Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Pesquisa

Laboratório de Imunopatologia da UFPE realiza ações de enfrentamento ao novo coronavírus

Publicado em: 28/03/2020 08:00 | Atualizado em: 27/03/2020 23:15

 (Foto: Ricardo Fernandes/Arquivo DP Foto)
Foto: Ricardo Fernandes/Arquivo DP Foto
O Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (Lika) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) une-se aos gestores públicos no enfrentamento ao novo coronavírus. As principais frentes de atuação do laboratório incluem o auxílio na realização de exames para detecção da doença (Covid-19), com início na próxima semana, além do desenvolvimento de estudos epidemiológicos, integração de plataformas de vigilância bioepidemiológica hiperespectral (satélites, drones e outros sensores) e atividades de telemedicina para monitoramento de pessoas infectadas, trabalhos em andamento desde a semana passada. 

Na próxima semana, começam as atividades para o auxílio nos exames moleculares, que detectam o novo coronavírus, com uso de um sistema robótico. Segundo o diretor do Lika, professor José Luiz de Lima Filho, “o uso dos robôs garante segurança, rapidez e padronização das extrações”. Este trabalho será realizado em associação com o Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco (Lacen-PE) e a empresa Genomika.

Nesta primeira etapa, já foram adquiridas 1.800 reações para extração do material viral. Entretanto, devido à grande demanda mundial, ainda não se sabe o número exato de kits a serem recebidos neste momento. Este primeiro lote de kits foi adquirido com a ajuda do Ministério Público Federal do Trabalho e com recursos próprios do Lika.

Será possível realizar até 600 testes por dia no Lika, a depender da quantidade de insumos disponíveis na ocasião. Segundo o professor José Luiz de Lima Filho, a orientação básica sobre quem será testado virá das autoridades sanitárias do Estado de Pernambuco. A formação desta rede permitirá a identificação mais rápida dos casos positivos de coronavírus de forma a isolar pacientes infectados.

No campo da pesquisa epidemiológica, o Lika já está atuando em uma plataforma multicamada em parceria com o Instituto para Redução de Riscos e Desastres de Pernambuco (IRRD) da Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE). A coordenação das ações do IRRD é de Jones Albuquerque, pesquisador do Lika e professor do Departamento de Estatística e Informática da UFRPE, e de Hernande Pereira da Silva, professor de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto da UFRPE e do Instituto Federal de Pernambuco (IFPE).

Entre as camadas propostas, e em parceria com o consórcio Colab-Epitrack, há a plataforma Brasil sem Corona, na qual, a partir de um questionário detalhado, são gerados mapas de calor sobre risco da Covid-19. “Estes dados foram cedidos pelo consórcio e estão sendo integrados à plataforma do IRRD. Os gestores sanitários do Estado de Pernambuco e da cidade do Recife recebem relatórios consolidados pela plataforma do IRRD em seus informes diários”, explica o professor José Luiz de Lima Filho. 

Diariamente, os pesquisadores do IRRD coletam dados públicos para verificar o andamento e o mapeamento dos casos do novo coronavírus. Eles utilizam modelos matemáticos e espectrais, integrando os dados com o georreferenciamento e sensoriamento remoto por drones e satélites. “Estamos auxiliando os secretários de Saúde a tomar decisões através do mapeamento de casos. Na próxima semana, estaremos em tempo quase real, ou seja, os resultados irão direto para a plataforma de dados, que incluirá também os dados referentes aos testes moleculares realizados”, afirma o diretor do Lika.

Telemedicina

Outra ação em andamento centra-se no uso da telemedicina para orientar o monitoramento de pacientes que estão em isolamento domiciliar e que possuem a infecção. A ideia é desenvolver sensores para uso em rede e drones. Esse trabalho tem participação dos cursos de Engenharia da UFPE, do Centro de Informática (CIn) da UFPE e de pesquisadores da UFRPE, além da ONG Círculo do Coração, que é presidida pela pesquisadora do Lika Sandra Mattos. 

Além disso, a empresa parceira eLife lançou um número de WhatsApp (+55 11 94578.8834) para atendimento remoto feito por médicos voluntários para o público em geral sobre a Covid-19. De acordo com o presidente da empresa, Jairson Vitorino, esse canal tem maior alcance na população de baixa renda. Tudo isso foi doado ao Lika em regime de parceria para a integração dos dados de forma transparente. A Secretaria de Saúde do Estado de Pernambuco e a Secretaria de Saúde do Recife também são parceiras da equipe.

“É muito importante termos no Lika-UFPE uma estrutura capaz de atuar diretamente com os gestores públicos no combate a epidemias. Além disso, a participação dos alunos, pós-doutorandos e pesquisadores é essencial na formação de novos profissionais multidisciplinares. Na verdade, o projeto que o Lika está desenvolvendo é muito mais do que um projeto de pesquisa. É a união entre universidades nacionais e internacionais, como o MIT [Massachusetts Institute of Technology, nos Estados Unidos] e UCL [University College London, na Inglaterra], empresas, ONGs e governo para a realização de uma ação conjunta no enfrentamento à Covid-19”, finaliza José Luiz de Lima Filho. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Resumo da semana: brasileiros vetados nos EUA, Bolsonaro x STF e natimorto com Covid-19
29/05: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
A pandemia em Pernambuco - notícias de 28/05
Ciência e quarentena: você pode ajudar a mapear anfíbios urbanos
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco