Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

FEMINICÍDIO

De acordo com a polícia, Leandra Gennifer ainda segurava o filho quando foi assassinada

Publicado em: 11/02/2020 13:21 | Atualizado em: 11/02/2020 15:17

 (Foto: Leandro de Santana / Especial DP )
Foto: Leandro de Santana / Especial DP
De acordo com o delegado do Departamento de Homicídios e Proteção a Pessoa, Silvio Romero, foram encontradas marcas de briga no local onde a fotógrafa Leandra Gennifer foi morta na manhã do último domingo (9), na Madalena. Até o momento, o principal suspeito do crime é Raphael Cordeiro Lopes, de 32 anos, com quem a jovem mantinha um relacionamento e tinha um filho de um ano. 
 
Raphael está foragido, mas entrou em contato com a família de Leandra na manhã da última segunda-feira, quando aconteceu o sepultamento da mesma. Nas mensagens, o rapaz afirma que tudo não passou de um acidente. Fato que não foi confirmado em perícia. "Foram encontrados móveis desalinhados e marcas de sangue com arrastão na parede", explica o oficial. "A vítima tinha lesões nas costas causadas por agressões. Tudo isto indica que houve uma contenda."
 
De acordo com o DHPP, a briga entre Leandra e Raphael teria começado ainda fora de casa e a fotógrafa estaria deixando o marido quando foi atacada. "Ele estava usando drogas no show, ela não gostou. Eles brigaram e ela decidiu ir embora mais cedo. Nas investigações descobrimos que Leandra foi buscar o filho, que estava com uma amiga, às 5h da manhã, ainda sozinha. Com medo que ele estivesse esperando em sua casa, pediu para que a moça a acompanhasse. Quando as duas mulheres e a criança chegaram ao local, não encontraram Raphael, achando que Leandra estava segura a amiga foi embora, mas ele estava escondido", explica o delegado.
 
Segundo Romero, Leandra estava indo arrumar as suas malas e a do filho quando foi surpreendida por Raphael. "Quando ele retornou a casa da babá da criança, tanto Raphael quanto o bebê estavam cobertos de sangue, o que indica que a criança estava muito próxima da mãe quando ocorreu a violência. Tudo indica que ainda estava no seu colo."
 
O inquérito sobre a morte de Leandra está passando da DHPP para a Delegacia do Cordeiro, onde deve ficar a cargo de Gustavo Godoy. Até o momento, não se sabe o paradeiro de Raphael. 
 
 
Entenda o caso
 
Após voltar do bloco carnavalesco De Bar em Bar, em Olinda, na madrugada de domingo (9), Raphael, que estava em um relacionamento com Leandra há três anos, teria engatado em uma briga por ciúmes. Leandra havia deixado seu filho com uma amiga para ir à festa com o seu marido. Por volta das 6h, Raphael teria aparecido na casa da moça que cuidou o bebê afirmando que “tinha feito uma besteira”.

De acordo com a amiga, Raphael relatou que brigou com a vítima na frente do filho, sacou uma arma e acertou “acidentalmente” em Leandra. A mulher ainda foi socorrida por um vizinho e a amiga, que tentaram a levar de carro até o Hospital Getúlio Vargas, mas a vítima não resistiu e morreu no caminho.

O Instituto de Criminalística (IC) foi até a residência onde houve o crime realizar perícia. De acordo com os peritos, dois disparos foram efetuados. Um tiro atingiu Leandra e uma outra bala ficou alojado na parede. Para a polícia, esse fato contradiz o argumento do suspeito, de que o tiro teria sido acidental. 
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Resumo da semana: adolescente trans ganha novo registro, chacina em Ipojuca e alívio na pandemia
Enem para todos com professor Fernandinho Beltrão
OMS descarta transmissão da Covid-19 por alimentos
Suspeito de assassinar blogueiro e filho adolescente em Rio Formoso se entrega
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco