Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Local

Acessibilidade

Capacitação qualifica PMs para abordagens às pessoas com deficiência

Publicado em: 11/07/2019 16:27 | Atualizado em: 11/07/2019 16:38

Foto: SDSCJ/Divulgação.
Para promover a inclusão social e estimular práticas adequadas nos procedimentos policiais às pessoas com deficiência, a Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, por meio da Superintendência de Apoio à Pessoa com Deficiência (Sead), reuniu comandantes e instrutores das polícia Militar e Civil em uma capacitação sobre convivência e atendimento às pessoas com deficiência. A qualificação esclareceu as terminologias adequadas e inadequadas, os tipos de deficiências e formas de tratamento, além de ensinar palavras e expressões da Língua Brasileira de Sinais (Libras) que são usualmente utilizadas em abordagens policiais.

O superintendente da Sead, Edimilson Silva, pontuou que momentos como este são fundamentais para levar conhecimento e ajudar a quebrar paradigmas no intuito de propiciar uma sociedade mais igualitária. “A Sead desenvolve um papel de incentivar a aproximação com às pessoas com deficiência, eliminando as barreiras que foram criadas, seja de comportamento ou de comunicação”, afirmou.

O gerente de Capacitação da Secretaria de Defesa Social (SDS), coronel Fernando Correia, ressaltou a importância de aprofundar o conhecimento e desenvolver as ações que permitam repassar as informações para todas as esferas da Polícia. “É necessário que as informações estejam consolidadas, por exemplo, em formato de cartilha para que mais policiais tenham acesso ao assunto e aumentem a qualidade das operações”, pontuou.

Para o chefe da Unidade de Ensino de Academias Integradas da Defesa Social, major Benôni, a capacitação vai ajudar os comandantes e instrutores a gerar um pensamento crítico em suas tropas e em novos policiais que estão em treinamento e formação.

“Existem várias peculiaridades e características na abordagem às pessoas com deficiência e a partir das próximas práticas pedagógicas acreditamos que todos esses instrutores que participaram da sensibilização poderão criar novas modalidades de exercícios e treinamentos para que os novos policiais vivenciem todas as possibilidades de abordagem”, destacou.
Os comentários abaixo não representam a opinião do jornal Diario de Pernambuco; a responsabilidade é do autor da mensagem.
Sobre Vidas: Nivia e o empoderamento de mulheres no Coque
DP Auto na Tóquio Motor Show - Tudo sobre a Nissan
Sérum, pele natural, sombras coloridas e blush cremoso
Lula: sou um homem melhor do que aquele que entrou na cadeia

Resistência nordestina em cartaz

Diego Rocha *
Celebrando a resistência da arte nordestina e a arte nordestina de resistir, o 21º Festival Recife do Teatro Nacional está em cartaz na cidade para confirmar a vocação de um povo à resiliência e à criatividade. Até o próximo dia 24, a programação montada com muita assertividade pela Prefeitura do Recife irá apresentar 12 espetáculos em vários teatros da cidade, entre eles seis montagens nacionais jamais vistas na capital do Nordeste.
Mas não está toda no ineditismo a urgência que esses espetáculos carregam. Mas também e principalmente na referência e reverência que muitos fazem à estética e às temáticas fincadas no árido solo fértil do Nordeste. Alguns textos, como o da montagem Ariano %u2013 O Cavaleiro Sertanejo, da companhia carioca Os Ciclomáticos sequer foram produzidos no Nordeste. Mas sabem, bebem e comungam do povo que somos. Foram buscar inspiração em autores ensolarados como Ariano Suassuna e os tantos tipos e símbolos que ele fundou e transportou do imaginário nordestino para o mundo.
Há na programação citações ainda mais explícitas à nossa produção teatral. Parido do punho do próprio Ariano, em carne e pena, o clássico Auto da Compadecida chega ao Festival com sotaque mineiro, numa belíssima montagem do Grupo Maria Cutia, com a direção cênica precisa e sensível de Gabriel Villela, que conseguiu unir a cultura do cangaço pernambucano ao barroco mineiro, sem sair da trilha aberta pelo Movimento Armorial de Ariano.
São montagens que nos representam e, ao mesmo tempo, nos apresentam a nós mesmos, além de nos hastear bandeira a congregar territórios artísticos, afetivos e cívicos, num país assombrado e repartido por um projeto de poder excludente. Em cima e embaixo dos palcos, durante e depois do 21º Festival Recife do Teatro Nacional, que a arte e a força nordestina persistam farol aceso a nos guiar.

* Presidente da Fundação de Cultura Cidade do Recife

Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco