das mãos em áreas infectadas, repassando para outra pessoa. Então, os cuidados e orientações continuam com todos que estão entrando na ilha”, explicou Carlos Diógenes, coordenador de Vigilância Sanitária da ilha.
 
“Fico feliz que tenham aberto a ilha, mesmo com a restrição. Recebemos informações da companhia aérea de como nos comportar na ilha e também do delegado na pista de pouso. Tudo foi esclarecido. Eu espero descansar, mas também curtir o máximo possível de Noronha”, disse o baiano Hélio Mota, um dos primeiros a desembarcar.
 
Felipe Pan, turista de Curitiba, que viajou com a esposa Karla, disse que é a primeira vez que está visitando Noronha. “A gente espera encontrar bastante beleza e vamos explorar demais a ilha. Estamos com a expectativa grande. Compramos as passagens há três meses, ainda não sabíamos da restrição, mas no final deu tudo certo. Testamos positivo, estamos imunizados. O lado bom é que a gente pôde viajar para um lugar bacana por conta disso.”
 
A reabertura para os turistas está acontecendo por etapas. Neste primeiro momento, apenas pessoas que já tiveram a Covid-19 podem entrar no arquipélago. A comprovação de que o visitante já teve a doença é feita durante o processo de pagamento da Taxa de Preservação Ambiental (TPA), que agora é realizado apenas online, pelo site https://www.sounoronha.com, com um prazo de até 72 horas antes do embarque.
 
Anexado ao pagamento, o turista precisa enviar o resultado do exame, confirmando que já teve a Covid-19. São aceitos dois tipos de resultados: O IgG positivo (sorológico), com exame realizado pelos métodos de quimioluminescência, eletroquimioluminescência ou Elisa imunoensaio, com menos de 90 dias da data do embarque, e o RT-PCR positivo (exame de nariz e garganta), com mais de 20 dias da data do embarque. Testes rápidos não serão aceitos.
 
No primeiro voo após a liberação do turismo, sábado passado, apenas 4 pessoas desembarcaram. Neste fim de semana foram 25 e a tendência é de um grande crescimento desse número nos próximos voos.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Pantanal: o pior incêndio da história
Resumo da semana: escolas seguem fechadas, incêndio no Pantanal e mais leitos de UTI pediátrica
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão #Aulão: tudo sobre botânica
Rhaldney Santos entrevista a oftalmologista Larissa Ventura
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco