Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

RISCO

Nem coronavírus, nem chuva impedem recifenses de ir à praia no domingo

Publicado em: 29/03/2020 17:36 | Atualizado em: 29/03/2020 17:36

Banhistas insistiram na praia (Foto: Bruna Costa / Esp. DP)
Banhistas insistiram na praia (Foto: Bruna Costa / Esp. DP)
Em meio ao isolamento social por conta da Covid-19, o Recife amanheceu com chuva neste domingo (29). O clima tinha tudo para diminuir o fluxo de banhistas na praia de Boa Viagem, na Zona Sul, mas as algumas famílias insistiram no lazer e passearam pela orla e pela beira-mar, mesmo enfrentando o risco de infecção pelo novo coronavírus.

O movimento de pessoas fazendo corrida no calçadão ou pedalando também não foi pequeno. Também foi possível observar diversos grupos de amigos, aproveitando para tomar banho de mar. Foi o caso do autônomo Tiago Silva, 20 anos, mora na Imbiribeira, também na Zona Sul. Ele foi com um grupo de seis amigos à Boa Viagem e afirmou achar que tinha muita gente lá.  “Se tivesse o comércio, teria mais gente, mas tem mais do que eu esperava”, afirmou.

“Vim ontem (sábado) e hoje com meus amigos porque já fazia muito tempo que não vinha à praia. Não vi ninguém da prefeitura aqui, tá tudo tranquilo”, disse Tiago. Quanto o coronavírus, o autônomo diz estar preocupado com risco. “Isso é depende da permissão de Deus”, afirmou.

A doméstica Teresa Cristina de Souza, 48 anos, é moradora da Iputinga, na Zona Oeste, e foi à praia com uma neta, de 6, o filho e o genro. Mãe de oito filhos, ela disse que aproveitava a praia porque tinha que ter algum lazer, mesmo com a pandemia. “A gente vai fazer o que dentro de casa? Não tenho medo desse vírus, não”, justificou.
 
Famílias aproveitaram o domingo para passear na praia, contrariando orientações da OMS (Foto: Bruna Costa / Esp. DP)
Famílias aproveitaram o domingo para passear na praia, contrariando orientações da OMS (Foto: Bruna Costa / Esp. DP)
 

Italo Rodrigues, 34 anos, diretor-executivo do Clube Náutico Capibaribe, se disse surpreso com a quantidade de famílias na praia e de gente aglomerada. “Eu vim praticar esportes, como foi permitido, não esperava que tivesse tanta gente aqui hoje. Infelizmente também não vi fiscalização na praia. Não tem como proibir alguma coisa sem fiscalizar”, contou. 

O economista Alberto Gomes, 59 anos, morador das Graças, Zona Norte da capital pernambucana, tomava banho de mar sozinho por volta das 15h do domingo. Ele demonstrou preocupação com o coronavírus e afirmou que estava evitando aglomerações. “É uma doença extremamente séria e altamente contagiosa. Agora, é fácil pedir isolamento para as pessoas mais ricas, moradoras desses prédios daqui de Boa Viagem, ou de onde moro. Cada um vai para o seu quarto e tudo bem. Já os pobres, que moram com várias pessoas, em casas de poucos cômodos, não têm muito o que fazer nessa situação”, lamentou.

“Corri 12 quilômetros hoje, remei 10 ontem. Tento manter minha saúde porque sei que estou no grupo de maior risco. Tenho uma empresa na Várzea, de onde 30 famílias tiram o sustento. Nesse tempo de isolamento, me mudei para o escritório para evitar a máximo o contato com outras pessoas”, continuou Gomes.

Sobre as medidas restritivas, por meio de nota, a Prefeitura do Recife informou à reportagem que as medidas restritivas seguem a orientação da Organização Mundial de Saúde (OMS). “Desde a confirmação do primeiro caso na cidade e o início da necessidade do isolamento social a Prefeitura do Recife já distribuiu mais de 1,5 milhão de cópias de material informativo, em mobilização com diversos setores da sociedade”, afirma o texto.

“No domingo (15), a Prefeitura do Recife anunciou a suspensão das aulas na rede municipal de ensino, a partir da quarta-feira (18), com a garantia da merenda das crianças através da distribuição de kits alimentação. Nesta sexta (27), os kits foram complementados com cestas básicas para as famílias das crianças. Mais 1.2 milhão de kg de alimentos foram distribuídos para a população na ação”, continua a nota.

A Prefeitura também informou que usa tecnologia de georreferenciamento, em parceria com empresa InLoco, para mobilizar 20 carros de som. Os veículos seguem para os bairros que apresentem maior número de pessoas nas ruas, tocando conteúdo informativo sobre a importância de ficar em casa. De acordo com a prefeitura, 200 mil mensagens com informações sobre o isolamento foram enviadas para moradores dessas áreas.

“Em cumprimento dos decretos 48.834/20 do Governo do Estado e 33.552/20 da Prefeitura do Recife, a Diretoria Executiva de Controle Urbano com apoio da Guarda Municipal do Recife tem realizado a fiscalização do comércio na cidade. A ação inclui fiscalização do comércio da, com intensificação nos finais de semana”, termina a nota.

Já o governo do Estado afirma que vem atuando, por meio da Secretaria de Defesa Social (SDS), 24 horas por dia para cumprir as determinações sanitárias de não aglomeração de pessoas. Segundo a assessoria, desde o dia 18 de março o Centro Integrado de Comando e Controle (CICCR) recebeu mais de 14 mil denúncias por meio do fone 190. 

O CICCR integra as polícias Militar, Civil e Científica, além do Corpo de Bombeiros e órgãos municipais e federais. De acordo com o governo, a maior parte das ações são de fechamento de comércio irregular, seguido por aglomeração de pessoas. Depois disso estão bares, restaurantes, utilização de áreas de lazer e missas, cultos e práticas religiosas em grupo.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Resumo da semana: brasileiros vetados nos EUA, Bolsonaro x STF e natimorto com Covid-19
29/05: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
A pandemia em Pernambuco - notícias de 28/05
Ciência e quarentena: você pode ajudar a mapear anfíbios urbanos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco