Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Digital Digital Digital Digital
Digital Digital Digital Digital
Notícia de Local

Obra

Aumenta número de ambulantes permitidos na nova Conde da Boa Vista

Publicado em: 17/09/2019 07:42 | Atualizado em: 17/09/2019 19:23

Prefeitura prossegue implantando as novas paradas de ônibus, em metal e vidro temperado. Foto: Tarciso Augusto/Esp. DP FOTO

As obras de requalificação da Avenida Conde da Boa Vista estão previstas para acabar em novembro de 2020, mas este prazo pode ser antecipado, caso o serviço continue no ritmo atual.

O projeto foi dividido em seis etapas. A Prefeitura do Recife conseguiu concluir as duas primeiras dois meses antes do esperado. Assim, foi possível antecipar a terceira etapa, prevista para ser entregue em até 180 dias. Outra mudança é quanto ao número de ambulantes que poderão trabalhar na avenida, passando dos 40 previstos inicialmente para 100.

A parte três do projeto compreende a construção da Estação Hospício do BRT, perto do Atacado dos Presentes, e a recuperação dos trechos da avenida que cruzam as ruas José de Alencar e da Soledade (sentido subúrbio/cidade) e da Soledade e Osvaldo Cruz (sentido cidade/subúrbio).

Os 100 ambulantes irão ser abrigados em 50 quiosques, a serem instalados pela Autarquia de Manutenção e Limpeza Urbana do Recife (Emlurb) nas calçadas da avenida. Será um quiosque para dois comerciantes informais. Detalhe: somente produtos secos serão admitidos. Alimentos, não.

O número de ambulantes permitidos aumentou, mas não se compara à quantidade estimada pela Associação do Comércio Informal do Recife (cerca de 400) para a avenida. A limitação em 100 pessoas é baseada no cadastro feito pela prefeitura em 2014, que contabilizava 94. “Há o cadastro da prefeitura e o do sindicato. Vamos unificar ele em 15 dias, para definir quem vai ficar com os quiosques. E esse equipamento planejado não é um imprensadinho, cabe dois”, detalha o secretário de Mobilidade e Controle Urbano da capital, João Braga.

Um protótipo do quiosque está instalado no cruzamento da Conde da Boa Vista com a Rua da Aurora. “Tivemos um diálogo extremamente produtivo com todos os atores envolvidos, como universidades e o sindicato da categoria. E chegamos no consenso de um equipamento”, explica o presidente da Emlurb, Roberto Gusmão.

Protótipo do quiosque que abrigará dois ambulantes está instalado no cruzamento da avenida com a Rua da Aurora. Foto: Bruna Costa/Esp. DP FOTO
Duas etapas do projeto serão deixadas para serem executadas no final da requalificação, por serem mais complicados: os trechos entre as ruas Gonçalves Dias e da Soledade e entre a José de Alencar e a Gervásio Pires, ambas no sentido subúrbio/cidade. Neles há uma presença ostensiva de comércio informal.

Um dos destaques do projeto são as paradas de ônibus, basicamente em vidro temperado. Em reportagens anteriores, o Diario de Pernambuco mostrou que o público aprova o equipamento, mas receia a depredação. Para reprimir o vandalismo, serão instaladas câmeras da própria Emlurb na via. “As câmeras serão compartilhadas com a Secretaria de Defesa Social e a Guarda Civil”, explica Roberto.

Foram entregues 10 paradas de ônibus, 10 faixas de pedestres (4 comuns e 6 elevadas), 15 lixeiras e 52 postes de iluminação, com lâmpadas de LED, além de 24 árvores e 38 floreiras. “Eliminamos pontos críticos com nova drenagem, aumentamos a largura das calçadas. Já gastamos em torno de R$ 3 milhões, dos R$ 15 milhões previstos”, detalha.

Nas ruas, a população espera resultados efetivos da nova avenida, como o estudante Joerbson Calixto, de 22 anos. “Até o momento, essas obras não me atrapalharam. Acho que, no final, tudo vai melhorar. Eu espero”, comenta.


Trânsito
Quando a nova Conde da Boa Vista for concluída, não dará mais para o carro comum andar direto pela avenida. A presidente da Autarquia de Trânsito e Transporte (CTTU) explica que só será permitido o veículo andar por uma quadra - entrou por um canto, sai por outro. Exemplo: se uma pessoa entrar na via pelo Derby, no sentido, subúrbio/cidade, terá que sair pela Rua Gonçalves Maia.

“Não há restrição total, mas o projeto visa o benefício direto ao pedestre e ao transporte público, que representa 90% das pessoas que circulam por lá. O número de pessoas que vão de automóvel é de 10%”, justifica Taciana, que também explica a ausência de ciclofaixas na nova configuração da avenida: “Não dá por causa da restrição da calha viária e, principalmente, porque a prioridade ficou para o transporte público. Mas há uma nova rede cicloviária, que irá interligar Santo Amaro até a Ilha do leite, que deve ser implementada até dezembro”.

Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Brasil: produção industrial despenca
Criança cai do 9º andar de edifício no bairro de São José
03/06: Manhã na Clube com Rhaldney Santos
Destaques do dia: criança morre ao cair de prédio, #BlackOutTuesday e pandemia
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco