Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

ACIDENTE

Após cair de nono andar de prédio, criança de cinco anos morre no Recife

Publicado em: 02/06/2020 18:13 | Atualizado em: 02/06/2020 19:54

 (Tarciso Augusto/Esp. DP Foto)
Tarciso Augusto/Esp. DP Foto
No início da tarde desta terça-feira, um triste acidente encurtou uma jovem vida. Miguel Otávio Santana da Silva, de apenas cinco anos, caiu de uma sacada do nono andar do Píer Maurício de Nassau, um dos prédios das Torres Gêmeas, no bairro de São José, zona central do Recife. A criança, filha de uma empregada doméstica que trabalhava em um dos apartamentos do quinto andar, despencou de uma altura de aproximadamente 35 metros.

De acordo com a polícia, o primeiro atendimento à vítima foi feito pela mãe e por um médico que mora no edifício, no momento ela ainda estava viva. O SAMU chegou a ser acionado às 13:23, mas quando chegou o menino a já estava sendo encaminhado ao Hospital da Restauração, no bairro do Derby, zona central do Recife. Miguel não resistiu e morreu ainda no caminho. 

Segundo o perito André Amaral, do Instituto de Criminalística, as câmeras de vigilância do prédio registraram imagens da criança saindo sozinha do quinto andar do prédio, pegando o elevador e chegando ao nono andar. Na sequência, Miguel teria se dirigido ao hall de máquinas, área comum onde ficam localizados os condensadores dos ar-condicionados daquele pavimento. Esta é a única parte do prédio que não é protegida por telas, e foi de onde a criança caiu.

“Constatamos alguns elementos materiais que mostram que se trata de uma natureza acidental. Os vestígios que encontramos foram no hall de serviço, precisamente na casa de máquinas, na parte dos condensadores de ar-condicionado, onde tinha uma grade que se caracteriza em um tamanho aproximado de 1,2 metro, que é exatamente a altura da vítima. Ela se projetou, fazendo uma elevação nessa instalação”, afirmou o perito André Amaral. "Na grade, que é de alumínio, se percebe que tem uma marca, e houve uma quebra da quarta aleta".

De acordo com a perícia, a porta do nono andar e a janela já estavam abertas quando Miguel acessou o local. "A área de acesso estava aberta, a janela não tinha proteção, mas não era uma coisa comum uma criança ter acesso sozinha aquele trecho”, comenta André Amaral.

 (Tarciso Augusto/Esp. DP Foto)
Tarciso Augusto/Esp. DP Foto
O perito também indicou relatos de que Miguel estaria chamando pela sua mãe antes da queda, mas o aprofundamento nas circunstâncias que levaram a criança até o quarto andar será analisada na investigação policial, que será conduzida pelo delegado Ramón Teixeira, da Delegacia Seccional de Santo Amaro.

“A questão de ele ter subido lá ainda não se sabe, talvez tenha saído, procurando a mãe. Eu sei que ele chegou até o nono andar. Tem imagem dele até o nono andar, ele desce (do elevador) e segue para o hall, exatamente onde tem a parte dos condensadores. No elevador ele estava sozinho. Na casa, só a investigação policial vai dizer mais elementos”.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Músico vence limitações do distanciamento social oferecendo shows particulares por encomenda
Destaques da semana: caso Miguel, Decotelli fora do MEC e retorno do Campeonato Pernambucano vetado
Inscrições para o Vestibular 2020.2 da Unicap vão até 15 de julho
Um mês sem Miguel : tudo que fazia era por ele, diz Mirtes
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco