Diario de Pernambuco
Busca

Solidariedade

Pernambucanos se unem para produzir protetores faciais em impressão 3D contra Covid-19

Publicado em: 27/03/2020 08:00 | Atualizado em: 26/03/2020 18:59

 (Foto: Divulgação/Casa Criatura)
Foto: Divulgação/Casa Criatura
Um grupo formado por empresas, coletivos e pessoas físicas, que possuem impressoras 3D e/ou cortadoras a laser, estão formando uma rede em Pernambuco para produzir equipamentos de proteção individual. O material será doado gratuitamente a instituições de saúde e profissionais que, no exercício de suas atividades, podem eventualmente ter contato com pacientes da Covid-19, como garis e policiais. Inicialmente, a ideia é produzir protetores faciais com lâminas de acetato, que têm se mostrado mais eficientes na proteção contra o novo coronavírus, intensificando a necessidade. Para conseguir produzir em grande escala, o grupo fez duas campanhas virtuais: uma para reunir o maior número de voluntários (pessoas e empresas que tenham impressora 3D e cortadora a laser) e outra para arrecadar dinheiro ou doação de matéria-prima para fabricação dos protetores faciais. 

“Estamos pensando em tecnologia de forma colaborativa. Todomundo que está participando, tem colocado a mão na massa, usando sua própria tecnologia, seu dinheiro, seu equipamento e sua expertise. E toda a produção será doada, de forma gratuita”, reforça o gerente de inovação no Porto Digital, Caio Scheidegger. A ideia inicial é produzir, pelo menos, mil protetores faciais, porque esse equipamento é reutilizável, após o uso, desde que fazendo a devida esterilização. “O design que estamos utilizando para fazer a impressão é da Prusa e foi validado pela Organização Mundial de Saúde (OMS). Esse modelo está sendo mundialmente adotado e pode ser baixado gratuitamente, é open-source”, contou Scheidegger.
 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação

Em Pernambuco, doze grupos de diferentes perfis já se uniram a essa causa, como o IP.Rec, Lab Griô, Porto Digital, Casa Criatura e Coletivo 3D. Mas este número pode crescer. Quem tiver impressora 3D ou cortadora a laser pode se inscrever no https://bit.ly/cadaimpressaocontaPE . “A maioria das pessoas está colocando suas máquinas e mão de obra como doação. Quanto mais parceiros encontrarmos, menos sobrecarregados ficaremos. Gostaríamos de chegar em mil protetores faciais em 15 dias, que foi o número que uma rede similar na Bahia conseguiu produzir. Mas vai depender desse esforço de articulação e negociação”, pontuou Caio. 

Outro grande desafio dos makers é mapear a demanda, ou seja, descobrir quais lugares que estão precisando dos protetores faciais. Para isso, os envolvidos têm solicitado que os interessados também se cadastrem no https://bit.ly/cadaimpressaocontaPE . “É interessante realizar esse cadastro para conseguirmos direcionar as demandas, termos a visão real de quais locais precisam de protetores faciais”, explicou o líder da E-Nable no Brasil, Everton Lins. A E-Nable é uma rede internacional sem fins lucrativos, que existe desde 2014 e atua em 55 países, articulando demanda e doação através da tecnologia em saúde. 

No Brasil, por exemplo, mais de oito mil próteses de membros superiores foram produzidas pelos parceiros da rede e doados a crianças que foram amputadas. “Fizemos uma mudança de foco da atividade enquanto tiver acontecendo a pandemia do novo coronavírus”, justificou Everton. Essa articulação e produção está sendo feita nível nacional porque, com o avanço da Covid-19, mesmo os países desenvolvidos não conseguem dar conta da quantidade de EPI demandado e nem possuem logística para suprir a necessidade. 
 (Foto: Divulgação)
Foto: Divulgação

De acordo com Everton, divulgar a iniciativa também é fundamental. Até agora, poucas entidades em Pernambuco, dos municípios do Recife, Olinda, Paulista e Caruaru se cadastraram para recebimento dos protetores faciais. “Sabemos que há muitas cidades do interior que têm carência de EPIs. Queremos que pessoas e empresas com impressora 3D no interior do estado se cadastrem e ajudem a mapear as instituições do interior de serviços essenciais que possuem essa demanda”, colocou o líder da E-Nable no Brasil. Podem se cadastrar para receber os protetores faciais instituições como Corpo de Bombeiros, Batalhões da Polícia Militar, empresas de limpeza pública, inclusive hospitais da rede privada. “Todas as pessoas jurídicas que precisam do EPI podem se cadastrar. E o parceiro é que escolhe para quem vai doar o material produzido. 

Mesmo quem não tem impressora 3D ou cortadora a laser pode ajudar. É possível fazer doações em dinheiro para a compra das matérias-primas para a produção dos protetores faciais, ou mesmo doar a própria matéria-prima. “Estamos com uma campanha de financiamento coletivo para garantir que vamos atender a demanda para o estado, através do link https://apoia.se/cadaimpressaoconta . As pessoas podem doar os insumos, como os elásticos, os filamentos ou as folhas de acetato, ou dinheiro”, lembrou Caio Scheidegger, do IP.Rec. No caso da E-Nable, a doação só pode ser feita exclusivamente em matéria-prima. O material que tem sido mais difícil de ser encontrado para a produção dos protetores faciais é a folha de acetato. 

Exemplo que vem de casa
 (Foto: Divulgação/Casa Criatura)
Foto: Divulgação/Casa Criatura

Uma das parceiras dessa iniciativa de produzir EPI em impressoras 3D é a Casa Criatura, espaço maker localizado na Rua do Amparo, no Sítio Histórico de Olinda. A empresa, que possui dez impressoras e uma cortadora a laser, já tem fabricado e doado alguns produtos para a Secretaria de Saúde de Olinda, entidade escolhida para entregar as doações. Cinquenta protetores faciais estão saindo do forno para serem destinados à Secretaria de Saúde esta semana. O coletivo também produziu alguns abridores de porta que estão sendo doados na própria comunidade do entorno. 

“Desde o início de fevereiro, estamos com um trabalho de tecnologia e saúde em parceria com a Prefeitura de Olinda. E neste exato momento estamos num processo criativo para desenvolver nossa prototipagem de protetor facial, uma solução local, de forma que permita uma produção em escala. Nosso objetivo é produzir 650 protetores por dia, numa jornada de 8 a 10 horas. Hoje nossa capacidade é de 40 por dia. Por isso, estamos investindo em como melhorar a nossa produtividade”, explicou o idealizador e articulador da Casa Criatura, Isac Filho. 

Para conseguir bancar a produção, que não recebe recursos, o coletivo, que é parceiro da E-Nable e da rede Care Able, também vai fazer uma campanha própria. “Não temos recursos para bancar isso sozinhos. Vamos precisar de um apoio para caminhar com as próprias pernas e bancar custos como aluguel e energia, porque a mão de obra está sendo gratuita”, disse Isac Filho. A proposta da Casa Criatura é, em descobrindo uma produtividade em grande escala, consiga produzir outros artefatos, como máscaras e ventiladores mecânicos. 

Como você pode ajudar?

1 - Divulgando a iniciativa: toda mídia importa, precisamos atingir muitas pessoas!
2 - Imprimindo as peças 
3 - Mobilizando empresas que possam doar o material para impressão e montagem dos equipamentos. 
4 - Doando matéria prima em https://3dfila.com.br/produto/covid-19/ para que grupos parceiros, que usarão o material com responsabilidade, possam continuar  a trabalhar.

Quem pode receber os EPIs?

Instituições de saúde da rede pública e privada
Empresas de limpeza
Empresas de segurança pública
Empresas de infraestrutura

Mais informações: http://e-nablebrasil.org/wp/cadaimpressaoconta/

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
MAIS NOTÍCIAS DO CANAL
Os bancários cobram a reposição da inflação (INPC) mais 5% de ganho real, aumento maior para os vales refeição e alimentação e a garantia de todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho.

Em campanha nacional, bancários realizam paralisações relâmpago para pressionar Fenaban nesta sexta-feira (19)

19/08/2022 às 10h26

De acordo com a Lei Eleitoral (9.504/97), não é permitida a colocação de material de propaganda de qualquer natureza em árvores e jardins localizados em áreas públicas, bem como em muros, cercas e tapumes divisórios.

TRE-PE recolhe 50 bases de bandeiras eleitorais no Recife

19/08/2022 às 09h29

Quatro novos caso de varíola dos macacos são confirmados, em Pernambuco

18/08/2022 às 19h49

Prefeitura, Nações Unidas e ICLEI assinam carta de intenção para avançar na construção de resiliência climática e prevenção de desastres no Recife

18/08/2022 às 18h30

Auxílio Paulista sai nesta sexta-feira (19)

18/08/2022 às 18h07

MPPE promove II Encontro de Segurança Pública, em Triunfo

18/08/2022 às 17h26

Araçoiaba promove festival cana-de-açucar

18/08/2022 às 17h23

Duelo de MCs seleciona neste sábado representante pernambucano para a disputa nacional

18/08/2022 às 17h20

Dia D para imunização de crianças e adolescentes é neste sábado (20/08)

18/08/2022 às 17h18

Igarassu divulga programação de shows da festa de Nossa Senhora da Glória

18/08/2022 às 17h01

Prefeitura do Recife inicia construção do Compaz Ibura

18/08/2022 às 17h00

Saúde do Paulista abre inscrições gratuitas para programa de atividades físicas

18/08/2022 às 16h58

Prefeitura do Recife divulga programação em comemoração à Semana Municipal da Pessoa com Deficiência

18/08/2022 às 16h38

Detran-PE abre mais vagas para primeira habilitação

18/08/2022 às 16h29

Procon/PE encontra produtos vencidos em lojas de produtos pet

18/08/2022 às 16h24

Paulista realiza Dia D de Vacinação contra a poliomielite e multivacinação neste sábado (20)

18/08/2022 às 16h14

No Dia do Ciclista, o Recife aprimora sua estrutura cicloviária

18/08/2022 às 16h03

Morre artista Erisson Luiz

18/08/2022 às 15h59