Violência Homicídios caem pelo 21º mês seguido em Pernambuco

Publicado em: 16/09/2019 11:41 Atualizado em:

Feminicídios caíram 50% em relação a agosto em 2018, segundo dados oficiais. Foto: Djair Pedro/Divulgação
Feminicídios caíram 50% em relação a agosto em 2018, segundo dados oficiais. Foto: Djair Pedro/Divulgação
A Secretaria de Defesa Social informou, nesta segunda-feira, que agosto de 2019 teve menos homicídios em relação ao mesmo mês de 2018 e tornou-se o 21º mês consecutivo de redução dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLIs) em Pernambuco. A série descendente começou em dezembro de 2017. Somando os oito primeiros meses deste ano, em relação ao mesmo período de 2018, a retração das mortes chegou a 21,8%, caindo de 2.913 ocorrências, em 2018, para 2.276, neste ano (diferença de 636 a menos). Com 275 CVLIs, -4,2% em relação a agosto de 2018 (287), o mês passado foi, na série histórica, o agisto menos violento em 5 anos. Ficou acima apenas do oitavo mês de 2014, quando houve 250 crimes contra a vida.

Destacaram-se ainda, na análise do mês, a diminuição de 50% nos feminicídios. Em agosto de 2019 houve 3 casos, contra 6 em agosto de 2018. O mês passado foi, junto com fevereiro deste ano, o que menos teve menos mulheres mortas pela condição do gênero. No acumulado do ano, a diminuição chegou a 22,9%, caindo de 48 registros, entre janeiro e agosto de 2018, para 37 neste ano. Ainda no somatório dos oito primeiros meses de 2019, a redução dos homicídios de mulheres chegou a 19,2% em relação à mesma parcela de tempo do ano anterior: caiu de 167 no ano passado para 135 este ano (diferença de -32 mortes).

Os estupros também apresentaram redução em agosto. Ao todo, foram 173 ocorrências notificadas no mês passado, contra 231 no de 2018, isto é, -25,11%. No consolidado do ano, a queda é 16,48%, caindo de 1.827, nos oito primeiros meses de 2018, para 1.526, no mesmo período de 2019. Ainda em agosto, as polícias pernambucanas registraram menos queixas de violência doméstica contra a mulher. Ao todo, foram 3.028 denúncias registradas, no último mês, contra 3.376 notificadas em agosto de 2018, ou seja, declínio de 10,31%.

“A violência contra a mulher costuma ser silenciosa por ocorrer, na maioria das ocasiões, dentro dos lares, praticada por companheiros ou pessoas muito próximas. Cabe ao poder público promover a conscientização e colocar os serviços de proteção mais perto das mulheres. No ano passado, entregamos a nova sede da Delegacia da Mulher do Cabo e inauguramos uma nova unidade em Afogados da Ingazeira, referência para o Pajeú. Vale ressaltar o trabalho da Patrulha Maria da Penha da PMPE, vigiando e cuidando das  mulheres com medida protetiva concedida pela Justiça, e das unidades do IML, descentralizadas e regionalizadas desde o ano passado. Perícias e exames, como o sexológico e o traumatológico, têm sido fundamentais para a devida identificação e punição dos agressores. Mas é preciso que a sociedade também se mobilize, ajude a coibir e denunciar. Não dá pra aceitar ou fazer vista grossa. Estatísticas mostram que, sem a intervenção das autoridades, esse tipo de agressor mantém e avança no comportamento violento até chegar ao fato mais dramático, que é o feminicídio", disse o secretário de Defesa Social, Antonio de Pádua.

Em agosto de 2019, 107 municípios pernambucanos, além do distrito de Fernando de Noronha, não registraram nenhum homicídio. A lista inclui Afogados da Ingazeira, Araçoiaba, Araripina, Belém de São Francisco, Bom Jardim, Cabrobó, Chã Grande, Custódia, Floresta, Ibimirim, Itapissuma, Nazaré da Mata, Pesqueira, Salgueiro, Santa Cruz do Capibaribe, São José da Coroa Grande, São José do Egito, Sertânia, Surubim, Taquaritinga do Norte e Triunfo. Outros 20 municípios, além de Fernando de Noronha, não registraram nenhum homicídio em 2019:
Alagoinha, Cabrobó, Calçado, Cedro, Cumaru, Dormentes, Granito, Itacuruba, Palmeirina, Salgadinho, Saloá, Santa Terezinha, São Benedito do Sul, Serrita, Terezinha, Triunfo, Tupanatinga, Vertente do Lério e Xexéu.


Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.