Diario de Pernambuco
Diario de Pernambuco
Notícia de Local
Educação Pernambucanos mostram suas ideias na Olimpíada de Língua Portuguesa

Por: Anamaria Nascimento

Publicado em: 20/02/2019 23:41 Atualizado em:

Francisco foi finalista em 2014 e agora voltou ao evento como um exemplo. Foto: Anamaria Nascimento/DP
Francisco foi finalista em 2014 e agora voltou ao evento como um exemplo. Foto: Anamaria Nascimento/DP
O pernambucano Francisco Quirino, 18 anos, lembra com carinho do dia em que recebeu a notícia de que era um dos finalistas da Olimpíada de Língua Portuguesa em 2014. Ele tinha 14 anos e estudava no nono ano do ensino fundamental na Escola Municipal Dom Mota, em Afogados da Ingazeira, Sertão do estado. Quatro anos depois, formado no ensino médio e aprovado em gestão de políticas públicas na Universidade de Brasília (UnB), o estudante voltou a representar a Olimpíada. Desta vez, como exemplo de sucesso para estudantes de todo o país. Nesta quarta-feira, Francisco participou do lançamento da Olimpíada de Língua Portuguesa, promovida pelo Ministério da Educação (MEC) e pelo Itaú Social, em São Paulo. As inscrições para o concurso começaram ontem e vão até 30 de abril. Podem participar escolas, professores e estudantes de todo o Brasil, do quinto ano do ensino médio ao terceiro ano do ensino fundamental.

A Olimpíada de Língua Portuguesa acontece a cada dois anos e está na sexta edição. Para um estudante participar, é preciso que as secretarias de educação - estaduais ou municipais - façam uma adesão online para que as inscrições dos professores das respectivas redes de ensino sejam validadas. As redes de Pernambuco e do Recife participam da iniciativa. Depois, os professores, com a autorização dos diretores escolares, fazem uma inscrição online por uma ou mais unidades de ensino onde lecionam. A terceira etapa é a realização de oficinas nas escolas. Os professores inscritos ensinam sobre produção textual, seguindo o tema do concurso, que é, desde a primeira edição, “O lugar onde vivo”. A quarta e última fase consiste nas etapas de seleção, onde comissões julgadoras - escolares, municipais, estaduais, regionais e nacional - escolhem os textos.

Na etapa regional, 569 estudantes semifinalistas e seus professores viajam juntos a uma capital brasileira, onde participam de atividades culturais e de formação. Já os 32 alunos vencedores ganham medalha e viagem para uma cidade do país, acompanhados de monitor. Os 20 melhores professores ganham medalha e uma semana de imersão pedagógica internacional. As 20 respectivas escolas recebem placa de homenagem e acervo para a biblioteca escolar.

As categorias de inscrição são Poema (para alunos do quinto ano do fundamental) Memórias Literárias (sexto e sétimo anos), Crônica (oitavo e nono anos), Documentário (primeiro e segundo anos do ensino médio) e Artigo de Opinião (terceiro ano do ensino médio). “Incluímos a categoria documentário nesta edição para nos alinharmos à BNCC (Base Nacional Comum Curricular), que estimula o uso de tecnologias e multimeios”, explica a superintendente do Itaú Social, Angela Dannemann.

A coordenadora de Valorização, Saúde, Bem-Estar dos Profissionais de Educação do MEC, Mara Ewbank, ressaltou que o tema da Olimpíada estimula a reflexão local e valoriza a interação com as comunidades. “Outro fruto é que os projetos exitosos de professores inscritos podem ser replicados em todo o país. Uma rede é criada, e o trabalho do professor é valorizado”, afirma. Quando se inscrevem, os professores enviam também seus projetos didáticos.

Para Francisco Quirino, a Olimpíada é uma oportunidade rara para desenvolver habilidades de leitura e escrita. “Meus pais não têm o ensino fundamental completo, mas sempre me incentivaram a estudar. Na escola, pude ter as chances que eles não tiveram, e a Olimpíada foi uma delas”, conta o finalista da edição de 2014 na categoria Crônica. Prestes a começar a estudar em uma das principais universidades públicas do país, em Brasília, ele pretende voltar a Afogados da Ingazeira quando estiver formado. “Escolhi o curso de gestão de políticas públicas porque quero voltar à minha cidade e tentar mudar as vidas das pessoas”, diz.

Homenagem
A sexta edição da Olimpíada de Língua Portuguesa - que na última edição envolveu 4.874 municípios brasileiros, 39.661 escolas, 81.266 professores e mais de 5 milhões de estudantes - homenageia a escritora mineira Conceição Evaristo. “É o primeiro ano que homenageamos alguém. Conceição representa a educação que defendemos”, afirma a presidente do Conselho de Administração do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), Anna Helena Altenfelder.

“Minha trajetória profissional foi feita no magistério. Muitas vezes, a escola é o único espaço onde crianças e adolescentes têm contato com o mundo da escrita, com os textos, por isso a importância da Olimpíada, que estimula, como disse Paulo Freire, uma leitura de mundo antes da leitura das palavras”, destaca a homenageada.

Serviço:
Olimpíada de Língua Portuguesa 
Adesão das secretarias estaduais e municipais de ensino e inscrições dos professores até 30 de abril
Inscrições pelo site www.escrevendoofuturo.org.br



Exposição resgata histórias de jornais centenários
Um teste com o novo Renault Logan
Peças plastificadas, bolsa de palha e óculos escuros
Moro cogita continuidade da Força Nacional em Paulista
Galeria de Fotos
Grupo Diario de Pernambuco