Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Desastre ambiental

Vazamento de petróleo pode continuar atingindo praias por tempo indeterminado

Publicado em: 20/10/2019 15:05 | Atualizado em: 20/10/2019 17:20

Foto: Reprodução/Instagram. (Foto: Reprodução/Instagram.)
Foto: Reprodução/Instagram. (Foto: Reprodução/Instagram.)

Em coletiva de imprensa realizada na tarde deste domingo (20), a Marinha informou que ainda não é possível determinar por quanto tempo as ocorrências de óleo no litoral nordestino irão persistir. Até o momento, já foram coletadas aproximadamente 525 toneladas de petróleo. O óleo cru já atingiu cerca de 2.250 quilômetros de extensão da costa desde setembro.

De acordo com o Comandante de Operações Navais, Almirante Leonardo Puntel, o óleo não foi originado no Brasil, nem extraído nas nossas plataformas. Há uma possibilidade de tervindo do Oceano Atlântico, porém o local exato ainda não foi identificado. 
Foto: Bruna Costa/DP

Instituições estrangeiras, como a Organização Marítima Internacional, Guarda Costeira dos EUA e a Administração Nacional Oceânica e Atmosférica do Departamento de Comércio dos EUA trabalham em conjunto a órgãos federais, estaduais e universidades para analisar amostras do material e dar continuidade as investigações. 

Manchas aparecem nas praias de Suape, Cupe e Paiva. "Não temos a previsão do fim disso que está acontecendo. Estamos trabalhando junto ao Ibama, a Defesa Civil e vários órgãos parceiros", comentou o secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti. No que diz respeito as ações futuras, Bertotti comentou que a ideia é conseguir colocar barreiras em todas as portas e estuários. Atualmente, a demanda está restrita ao Litoral Sul.

De acordo com o Ibama, as barreiras colocadas para conter o avanço do óleo não têm demonstrado efetividade. Por isso, tem buscado uma tecnologia mais aprimorada para esses casos, já que o petróleo é denso e navega abaixo da superfície, dificultando a detenção da mancha por radares. Sobre a previsão, o órgão informa que a presença de corais e arrecifes dificultam o trabalho, uma vez que o óleo 'gruda', se fragmenta e volta à costa quando a maré enche. 

A Defesa Civil alertou a população sobre o risco de contaminação do óleo. Segundo o órgão, será disponibilizado EPIs necessários, como luvas em PVC e botas, para os voluntários que estão em mutirões de limpeza. Todo o material coletado está sendo levado para o descarte no Centro de Tratamento de Resíduos, em Igarassu. 

Plano nacional 

Neste domingo, em resposta a ação ajuizada pelo MPF, foi deferida a liminar que obriga a União a acionar o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob Jurisdição Nacional. Em caso de descumprimento, será aplicada uma multa diária de R$ 1 milhão. As informações foram dadas pelo secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti. 

Diante disso, o secretário falou sobre a dificuldade e os gastos do governo estadual. 'Penso que o plano nacional pudesse ser mais articulado. Muitos equipamentos estão demorando para chegar e, até o momento, não houve nenhum repasse federal', ressaltou. 


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Segundo turno em PE: João Campos é eleito prefeito do Recife
Polícia Federal caça responsáveis por tentativa de ataque ao sistema do TSE
Apesar de empate em pesquisas, João Campos confia em vitória
Marília Arraes tem agenda intensa no dia que decide a eleição no Recife
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco