Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Local

Educação

Escola municipal de Olinda recicla jeans e ensina sustentabilidade

Publicado em: 21/10/2019 12:15 | Atualizado em: 21/10/2019 12:20

Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP.


As calças, jaquetas e vestidos jeans sem uso de pais, professores e funcionários da Escola Municipal Hélio Ferreira Maia, em Olinda, viraram estojo, avental, tapete, tiara e porta-moedas pelas mãos de um grupo de estudantes do quarto ano do ensino fundamental. Com o objetivo de incentivar o uso consciente da água e estimular práticas de reaproveitamento e reciclagem, a professora Cássia Silva criou um projeto para ensinar artes, linguagens, ciências, história e geografia por meio de peças que estavam sem uso nos armários.

A ação teve início em setembro, quando os 19 estudantes da turma, com idades entre 9 e 12 anos, começaram a participar de uma campanha da escola para a doação de peças jeans antigas. Com o material doado, a professora passou a discutir temas de diversas disciplinas. “Trabalhamos gêneros textuais em linguagens por meio de documentários e textos sobre o assunto. Em matemática, eles aprenderam medidas. Sustentabilidade foi um tema trabalhado em ciências da natureza. As habilidades artísticas e a criatividade deles vieram à tona nas aulas de artes”, pontuou Cássia.

No fim deste mês, uma feira de empreendedorismo será a culminância do projeto, que envolveu toda a comunidade acadêmica. “Avós, mães, funcionários da escola, professores, gestão e alunos estiveram envolvidos em todas as etapas”, disse a professora. Mais do que nortear os alunos, a ação teve o objetivo de sensibilizar as famílias sobre a responsabilidade de cada um em relação ao meio ambiente.

“O projeto apresentou de maneira envolvente, criativa e divertida temas como reciclagem, preservação dos rios e mangues, por meio de oficinas e palestras. Assim, os alunos puderam ressignificar suas percepções de mundo. As crianças protagonizaram o próprio aprendizado, aliando a teoria e a prática e experimentando o conhecimento”, destacou a gestora da escola, Ana Paula Severo.

Os resultados do projeto surgiram antes da conclusão. Professora e gestão escolar perceberam que os estudantes tiveram ganhos significativos em relação à autonomia, responsabilidade, solidariedade, respeito ao bem comum e ao meio ambiente. “A gente transformou em estojo, avental, colete e porta-objetos os jeans que não podiam mais ser vestidos, mas doamos os que ainda estavam bons. Ajudar outras pessoas foi a parte mais legal do projeto”, disse o estudante Renato Guilherme Pereira, 10 anos.

IMPACTO

Do plantio do algodão ao descarte do consumidor, período que dura uma média de cinco anos, cada calça jeans consome 5.196 litros de água, de acordo com o estudo Pegada Hídrica, produzido a partir de uma parceria entre a Vicunha Têxtil; o Movimento Ecoera e a consultoria H2O Company. A fase de plantio do algodão é a que mais usa água. São mais de 4,2 mil litros por peça fabricada. A tecelagem e a limpeza são ainda mais prejudiciais ao meio ambiente.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Filas e aglomeração em frente a agências bancárias
A pandemia em Pernambuco -  destaques de 31 de Março
Boas iniciativas para praticar a solidariedade na quarentena
O cotidiano em Areias, bairro do Recife com a primeira morte por coronavírus no Nordeste
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco