Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Pandemia

As lições aprendidas - e os erros que voltamos a cometer - da gripe espanhola de 1918

Publicado em: 04/04/2020 13:05 | Atualizado em: 04/04/2020 13:19

A mortandade no ano de 1918 foi considerada pelos estudiosos como "o maior holocausto médico da história". (Foto: Revista Careta/Acervo Fiocruz/Reprodução)
A mortandade no ano de 1918 foi considerada pelos estudiosos como "o maior holocausto médico da história". (Foto: Revista Careta/Acervo Fiocruz/Reprodução)
Em 60 dias, uma pandemia conseguiu deixar um rastro de 35 mil mortes no Brasil. Caixões eram empilhados nos cemitérios por falta de coveiros. Escolas estavam sem aulas. O comércio estava fechado. As ruas, vazias. Os espaços não foram esvaziados por orientação das autoridades sanitárias, como tem acontecido durante a pandemia do novo coronavírus. Não havia pessoas nesses lugares porque elas estavam doentes ou mortas. Apenas no Recife, na época com 238 mil habitantes, 1.250 óbitos foram registrados, ou seja, 0,5% da população morreu em menos de dois meses. O ano era 1918, e o mundo enfrentava a gripe espanhola, até hoje considerada por infectologistas “o maior holocausto médico da história”. O episódio deixou marcas pelo horror, mas também ficaram lições que podem ser aprendidas mais de um século depois.

Historiadores apontam que a epidemia da gripe espanhola – que, apesar do nome, não surgiu na Espanha, mas em um acampamento militar no Kansas, Estados Unidos – chegou ao Brasil pelo Porto de Recife, a bordo do navio português Demerara, em setembro de 1918, “ao que tudo indica vinda de Dakar, trazida por marinheiros brasileiros que prestaram serviço militar na região”, de acordo com os virologistas Hermann Schatzmayr e Maulori Cabral, no livro A virologia no estado do Rio de Janeiro. À medida que os casos aumentavam em número e gravidade, o pânico começou a tomar conta das cidades, que se tornaram cidades-fantasma, com os serviços parando. “Restaram os serviços públicos da área da saúde, totalmente caóticos e sem condições de prestar auxílio aos que os procuravam, pois sequer a etiologia real da epidemia era conhecida”, relatam Schatzmayr e Cabral.

O pesquisador José Cássio de Moraes lembra que a gripe espanhola foi causada, como acontece com o coronavírus, por um vírus até então desconhecido. (Foto: Abrasco/Divulgação)
O pesquisador José Cássio de Moraes lembra que a gripe espanhola foi causada, como acontece com o coronavírus, por um vírus até então desconhecido. (Foto: Abrasco/Divulgação)
O pesquisador José Cássio de Moraes, integrante da Comissão de Epidemiologia da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco) e professor da Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo, lembra que a gripe espanhola surgiu no contexto da Primeira Guerra Mundial. “Em março de 1918, há o registro no acampamento militar no Kansas. Em maio, chega ao leste da África. Em agosto, na França. Em setembro, na América do Sul. O espalhamento foi mais lento no mundo (em comparação com a velocidade da Covid-19) porque os meios de transporte não eram os de hoje”, compara.

Na época da gripe espanhola, já faltavam alimentos em geral, e as populações estavam mais debilitadas. (Foto: Revista Careta/Acervo Fiocruz/Reprodução)
Na época da gripe espanhola, já faltavam alimentos em geral, e as populações estavam mais debilitadas. (Foto: Revista Careta/Acervo Fiocruz/Reprodução)
A historiadora da Casa de Oswaldo Cruz (COC/Fiocruz) e professora de pós-graduação em história das ciências e da saúde, Dilene do Nascimento, ressalta que existia, nesse período, uma fragilidade social. “Já faltavam alimentos em geral, e as populações estavam mais debilitadas. A gripe espanhola foi causada, como acontece com este novo coronavírus, por um vírus até então desconhecido. A evolução de uma epidemia depende do contexto histórico de cada época”, afirma.

A letalidade e a taxa de infecção nos lugares em que chegava, porém, rapidamente cresciam. “Tanto pela propagação do vírus quanto pela dificuldade do tratamento. Nem se sabia que era o vírus da gripe porque ele ainda não havia sido identificado”, diz José Cássio de Moraes. No mundo, mais de 500 milhões de pessoas foram infectadas. Cerca de 50 milhões de óbitos foram registrados. Desses, 30 milhões foram na China, quando 10% da população foi dizimada pela doença. No Brasil, de acordo com Moraes, foram registradas 35 mil mortes. Não há estatísticas precisas sobre quantos foram infectados no país. “De seis a oito semanas, 0,2% da população brasileira morreu. Na época, São Paulo tinha 579 mil pessoas. Dessas, 176 mil foram infectadas em um mês e meio e 5 mil morreram”, afirma o pesquisador.

No Brasil, foram registradas 35 mil mortes em dois meses. (Foto: Revista Careta/Acervo Fiocruz/Reprodução)
No Brasil, foram registradas 35 mil mortes em dois meses. (Foto: Revista Careta/Acervo Fiocruz/Reprodução)
Como no atual enfrentamento à pandemia da Covid-19, a gripe espanhola também causou comoção social. Mas não chegou a ser criado um protocolo de isolamento social como está sendo feito agora. “As recomendações falavam em evitar aglomerações, principalmente à noite. Hoje, sabemos que qualquer aglomeração, de dia ou à noite, importa. Também havia orientação para não fazer visitar, ter cuidados com a higiene. Era recomendado também fazer gargarejo com água e sal, mas isso está descartado, pois não há qualquer evidência científica, em relação à eficácia”, pontua Moraes.  

A demora em entender gravidade do vírus se repete

O principal legado da gripe espanhola para o Brasil, na avaliação da historiadora da Casa de Oswaldo Cruz (coc/fiocruz) e professora de pós-graduação em história das ciências e da saúde, Dilene do Nascimento, foi a criação, em dezembro de 1919, do Departamento Nacional de Saúde Pública (DNSP), que daria maior amplitude aos serviços sanitários federais.

Segundo a pesquisadora, além do desconhecimento sobre a doença, as instituições públicas de saúde eram precárias na época. “No Rio de Janeiro, por exemplo, o diretor de Saúde (Carlos Seidl) demorou muito para tomar medidas. Ele foi demitido e substituído por Theóphilo Torres, que procurou correr atrás e diminuir os danos, mas a epidemia já estava instalada. A transmissão foi tão rápida, que, em dois meses, morreram 15 mil pessoas no Rio de Janeiro”, conta a historiadora.

Em alguns lugares do mundo, a demora em entender a gravidade de um novo vírus que já estava circulando foi um erro repetido em 2020. Na China, até 23 de janeiro só 14% tinham sido identificados. “Hoje, existe a recomendação para ficar em casa. Na época, não houve. Em 1918 não havia pessoas nas ruas não porque houve medida das autoridades de saúde pública. A professora, a diretora, o coveiro haviam morrido. O cenário era dramático. Pessoas não podiam enterrar seus entes e colocavam os corpos na porta de casa para carrocinha passar e levar para enterro em vala comum”, afirma.

Para o chefe do serviço de Infectologia do Hospital das Clínicas (HC) e professor associado da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Paulo Sérgio Ramos, a principal lição deixada por pandemias anteriores é que planos de contingência precisam ser criados tão logo ocorram os alertas da Organização Mundial de Saúde (OMS) para casos de emergência em saúde pública. “O principal erro é que não temos conseguido estabelecer políticas públicas direcionadas às questões sociais. Nesta epidemia da Covid-19, temos observado que a vulnerabilidade social dos grupos de risco, principalmente os idosos, tem sido uma questão que não estamos conseguindo resolver”, observa o infectologista.

Dilene do Nascimento ressalta que epidemias são um problema coletivo e, portanto, a responsabilidade é do estado. “Precisamos aprender que não adianta um indivíduo tomar uma medida. Todos precisam tomar. É efetivamente um problema coletivo. Por ser coletivo, o estado tem que cuidar, resolver e suprir as pessoas para elas não morrerem de fome”, enfatiza a historiadora.

3 perguntas // Paulo Sérgio Ramos, chefe do serviço de Infectologia do Hospital das Clínicas da UFPE

Quais são as semelhanças entre a Covid-19 e outras pandemias do passado?

As diferenças são inúmeras e, em parte, devido a um contexto completamente diferente daqueles em que ocorreram outras pandemias, como a varíola, a cólera, a peste e mais recentemente as gripes pelo vírus A(H1N1). Hoje, temos uma população global muito maior, maior densidade demográfica nos centros urbanos, meios de transporte que permitem facilmente a disseminação de patógenos, inclusive entre continentes, além da questão da comunicação imediata e em tempo real, o que leva a celeridade da informação entre as pessoas. No passado, não havia um conhecimento claro sobre os mecanismos de transmissão das doenças, assim como não havia medicamentos e tão pouco vacinas que pudessem controlar a proliferação dos surtos epidêmicos.

É possível traçar um paralelo entre a gripe espanhola e a Covid-19?

A gripe espanhola ocorreu logo após o período da Primeira Guerra Mundial e, em poucos meses, foi capaz de matar mais de 50 milhões de pessoas, sendo relatada no meio acadêmico como a pior e mais destruidora das epidemias até hoje reportadas, tendo ocorrido entre 1918- 1920. Apenas após algumas décadas, a ciência pôde relacionar aquela epidemia ao vírus Inf luenza A(H1N1). É importante salientar que esse mesmo vírus circula desde 2009, quando ocasionou uma grande epidemia e que, desde então, circula anualmente nos períodos de sazonalidade em todo o mundo. Entretanto, não tem apresentado quadros tão graves como aqueles do início do século passado. Vale ainda salientar que temos uma vacina há vários anos para a prevenção de gripe que protege para três vírus diferentes: A(H1N1), A(H3N2) e B. Estamos no momento em plena campanha vacinal para idosos e profissionais de saúde.

O que podemos aprender com a pandemia atual?

Estamos aprendendo e sairemos muito melhor após esta grave crise em alguns domínios, como o cuidado com a etiqueta respiratória (tossir e espirrar na manga da camisa ou lenço de papel); o cuidado com a higienização das mãos, além de mudança de comportamento de profissionais de saúde que impactarão nas medidas de controle de infecção hospitalar. Estamos também exercendo a empatia e a solidariedade, virtudes que a sociedade tem deixado cada vez mais distante.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
04/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Destaques do dia: Indiciamento por morte de criança, coronavírus reativado e tataravó recuperada
Brasil: produção industrial despenca
Criança cai do 9º andar de edifício no bairro de São José
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco